Vasco

Vasco

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A MUSA VASCAÍNA DO DIA - PAT

Patrícia reina no pedaço das cadeiras numeradas

 
 
 

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

CORREIO DA COLINA - CASABLANCA


"Amigo, você poderia me informar a ficha técnica de Vasco 5 x 1 Raja Casablanca? Não consegui achar na Internet" Aurimar Frutuoso de Oliveira, de Rio Verde-GO.

Anote aí: 29.12.1999 – Vasco 5 x 1 Raja Casablanca-MAR. Amistoso. Estádio: Maracanã-RJ. Juiz: Amaurílio Machareth Sá Leão. Gols: Gilberto, aos 8; Romário, aos 18, e Aboub,aos 33 mindo 1º tempo; Odvan,aos 23, e Romário, aos 47 mindo 2º tempo. VASCO: Carlos Germano; Jorginho, Júniro /baiano, Mauro Galvão (Odvan) e Gilberto;  Amaral, Felipe, Juninho (Paulo Miranda) e Ramon Menezes (Alex Oliveira); Donizete e Romário. Técnico: Antôno Lopes. RAJA CASABLANCA: Chadili; El Karkouri, El Haimeur, Misbah (Nater) e Sasfri; Jrindou, Moustaoudia, Aboub e Khoubbache (Achami); Mejjary, Eveyahi (El Moubarki). Técnico: Luis Fullones.  

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

OS TRÊS REIS MAGOS DA BOLA


 
Eles foram "reis do futebol brasileiro" e vestiram a jaqueta da "Turma da Colina". Ademir Menezes, o primeiro à esquerda, chegou a São Januário, em 1942, para se transformar no maior fenômeno de popularidade no país, pelos anos seguintes. Em eleições para premiar craques, tinha mais votos do que o presidente da república. Foi vascaíno até 1956, com um "passeiozinho", de pouco tempo, pelo Fluminense. À esquerda está Zizinho, considerado o maior craque dos nosso gramados, antes do surgimento dete rapazinho aí do centro da foto. Chamado de "Mester Ziza", fez duas partidas amistosas pelo Vasco, emprestado pelo Bangu, em 1956, para ter o prazer de voltar a jogar no mesmo time do amigo Ademir. Quanto ao carinha do meio, este é o "rei dos reis do futebol", o então garoto Pelé. Ademir e Zizinho fizeram questão de ir ao vestiário do Santos, no Maracanã, abraçá-lo, parababenizá-lo pela sua bola cheia.
Esta foto é raríssima e foi publicada pelo Nº 5 da "Revista do Esporte" que circulou com data de 11 de abril de 1959. Como os "cliks" não eram creditadas, na época, esta foi batida por Hélio Brito, Eufrosino Mello ou Osmundo Salles, os três fotógrados de então da "RE". A revista não cita, também, o dia do encontro, mas, muito provavelmente, pode ter sido em 9 de abrilde 1959, quando o "Peixe" foi ao Maracanã vencer o Botafogo, por 4 x 2, com um gol de Pelé, pelo Torneio Rio-São Paulo –  contra o América, foi no RJ, mas Pelé não atuou. Diante de Fla, Flu e Vasco rolaram em São Paulo.
...
They were "kings of brazilian football" and wore the jacket of the "Class of the Hill." Ademir Menezes, the first left, came to San Gennaro, in 1942, to become the biggest phenomenon of popularity in the country for the following years. In elections to reward superstars, had more votes than the president of the republic. Vasco was until 1956, with a "little walk", a short time at Chelsea. On the left is Zizinho, considered the greatest playmaker of our lawns, before the emergence dete boy around the center of the photo. Called "Mester Ziza," made ​​two friendly matches for Vasco on loan from Bangor, in 1956, to have the pleasure of returning to play on the same team Ademir's friend. As for the guy in the middle, this is the "king of kings of football," the boy then Pelé Ademir and Zizinho insisted on going to the locker room of Santos in the Maracanã, hug him, parababenizá him by his full ball.
This photo is very rare and has been published by No. 5 of the "Journal of Sport" that circulated dated April 11, 1959. As the photo was not credited at the time, it was hit by Hélio Brito, Eufrosino Mello or Osmundo Salles, the three fotógrados then the "RE". The magazine did not also cites the day of the meeting, but, most likely, may have been on 9 april 1959 when the "Fish" was the Maracanã beat Botafogo, for 4 x 2, with a goal from Pelé, by Rio-São Paulo tournament - the match against America, was in RJ, but Pele did not act. Before Fla, Flu and Vasco (Pelé scored in 3 x 0) rolled in São Paulo.



