Vasco

Vasco

domingo, 10 de dezembro de 2017

FIGURAS DA COLINA - AMILCAR GIOFFONI

O médico de uma equipe de futebol vive muito mais os dramas das partidas do que os demais integrantes do time e comissão técnica. Quem garantia isso era Amílcar Giffoni, o responsável pela saúde da rapaziada do Vasco da Gama, durante a décda-1950.
 - O médico batalha, até o último minuto que antecede aos jogos, para mandr a campo o atleta que passou a semana tratando de um problema. Quando ele rola a bola, quem deu-lhe codições de jogo sente-se muito mais responsável pela sua produção. Fica ligado em todos os seus movimentos, temendo a volta do problema. Por isso, sente muito mais as emoções da peleja, assegurava Giffoni.
 Em 1950, o Vasco da Gama era elogiado por ter o melhor departamento médico do futebol carioca. Para o treinador Flávio Costa, um dos principais itens que levou o seu time ao título foi o trabalho desse pessoal que conseguia lhe garantir a escalação de ateltas imprescindíveis para o compromisso.
 Quem começou a modernizar o setor médico vascaíno foi o 30º presidente do clube, Antônio Rodrigues Tavares (1948/1949). Seu sucessor, Cyro Aranha, manteve a atenção ao setor, deixando o Vasco da Gama com médico, também, para as modalidades amadoras – Aloísio Caminha – e náuticas – o doutor Miranda.
 Amílcar Giffoni começou a trabalhar com o futebol a partir de 1943, quando o colega Leite de Castro o indicou a Vargas Neto, o presidente da Federação Carioca de Futebol-FCF (e sobrinho predileto do presidente da república, Getúlio Vargas). Servindo à seleção guanabarina, ficou campeão brasileiro e fez amizade com os treinadores Flávio Costa e Luís Vinhais.

Giffoni foi médico, também, da Seleção Brasileira
 Pouco depois,  convidado para servir ao América, ele especializou-se em medicina esportiva, estudando na Escola Nacional de Educação Física. Mas demorou pouco como americano.
 A FCF estava na esquina à sua espera. Mais um pouquinho e foi a vez do treinador uruguaio Ondino Viera e do diretor do departamento profissional vascaino, Digo Rangel, também desejarem os seus serviços, que foram estendidos à Seleção Brasileira da Copa do Mundo-1950.
 Campeão Carioca-1949/50/52, o Vasco da Gama poderia ter sido tetra, se não tivesse feito uma fraca campanha-1951. Amílcar Giffoni tinha uma explicação:
 - O Vasco não estava com time  envelhecido, como muitos falavam. Pagava os complexos surgidos com a perda do titulo do Mundial (para o Uruguai), por haver fornecido o maior número de jogadores. Desde 1946, jogava sem parar. Estafado, fisicamente, (em 1951), precisava de recuperação orgânica e do moral.
 De cordo com Giffoni, naquela temporada, o Vasco da Gama realizou 705 exames clínicos; 150 laboratoriais; aplicou 410 injeções; 520 procedimentos fisioterápicos; 80 chapas de Raios X; 110 atndimentos traumatológicos; 30 gessamentos; 40 pequenas cirurgias e manteve a alimentação dos ateltas sob permanente controle.
 No entanto, a fase vascaína de mais trabalho para o médico Amílcar Giffoni, segundo ele, foi quando a rapaziada esteve, em Santiago do Chile, disputando o Campeonato Sul-Americano de Clubes Campeões, o qual venceu, em 1948.
- Passamos 40 dias na concentração de Los Maitenes, lutando contra tudo, desde a comida até o frio intenso, afirmou ele à rvistas carioca “O Globo Sportivo”, considerando a trazida da taça “verdadeiro heroísmo” da moçada.            