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

LINDAS TORCEDORAS VASCAINAS - JANINE

 A bela Janine Proazzi é uma das mais inteligentes modelos fotográficos do país. Fez curso superior na área médica e é praticanete de vários esportes, entre eles capoeira. Ela é sensacional, espetacular!
                                                 

terça-feira, 25 de outubro de 2011

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

A MUSA VASCAÍNA DO DIA - JUJU


Juliana disputou o título de Musa do Vasco e já participou de uma edição do Big Brother da TV Globo. Aqui ela posa para o site www.vsacofotos.worlpress.com.br, ao qual agradecemos pela  

 

domingo, 23 de outubro de 2011

FOTO DO DIA - FEITIÇO DA COLINA


 Luis Matoso é o nome do apelidado atacante Feitiço, que passou pela Colina entre 1936 e 1937. Nascido, em São Paulo, em 29.12.1901, viveu até 23.08.1985. Além do Vasco da Gama, passou, também, por ouros grandes clubes, como Corinthians, Santos, Peñarol-Uru e Palestra Itália, atual Palmeiras. Deixou cerca de 400 gols em sua historia. Pela Seleção Brasileira, marcou seis tentos, em quatro jogos.
Feitiço ficou na história do futebol brasileiro, também, por hoje por desaforo contra o presidente da República,  Washington Luís, em 1927. Durante a decisão do Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais, entre cariocas e paulistas, em São Januário, o placar estava 1 x 1. Aos 29 minutos do segundo tempo, o árbitro Ari Amarante marcou pênalti para os anfitriões. Os visitantes não aceitaram e paralisaram a partida. O presidente Washington Luís, que estava no estádio, mandou um assessor ao gramado com a ordem de reiniciara a contenda. Foi quando Feitiço respondeu: "Diga ao presidente que ele manda no país. Na Seleção Paulista, mandamos nós". Fim de jogo e custou-lhe umas suspensão.

sábado, 22 de outubro de 2011

TÁ NA MESA – CARDÁPIOS DA COLINA

 Você é o convidado de hoje, do treinador Nélson Filpo Nuñes, para o almoço. Embora nascido argentino, o churrasco não era o seu cardápio predileto. Para o seu rango deste domingão, no ‘Túnel do Tempo”, ele colocará à mesa um bife, bem passado, acompanhado por salada mista e batatas cozidas. E, é claro, que não faltará uma deliciosa sobremesa. De sobremesa, pudins de creme de leite e de ovos, preparados pela brasileira Marlene, a sua esposa, nascida na paulista Santos. Dá água na boca, não é? Então, bom apetite!
Natural de Buenos Aires, chegado em 19 de agosto de 1920, “El Bandoneón”, o seu apelido,  viveu durante 78 anos, até 6 de março de 1999. Treinou o time vascaíno em 1960, tendo sido o 19º da história e o quinto estrangeiro, após o uruguaio Ramón Platero; o inglês Harry Welfare, e mais dois uruguaios, Carlos Scarone e Ondino Viera. Foi substituído por um conterrâneo, Abel Picabé, igualmente, nascido em Buenos Aires. 
 
VAVÁ À ESPANHOLA - Quem convida, agora, a pegar no garfo  é o glorioso Edvaldo Izídio Neto, o Vavá, pernambucano “cabra-da-peste”. Mas não pense que, por ser conterrâneo de Lampião, este nordestino vai oferecer-lhe uma macacheira, ou um cuscuz com carne de sol. O Vavá da mesa de hoje é o da Espanha, de quando jogava pelo Atlético Madrid, para o qual foi antes de o Vasco conquistar o SuprSuperCampeonato Carioca-1958. Chegado à capital espanhola, o “Leão da Copa” estranhou muito a culinária da terra. Mas, pouco a pouco, foi-se acostumando. E, além da boa carne bovina de primeira qualidade, e do franguinho,  ele tornou-se fã das “tortillas”. É o seu cardápio de hora. Antes, porém, para molhar o pescoço por dentro, abrir o paladar, Vavá e você vão fazer um sacrifício e beber as deliciosas cervejas San Miguel e El Áquila. Fechado?
Só um detalhe: o brasileiro conhece mais as “tortillas” mexicanas. A deste almoço, esperando por você na Calle Joaquim  Maria Lopes, onde residia Vavá, é feita com quatro ovos; três batatas médias; uma cebola; cebolinhas; uma xícara de óleo, sal e pimenta ao gosto da pessoas. Tá falado? Bom apetite.
O glorioso Edvaldo "Vavá" chegou ao Vasco, em 1951, para ser testado pelo treinador do time juvenil. Passou sete temporadas na casa, tendo vestido a jaqueta da   “Turma da Colina” por 191 vezes, de acordo com o site do pesquisador Mauro Prais. O número de gols marcados não é exato, pois não havia preocupação com isso, na década-1950.  O “Kike” vem pesquisando por súmulas de seus jogos cruzmaltinos e prevê que deve chegar aos 150. 
 
 POLVO À TONINHO - Dona Elza prepara um prato, saborosíssimo, para o seu marido, o treinador Antônio Lopes, que ela chama de Toninho.. Vamos experimentar? Ante a receita dela: 1 – Lavar bem o polvo; 2 - Separar os tentáculos, lavá-los e jogar água quente em cima; 3 – Colocar água para ferver; 4 – Mergulhar os tentáculos na água fervida, colocar sal e deixara cozinhar pro 40 minutos. Se conseguir limpar bem a cabeça, pode-se aproveitá-la; 5 – Tirar o polvo cozido, sem jogar a água fora; 6 – Picar os tentáculos, misturá-lo ao arroz branco comum (três copso de arroz apara um polvo de um quilo0 fazer o refogado, com cebola, também picada, azeite e alho; 7 – Jogar por cima a água em eu o polvo foi cozido, até cobrir o arroz. Esperar 25 minutos para degustar. Bom apetite, galera!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

HISTORI&LENAS CRUZMALTINAS

        

    

     

 

 

 



1 - Quando o Vasco conquistou o seu primeiro título carioca, em 1923, o treinador era um uruguaio, Ramón Platero. Ele ficou em São Januário entre 1922 e 1927. O seu substituto foi o inglês Harry Welfare, terceiro colocado no Carioca de 1929; quarto, em 1934, e quinto, em 1936. Comandou o time de 1927 a 1937, quando o clube teve outros dois treinadores, Floriano Peixoto e Carlos Scarone. Em 1938, já foram três: Edgar Noronha de Freitas, Ramón Platero, que voltou e saiu no mesmo ano, e Gentil Cardoso, que segurou até 1939.
HARRY WELFARE CONSEGUIU garantir o emprego por 10 anos. Hoje, no Brasil, nem pensar.
2 - Classificações vascaínas em Campeonatos Brasileiros: 1981 - 5º lugar, em 19 jogos, com 11 vitórias, 5 empates e 3 derrotas, marcando 41 e sofrendo 17 gols. Saldo de 24; 1982 - 10º lugar, em 16 partidas, com 10 vitórias, 2 vitórias e 4 derrotas, marcando 42 tentos e levando 14. Saldo de 28; 1983 - 6º lugar, em 22 compromissos, 7,12 empates e 3 quedas, marcando 29 e deixando passar 17.Saldo de 12; 1984 - 2º lugar, depois de 26 disputas, 14 vencidas, 5 empatadas e 7 perdidas. Fez 51 e tomou 20 gols: Saldo de 31;1985-11ºlugar, em 26 refregas. Venceu 11, empatou 8 e perdeu 7. Fez 37 e viu 31 bolas em suas redes: Saldo de 6; 1986 - 13º lugar, 28, 10 vitórias, 8 igualdades, 10 vexames, 35 gols pró e 24 contra. Saldo de 11.
CAMPEÃO, EM 1974, ameaçou repetir a dose, 1984, dez anos depois, mas ficou no “quase”.
3 - 23 de janeiro de 1992 – O Vasco formou um combinado, com o Flamengo, para enfrentar um equivalente, de palmeirenses e corintianos, no Maracanã. Reunia-se as maiores rivalidades carioca e paulista. Deu vitória paulistana, por 2 x 1, sob o apito der José Aparecido de Oliveira (SP), com gols alvinegros, de Paulo Sérgio, aos 34 minutos do primeiro tempo e Tupãzinho aos 14 do segundo. O tento carioca foi do baiano Bebeto, aos 40 da etapa final. Ele jogou por rubro-negros e cruzmaltinos, que formaram assim: Gilmar, Luiz Carlos Winck (Vas), Gottardo, Alexandre Torres (Vsc) e Eduardo (Vsc) (Piá); Charles Guerreiro e Júnior, Willian (Vsc), Zinho (Bebeto) e Gaúcho (Vsc). PALMEIRAS/CORINTHIANS : Carlos (P) Ronaldo (C); Giba (C), Marcelo (C), Guinei (C) e Dida (P) Odair (P); César Sampaio (P), Wilson Mano (C) Erasmo (P), Neto (C) Tupãzino (C) e Edu Marangon (P); Evair (P) e Paulo Sérgio (C). Técnico: Carlos Alberto Parreira.
BEBETO era um baianinho porreta. Foi rubro-negro e cruzmaltino, e fez um gol para os dois, de uma só vez.
4 - Welves Dias Marcelino, o ponta-direita Vivinho, marcou o gol mais bonito que São Januário já viu. Em 11 de setembro de 1988, diante da Portuguesa de Desportos, pelo Campeonato Brasileiro, ele “chapelou”,por três vezes, o volante Capitão, e deixou na rede um golaço que valeu-lhe uma placa no estádio do Vasco. Vivinho foi bi-campeão carioca, em 1987 e 88, quando o Vasco era treinado por Sebastião Lazaroni e tinha atletas como Romário, Bismarck, Geovani, Paulo Roberto, Dunga e Mazinho. Também, chegou à Seleção Brasileira.
ENCOBRIU CAPITÃO, com três chapéus. Imagine se o cara fosse soldado!
5 - 13 de abril de 1961 – O Vasco enfrentou Pelé, pela quarta vez, e o venceu, por 2 x 1, pelo Torneio Rio-São Paulo, no Maracanã, diante de 74.155 pagantes. O juiz foi Mário Barreto Nogueira e os gols cruzmaltinos marcados por Sabará e Wilson Moreira. Pepe acionou o “Canhão da Vila” e fez o da “Turma do Rei”. O Vasco foi: Ita, Paulinho, Bellini e Coronel; Écio, Barbosinha e Lorico; Sabará, Wilson Moreira, Roberto Pinto e Pinga (Da Silva) Técnico : Martim Francisco. O Santos alinhou: Lalá, Mauro e Dalmo; Jorge (Getúlio), Urubatão e Calvet; Dorval, Mengálvio, Álvaro (Sormani), Pelé (Tite) e Pepe.
O 'REI' NÃO FICOU ATÉ O FINAL da pugana. Deixou o vassalo Tite, em seu lugar, para não ver o prejuízo.
6 - Jair Rosa Pinto, um dos grandes ídolos vascaínos da década-1940, disputou 71 partida pela "Turma da Colina". Fez 27 gols, média de 0,39 por jogo, dos quais venceu 44 e empatou 18 e caiu em 9. Estreou em 14 de fevereiro de 1943, em Vasco 1 x 1 Palmeiras, amistosamente, já balançando a roseira. O último tento foi em 19 de outubro de 1946, nos 4 x 3 sobre o Bonsucesso, pelo Campeonato Carioca. A despedida rolou em 9 de novembro de 1946, no 1 x 1, com o São Cristóvão, pela mesma disputa. Seus títulos de campeão pelo clube foram: Torneio Início-1944; Torneio Relâmpago-1944; Torneio Municipal-1944/45/46 e Campeonato Carioca-1945 (invicto). Teve mais dois parentes que vestiram a jaqueta cruzmaltina, o irmão Orlando e o sobrinho Roberto Pinto.
UM PINTO QUE empinava a cabeça, olhava o lance e metia muitos gols para a "Turma da Colina"
7 - 24 de março de 1931 -O Vasco encarou o uruguaio Sudamérica, amistosamente, em São Januário, com dois árbitros. Começou com Jorge Marinho, ligado ao Fluminense, e terminou com Carlos Scapinachis, atleta e jornalista no Uruguai. Na época, o futebol uruguaio, campeão da primeira Copa do Mundo-1930, e da Olimpíada-1928, era fortíssimo. Até clube sem expressão, como o Sudamérica, que não era da primeira divisão, despertava a atenção dos brasileiros. Reforçado por atletas de Wanderers, Olympia Club, Peñarol e Nacional, aquela galera veio excursionar ao Brasil. O Vasco mandou-lhe 4 x 2, com gols de Mattos (2) e Paes (2), jogando com: Jaguaré, Brilhante e Itália; Tinoco, Fausto e Molla (Nevi); Bahianinho, Paes, Waldemar, Mattos e Sant’Anna.
NOME DO FILME: DOIS APITOS E SEIS GRITOS (DE GOL).
.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O MISTÉRIO DO DIA - TENISTA