               

 

               

 









HISTORI&LENDAS DA COLINA - GOLEADAÇA

 1 - Em 1953, rolou o I Torneio  Internacional  de Futebol do Rio de Janeiro. Além do Vasco da Gama, entaram Flamengo, Boca Juniors e Racing, estes dois da Argentina. O Vasco foi campeão, mandando, na última rodada, 5 x 2 Flamengo. Aconteceu em 3 de fevereiro de 1952, com os gols vascaínos marcados por Ademir (2), Sabará (2) e Chico. A rapaziada foi: Barbosa, Augusto, Harondo; Ely (Mirim), Danilo, Ipojucan, Sabará, Ademir, Alvinho (Vavá), Válter e Chico. 

2 - Quando o Vasco negociou o passe de Romário (sistemática antiga de transferência de atletas, abolida pela Lei Pelé), o carinha saiu da Colina batendo nos cartolas. Considerava o futebol brasileiro desorganizado e repleto de dirigentes desonestos. Capilarmente, bons tempos aquele  em que o hoje quase careca senador eleito pelo Rio de Janeiro, com 60 milhões de votos, ainda era da turma dos cabeludos. Romário deixou a vida dos cabeluda careca de fazer gols.
3 - O Vasco foi tri do Troféu Brasil de Remo, em 6 de dezembro de 2009, com cinco vitórias nas 12 finais, em uma manhã de domingo de sol escaldante na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Cidade Maravilhosa. Na realidade, a sua rapaziada só comprovou que não dava para ninguém lhe tascar nada.

4 -  Antes de sair no braço, o “Almirante” estava na ponta, com quatro triunfos, contra dois do concorrente mais próximo.  Levou a melhor no ‘single skiff’ feminino (leve), com Camila Carvalho; no’four skiff feminino’, com Dayane, Natasha, Kissya e Camila; no ‘double skiff’ masculino (leve), com Henrique Motta e Alexis Mestre; no ‘single skiff’ feminino (sênior), com Camila Carvalho; e o oito, remado por Renato, João, Gustavo, Alexis, Rangel, Marco, Thiago, Felipe e Castro (patrão). 

DOMINGO É DIA DE MULHER BONITA - CARLA BRUNI,1ª DAMA DOS FRANCESES

No registro civil,  Carla Gilberta Bruni Tedeschi. Para o “jet st” iternernacional e o mundo politico, Carla Bruni-Sarkozy, a graça da bela e ex-primeira dama da França.
 Quando pulou fora da barriga de Marysa Borini, uma pianista, Carla estava na italiana Turim e era vésperas do Natal (23.12.1967). Naquele dia, o compositor clássico Alberto Bruni Tedeschi não imaginava que, 42 temporadas depois, ele seria pai da primeira dama da França– Carls casou-se com o 23º presidente francês,  Nicolas Sarkozy (França (2008-2012).
Tempos de modelo e de fotos muito sexy em revistas
Com tanta música em sua vida, seria natual que Carla, também, vivesse entre palcos e estúdios de gravação. Foi o que fez, após descer das passarelas de modas, onde etivera, de 1987 a 1998. Gravou três álbuns – Quelqu'un m'a dit (2002);  No promises (2006), Comme Si De Rien N'Était (2008) e Little french songs (2013).
Carla foi parar na França, em 1975, porque o seu pai deixou a Itália por temor da das marxistas Brigadas Vermelhas, que sequestravam e assassinavam. A menina cresceu em Paris, depois foi estudar na Suiça, voltou a Paris e estudou na Sorbonne.
Em 1988, Carla não quis mais saber de livros. Virou modelo fotográfico, aos 19 de idade, e trabalhou para as grifes mais importantes, concorrendo com as “top” Naomi Campbell, Kate Moss, Claudia Schiffer e Christy Turlington, as primeiras famosas, internacionalmente. Uma das mais bem pagas do mundo da moda, chegou a faturar US$ 7,5 milhões de dólares, por temporada.
Em 2008, já primeira dama francesa, garimparam uma foto dela imitando Eva e levaram a leilao, sendo arrematada por US$ 91 mil dólares, seis vezes maior do que o preço imaginado.
Carla foi do time das primeiras modelos famosas internacionalmente
Menina namoradeira, Carla teve casos com Eric Clapton, Mike Jagger, Kevin Costner e com o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
 Logo, ser primeira dama era o seu destino, o que começou a rolar em 2007, quando descobriram o seu namoro com Sarkozy, que acabava de se separar da ex, em meio a rumores de chifradas rolando.
Chifradas por chifradas, a mãe de Carla chifrou o marido, por seis temporadas, e contou, bem mais tarde à filha, que o seu verdadeiro pai chamava-se Maurizio Remmert e vivia no Brasil desde 1970.  
Carla tornou-se primeira-dama da França em 2 de fevereiro de 2008. Ganho gabinete  no Palácio Eliseu e passou a acompanhar Sarkozy em sus viagens oficiais. Em 17 do último maio, ela anunciou estar à espera de Giulia, que pintou no pedaço em 19 do recentinho outubro.
FOTOS REPRODUZIDAS DE WWW.FANPOP.COM - AGRADECIMENTO