 Esta foto entrou para ao rol dos “posters” mais vendidos do planeta. Evidentemente, pela criatividade do fotógrafo, ou da modelo. E, realmente, o seu apelo sexy é interessantíssimo, mesmo sacando que nenhuma tenista vai à quadra sem calcinha.
Por mais de três décadas – exatamente, 35 anos – rolou um curioso mistério: quem seria a bela fera da raquete? Pela página 90 da edição de 30 de março de 2004,  na seção “Gente”, a revista paulista “Veja”, da Editora Abril, matou a curiosidade por estas bandas tropicais. Contou que a tenista nem era tenista. Apenas uma jovem, de 18 anos, apaixonada pelo namorado, um aspirante a fotógrafo. Para presenteá-lo, pegou, emprestado, o saiote de uma amiga e o boné, do pai. E catou todas as bolinhas do seu cachorro brincar, para compor este cenário que você está curtindo.
 
Legal! O malandro do namorado, que chamava-se Martin Elliot,  gostou tanto do resultado do seu trabalho, que execrou a ideia de só ele ter o privilégio de ver aquele sensacional click. E vendeu a foto para a maior empresa de “posters” da Inglaterra, sem o perigo de o pai da moça descobrir, já que não mostrava o rosto.
 Resumo da ópera: vendeu mais de dois milhões de reproduções e rendeu outros tantos dois milhões de libras esterlinas, que o fotógrafo embolsou sem dar “umazinha” sequer (moeda, é claro) à namoradinha, a inglesa Fiona Walker, que e só se revelou ao mundo ao chegar à casa dos 52 anos de idade. Para ela, é a luz que deixa a foto tão bonita. Do que discordam os brasileiros.

domingo, 16 de outubro de 2011

SITE CARIOCA ELEGE CINCO 'VASCAÇAPAS'

 Cinco grandes vitórias da "Turma da Colina" estão classificadas pelo site http://futpedia.globo.com/campeonato/campeonato-brasileiro entre as 50 principais do  Brasileirão. Confira o que aconteceu:

16º - 03.12.1997 – Vasco 4 x 1 Flamengo, em 1997.  Edmundo, o grande nome  do Brasileirão do ano, “aconteceu” em campo. Jogou tanto que até superou o fato de a “Turma da Colina” ter passado todo o segundo tempo com um homem a manos, devido a expulsão do apoiador defensivo Nélson. O “Animal” marcou três gols e a vitória levou os vascaínos à final do campeonato, que teve caneco carregado pra Colina.

25º - 04.05.1980 – Vasco 5 x 2 Corinthians. Jogo que valeu pelo Brasileirão e marcou a volta de Roberto Dinamite a São Januário, após uma passagem pelo espanhol Barcelona. Ele marcou todos os tentos cruzmaltinos, quatro no primeiro tempo.


32º - 23.12.2000 – Vasco 3 x 1 Cruzeiro. O duelo rolou no Mineirão, e o time da casa não contava com esta surpresa. Surpresa só para a sua torcida, pois o time vascaíno estava muito bem armado, por Osvaldo Oliveira, que desentendeu-se com o presidente Eurico Miranda, que o trocou por Joel Santana, que foi  campeão da Copa Mercosul, em apenas um jogo, e do Brasileiro.

38º - 02.12.1989 – Vasco 1 x 0 Corinthians – Valia vaga nas finais do Brasileirão e o jogava no Morumbi, com a torcidas adversária em maioria. Mas o garoto Sorato resolveu a parada, para marcar o gol do título, diante do São Paulo, no mesmo local, dias depois  

46º - 21.07.1974 – Vasco 2 x 1 Santos. Com gols de Luís Carlos Lemos e de Roberto Dinamite, a “Turma da Brasileiro – cobrando falta. A vitória foi encostando  a rapaziada na decisão do título.  

 

 

sábado, 15 de outubro de 2011

VASCO DAS CAPAS - O CAMPEÃO VAVÁ

 
A revista carioca Manchete, do empresário Adolpho Bloch, mostrou a popularidade do centroavante vascaíno Vavá, após voltar da Copa do Mundo da Suécia, em 1958, como vencedor. Além de mostra-lo exibindo o belo troféu da vitória alada, o mostra beijado por uma linda jovem que encontrou no gesto a forma de retribuir as alegrias que o goleador passou-lhe, pelo rádio, durante a grande campanha da Seleção Brasileira.  
The carioca magazine headline, owned by Adolpho Bloch, showed the popularity of Vasco striker Vava, after returning from Sweden's World Cup in 1958, as the winner. In addition to showing it displaying the beautiful trophy winged victory, shows kissed by a beautiful young woman who found the gesture the way to repay the joys that the striker passed him on the radio, during the great campaign of the Brazilian.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

A BELA DO DIA - FERNANDA



FILHA DO JORNALISTA ESPORTIVO (E NOSSO AMIGO) ÁLVARO JOSÉ, A ATRIZ FERNANDA PAES LEME VEM CONQERING MANY FANS PELO SEU DESEMPENHO NA TELINHA DA TV GLOBO. ENTRE ALGUNS DOS SEUS TRABALHOS, ESTÃO AS NOVELAS "UM SÓ CORAÇÃO"; "DA COR DO PECADO"; "AMÉRICA"; "DESEJO PROIBIDO"; "PARAÍSO"; "FORÇA TAREFA" E "SALVE JORGE". ELA PARTICIPOU DE UM ENSAIO MUITO DESPORTIVO PARA A REVISTA "BT", QUE USOU 13 PÁGINAS MOSTRANDO A BELEZA E AS OPINIÕES DE UMA MULHER MUITO INTELIGENTE. ASSIM COMO O SEU PAI, UM DOS JORNALISTAS MAIS COMPETENTES DA TV BRASILEIRA. FERNANDA FOI FOTOGRAFADA POR MAURÍCIO NAHAS.
.....................................................
DAUGHTER OF SPORTS JOURNALIST (AND OUR FRIEND) ALVARO JOSE, actress FERNANDA PAES LEME CONQUISTANDO MANY FANS COME BY YOUR PERFORMANCE IN THE small screen TV GLOBO. BETWEEN SOME OF YOUR WORK, ARE THE NOVELS "ONE HEART" "COLOR OF SIN" "AMERICA" "FORBIDDEN DESIRE" "PARADISE", "TASK FORCE" AND "SAVE JORGE". SHE ATTENDED A VERY SPORTY FOR TESTING THE JOURNAL "BT", WHICH USED 13 PAGES SHOWING THE BEAUTY AND THE OPINIONS OF A VERY INTELLIGENT WOMAN. AS YOUR FATHER, ONE OF THE MOST COMPETENT JOURNALISTS OF BRAZILIAN TV. FERNANDA WAS PHOTOGRAPHED BY MAURICE NAHAS.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

VASCO DAS CAPAS - SABARÁ

"Sabará, o valoroso ponteiro do Vasco da Gama, que tem apresentado excelentes atuações no presente campeonato, sendo apontado atualmente como o melhor jogador da cidade, na posição”, é o diz o texto que apresenta a capa do Nº 917 de “Esporte Ilustrado”, em circulação a partir de 3 de novembro de 1955. Conta que o atacante, “no clássico de domingo, frente ao Botafogo, assinalou um belo tento e contribuiu para outro, tendo ainda destacada ‘perfomance”. 
O elogio a Sabará – clicado na capa, por Alberto Ferreira – referia-se ao que ele fizera em Vasco 3 x 2 Botafogo, de 30 de outubro de 1955, no Maracanã, pelo Campeonato Carioca, quando a "Turma da Colina" fechara o primeiro turno líder, com três pontos perdidos (era assim, na época, com vitória valendo dois pontos), em 11 jogos, com nove vitórias, um empate e uma derrota, marcando 27 e sofrendo sete gols– até ali, Válter Maciano e Pinga eram os  principais artilheiros cruzmaltinos, ambos com sete tentos, seguidos pelo paraguaio Paródi, com seis.      