                   

 

sábado, 9 de dezembro de 2017

ÁLBUM DA COLINA - VASCO GUERREIRO

Você está acostumado a ver reproduzidos por aqui belos trabalhos artísticos da turma do site www.paixaovascao.com.br, não é mesmo? Mas, hoje, o "Kike" deparou-se com este no www.netvasco.com.br, que é o principal site esportivo brasileiro e um dos maiores do mundo, comandado pelo nosso amigo Fernando Ramos, torcedor vascainíssimo. 
Concorde que é um belo selo, exibindo um almirante guerreiro,  sem citar o autor do traço. Se alguém souber, por favor, nos informe, para colocar o crédito, informar a sua graça ao planeta.
 Enquanto isso, o "Almirante" segue lutando contra tudo e contra todos, aliás desde que que começou a rolar a bola, enfrentando a ira dos que não o aceitavam praticando-o a democracia epidérmica e na carteira de dinheiro.
 Salve NetVasco, pela sua ideia brilhante. Brilhantíssima. Valeu!      

HISTORI&LENDAS DA COLINA - SANTISTAS

1- Quando o Vasco da Gama inaugurou o estádio Club de Regatas Vasco da Gama, mais conhecido por São Januário, convidou o Santos para a inauguração. E levou 5 x 3 do “Peixe”, em 3 de março de 1927. Engasgado, com uma espinha no pescoço por dentro, uma temporada depois a “Turma da Colina” convidou a Portuguesa Santista. E levou  x 3.   

2 - Se tem um santo que não faz milagres contra o Vasco da Gama, seguramente, este é o glorioso (nem tanto) "Toín". Em cinco amistosos, só viu as coisas do jeito que o diabo gosta. No terceiro deles, em um feriado, quando a turma aproveita para beber umas pingas, Pinga e Sabará levaram a sério a partida e desceram dois goles no filó. E, já que o feriadão era dia de molhar o pescoço por dentro, o técnico Flávio Costa mandou à farra  quase todo o seu grupo: Victor Gonzalez, Paulinho de Almeida (Dario), Bellini (Haroldo), Orlando, Beto, Laerte (Jophe), Sabará (Ademir Menezes), Válter Marciano (Iedo), Vavá, Pinga e Parodi (Alvinho).     
3 - No 15 de novembro de 1983, quando entregou à sua torcida o estádio Aderbal Ramos da Silva, mais conhecido por Ressacada, o Avaí-SC convidou o Vasco da Gama para a festa com 27 mil presentes. Beleza! O “Almirante” compareceu  à Rua Tenente Calandrini, s/nº, em Florianópolis, equem abriu a primeria porta foi o vascaíno Vilson Taddei, aos 5 minutos. E abriu a segunda, aos 12. Aí desembestou a coisa. Marcelo, aos 19, fez o seu primeiro, e voltou ao filó, aos 40 e aos 45 do segundo tempo. No meio disso, aos 42 da mesma etapa final, Dudu havia passado por lá.

4 -  Celso Bozzano apitou vasco 6 x 1 Avaí e, a convite de Oto Glória, esta moçada fez a festa: Roberto Costa; Edevaldo, Chagas, Nenê e Roberto Teixeira; Serginho, Oliveira (Geovani), Vílson Tadei e Ernâni (Dudu); Marcelo e Paulo Egídio (Júlio César).