NA LATINHA - O clássico foi apitado por Eunápio de Queiróz, com o Vasco virando o placar – 1 x 2 no primeiro tempo – na etapa final. A renda atingiu Cr$ 615 mil, 872 cruzeiros e 20 centavos e os gols vascaínos foram de Sabará, Paródi e Pinga. O Vasco venceu com: Hélio, Paulinho de Almeida e Haroldo; Laerte, Orlando Peçanha e Beto; Sabará, Válter, Vavá, Pinga e Paródi. O Botafogo era: Lugano, Tomé e Nilton Santos; Orlando Maia, Pampoline e Juvenal; Garrincha, João Carlos, Baiaco, Paulinho e Neivaldo.
 A crônica do jogo está na página cinco, onde, sob o título “Vasco, líder absoluto do turno”, o repórter Leunam Leite fala da rodada, e encerra na folha 20. Escreve ele que ...”tivemos um clássico emocionante, em que Botafogo e Vasco brindaram o público com uma excelente porfia, cheia de alternativas interessantes”. Jogando pra cima, Leunam conta que os primeiros minutos do confronto “valeram por todo o ‘match’, dando-lhe um colorido notável e um clima de sensação verdadeiramente espetacular”. Sobre o início da etapa final, diz que os alvinegros  “pareciam envolvidos por um torpor geral...” Do primeiro gol vascaíno, escreveu ter sido “... numa jogada em que Sabará fugiu sozinho pela direita – pois Santos, de acordo com a ‘marcação por zona’, não podia  dar combate”.

NA PONTA DO LÁPIS - Na página 2, os gráficos  de seis jogos da rodada, desenhados por William Guimarães, mostram Sabará chutando, para o canto esquerdo defendido pelo goleiro Lugano, sob as vistas de Juvenal e Tomé. No segundo gol, o texto conta que Sabará cruzou, pelo alto, da direita, para Tomé e Orlando Maia falharem em suas tentativas de cabeçadas, e Paródi , “inteiramente livre, colhêr um pelotaço de extraordinária precisão e potência, decretando o empate”– o gráfico mostra a bola entrando pelo mesmo local do tento anterior. Já o gol da vitória, marcado pro Pinga, aos 43 minutos da fase final,  é visto por Leunam como prova de que o Vasco “... foi bafejado pela ‘chance’ como sói acontecer a todos os campeões” – ao final do campeonato, o campeão foi outro. Por sinal, com foto e José Santos, em tamanho de toda a página, o gol da vitória vascaína, marcado por Pinga, toma toda a segunda folha da revista.
 Nas páginas 12 e 13, como era tradicional, “Esporte Ilustrado” exibe oito fotos (sem créditos) de lances do clássicos, sedo três dos gols da vitória vascaína. Da foto 5, revela que Lugano arroja-se aos  pés de Paródi  e detém o couro”; da 6, que o mesmo goleiro “consegue afastar a pelota de munhecaço”.

REGISTRO - Na certidão civil, ele era Onophre de Souza. E fazia questão de exigir dos jornalistas que escrevessem o seu nome corretamente. Mas só saía Onofre. Ficavam devendo-lhe o "ph". No entanto, ele ficou na história do Vasco da Gama como Sabará. Muitos pensam que foi por causa de uma cidade do histórico barroco no interior mineiro. Nada disso! Segundo o próprio, o apelido deveu-se a uma frutinha que havia muito em sua terra. Da sua cor.
 Como atleta, Sabará, nascido em 18 de junho de 1931, em Souza, distrito da paulista Campinas, orgulhava-se se ser um atacante invicto com a camisa da Seleção Brasileira, na década-1950. Realmente, era.
No entanto, já caminhando para o final de sua história nos gramados, caiu ante os argentinos, por 2 x 4,  em 25 de maio de 1960, e, em 9 de julho, ante os uruguaios, por 1 x 0.  Mas saiu no lucro.

Em suas 10 partidas com a camisa do escrete nacional, venceu sete – 13.11.1055 - Brasil 3 x 0 Paraguai, quando marcou o seu único gol canarinho; 01.04.1956 - 2 x 0 Seleção de Pernambuco; 08.04.1956 - 1 x 0 Portugal; 01.05.1956 - 1 x 0 Turquia; 29.05.1960 - 4 x 1 Argentina; 03.07.1960 - 2 x 1 Paraguai; 12.06.1960 - 5 x 1 Argentina – empatou, também, uma, por 1 x 1, com a Suíça, em 11.04.1956.

CANARINHADAS - Pela Seleção Brasileira, Sabará colecionou os títulos de campeão da Taça Oswaldo Cruz, em 1955; da Copa Roca e da Taça do Atlântico, estas duas em 1960. Convocado por Flávio Costa, em sua primeira Seleção Brasileira, a que mandou 3 x 0 sobre os paraguaios, Sabará sentiu-se em casa. O time teve mais quatro companheiros de São Januário: Paulinho de Almeida, Vavá, Pinga e Válter Marciano. A escalação foi: Veludo; Paulinho (Djalma Santos), Pavão, Zózimo e Nílton Santos; Dequinha e Didi; Sabará, Vavá, (Zizinho), Pinga (Válter e Escurinho.
Na despedida, em junho de 1960, nos 5 x 1 pra cima dos "hermanos", Sabará foi chamado, pelo técnico Vicente Feola, juntamente com mais dois vascaínos: Bellini e Delém. A turma da partida foi: Gilmar; Djalma Santos, Bellini, Aldemar e Nílton Santos; Zequinha e Chinesinho; Sabará (Moacir), Coutinho (Delém), Valdo e Pepe. Detalhe: Aldemar havia jogado pelo Vasco antes de ir para o Palmeiras e chegar à Seleção.
  Na foto acima, Sabará comemora, com os companheiros de Vasco da Gama, um gol sobre o Real Madrid, em 1957, quando o clube espanhol gabava-se de ter o mais forte time de futebol do planeta. Mas os cruzmaltinos deitaram e rolaram em cima dele, durante ao Torneio de Paris, quando voltaram da França trazendo um dos troféus mais importantes da história do clube. Sabará era uma figuraça, e um animado folião, tendo sido, até, presidente de escola de samba.
  SIMPATIA - Sabará  foi um autêntico ponta-direita e um dos mais simpáticos e folclóricos do futebol, brasileiro. Com 576 jogos cruzmaltinos, só atuou menos do que Roberto Dinamite (1.118 transpirações).  Viveu até 8 de outubro de 1997, quando residia no Rio de Janeiro, onde chegou, em 1952, defendendo o Vasco, até 1964. Em 65, passou pela Portuguesa-RJ e o venezuelano Deportivo Itália. Colecionou as faixas de campeão carioca-1952/1956/1958 e do Torneio Rio-São Paulo-1958. Também, dos torneios Rivadávia Corrêa Meyer (1953); Theresa Herrera (1957), na Espanha; de Paris (1957), na França,  e de Santiago do Chile (1957).
Última foto reproduzida de MauroPrais.Netvasco.com.br e time posado assim: Carlos Alberto, Martim Francisco, Viana, Laerte, Dario e Orlando, em pé, da esquerda para a direita; Sabará, Rubens, Vavá, Pinga e Livinho, com o Troféu Tereza Herrera).   

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

FOTO DO DIA - BONECO DE BISMRACK

 
A coleção de bonecos esportivos do Kike não tem este do Bismarck. Caso você saiba quem o tenha e deseje vender, avise. Bismarck Barreto Faria, nascido em 11 de novembro de 1969, em São Gonçalo-RJ, foi meia vascaíno entre 1979/1986, e de 1987/1993. Juntamente com os meias Carlos Alberto e Juninho Pernambucano, e o goleiro Fernando Pras, foram os primeiros jogadores vascaínos homenageado na foram de boneco, como se vê na foto. Há, também, um Pelé vascaíno.    

terça-feira, 11 de outubro de 2011

COREIO DA COLINA - ESQUECIDINHO

1 - Resido em  Porciúncula, onde vivia o atacante vascaíno Friaça, da década-1950. Como aniversario no dia 11 de setembro, presenteei-me com uma viagem a São Paulo, em 2013, para assistir Vasco x Portuguesa (de Desportos), pelo Brasileirão. Estou em dúvida se o placar foi 2 x 0 pra gente, ou pra eles. Celestino Moura.
Prezado “vasconauta”, tente em um outro 11 de setembro para presentear-se, pois naquele você chutou pra fora. Os 2 x 0 foram contra a “Turma da Colina”,  no Estádio Osvaldo Teixeira Duarte, o "Canindé". Só 4.207 pagantes compareceram para assistiram à escorregada no tomate por: Diogo Silva; Nei, Cris, Jomar e Yotún; Abuda, Fillipe Soutto (Edmilson), Wendel (Juninho Pernambucano) e Marlone; Willie (Tenório) e André. Técnico: Dorival Júnior.
Cá entre nós: você anda comendo muito queijo? Já esqueceu de um jogo assistido há três temporadas? É hora de mastigar umas cascas de ovos. Concorda?

2 - Parabéns, o blog é muito bom, informativo sobre a história do nosso time. O Vasco já jogou aqui em minha cidade, Picos, no Piauí”.  João Rosa Nepomuceno.
 Valeu, garoto! E a sua cidade já forneceu ao Vasco um bom jogador de meio-de-campo, o seu “conterra” Rômulo, lembra-se? Hoje, ele está no futebol  russo. Chegou a ser convocado para a Seleção Brasileira.
Quanto ao jogo do Vasco aí em Picos, está registrado em "O Vasco nosso de cada dia", no Kike de 27 de janeiro, tendo ocorrido na temporada-1998, empatando, por 1 x 1, com o time do nome da terra,  no  Estádio Helvídio Nunes, pela primeira fase da Copa do Brasil. O gol vascaíno foi de Ramon e o local marcado por Brinquedo. Confere? O Vasco era treinado por Antônio Lopes e aquele foi o então único jogo entre os dois times. A escalação vascaína:  Carlos Germano; Maricá, Odvan, Mauro Galvão e Vítor; Luisinho, Pedrinho, Fabrício Eduardo, Felipe, Ramon, Luizão e Sorato (Donizete). O “Kike” guardou, também, a escala do técnico Joaquim Antônio Carneiro, do Picos, que usou: Cláudio, Bau, Lauro, Geraldo, Biro, Roberval, Di Francko, Vando, Miolinho, Dudu, Cordeiro, Bira e Brinquedo, que foi à rede aos 25 minutos do primeiro tempo. Confere? Um abração para gente boa de Picos.      

 

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

UMA MUSA VASCAÍNA DE ARREPIAR

Não é mesmo? Ela sai correndo pelo estádio, gastando a sua energia, mandando dizer que está ali para empurrar a galera no rumo a mais uma vitória. O"Kike" viu em www.esporte.uol.com.br e, logo, tratou de reproduzir a imagem (com os agradecimentos à rapaziada da página eletrônica), para a galera cruzmaltina conferir. Pena que a moçada esqueceu-se de anotar o nome da gata e do fotógrafo, que flagrou este interessante momento de mais um dia cruzmaltino nas arquibancadas. Se você souber, nos informe. Combinado?...
She runs off the stage, spending your energy, asked to say who is there to push the crowd toward another victory. The "Kike" saw in www.esporte.uol.com.br and therefore tried to reproduce the image (with thanks to the guys from webpage), to give cruzmaltina guys. Too bad the moçad forgot to write down the name of the cat and fotógrafo who caught this interesting moment cruzmaltino another day in the stands. If you know, tell us. Combined?
This is a blog dedicated to the research of the history of Club de Regatas Vasco da Gama , founded in Rio de Janeiro , Brazil , on August 21, 1898 , four young practicing rowing - Henrique Ferreira Monteiro , Luís Antônio Rodrigues , José Alexandre D' Avelar Rodrigues and Manuel Teixeira de Sousa Júnior - in honor of the portuguese explorer discoverer of the sea route to India .Until 1915, Vasco da Gama only competed in rowing. From the following year when he joined the football, it became one of the most admired clubs in the country, for its stance against social injustice. Currently has one of the largest Brazilian soocere fan.
Nacional champion on four occasions, the Vasco team also has conqusitou continentel the title on two other occasions , and various international This is a blog dedicated to the research of the history of Club de Regatas Vasco da Gama , founded in Rio de Janeiro , Brazil , on August 21, 1898 , four young practicing rowing - Henrique Ferreira Monteiro , Luís Antônio Rodrigues , José Alexandre D' Avelar Rodrigues and Manuel Teixeira de Sousa Júnior - in honor of the portuguese explorer discoverer of the sea route to India .Until 1915, Vasco da Gama only competed in rowing. From the following year when he joined the football, it became one of the most admired clubs in the country, for its stance against social injustice. Currently has one of the largest Brazilian twisted .
Nacional champion on four occasions, the Vasco team also has conqusitou continentel the title on two other occasions , and various international tournaments .The Vasco da Gama uses stark white shirt, or black with a diagonal band (black or white).
It is the caravel of portuguese maritime chievements, bringing the Cross of the Order of Christ in red. The shorts and socks are also the shirt , white or black .Vasco da Gama has a stadium, located in General Almério de Moura , opened in 1927 , and was once the largest in Brazil . Kike Ball search to cruzmatina history since december 15, 20010 , having been visited by 120 000 "vaconautas" .The shield you see has been reproduced from the official website do clube - www.crvascodagama.comcombr - to which we appreciate .
And you are welcome to Kike Ball. (fotos reproduzidas do site oficial do clube - www.crvascodagama.com.br. Agradecimento.

 

domingo, 9 de outubro de 2011

A GRAÇA DA COLINA - PET

 
O chargista Rapha, de "O Globo", foi em cima do lance. Deu o traço da graça do Petkovic "mascarado", para encarar o Guarani, no sábado 05.10.2002, pela 15º rodada do Campeonato Brasileiro, no estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas-SP. Durante o jogo anterior – Vasco 4 x 0 Portuguesa de Desportos, em 29 de setembro (domingo), em São Januário – ele sofrera uma pequena fratura no nariz, que nem exigia cirurgia. Na quarta-feira, o médico vascaíno Clóvis Munhoz, providenciou uma máscara de acrílico. Na manhã da quinta, os dois foram a São Paulo, para um especialista moldar o rosto do atleta e deixar a máscara bem ajustada e confortável.
Petkovic jogou, mas foi substituído, por Rogério Corrêa, no decorrer da partida, vencida pelo Vasco, por 2 x 1, com gols de Rodrigo Souto e de Ramon. Porém, ele não fora o primeiro a jogar assim. No início de 2002, o pivô Sandro Varejão, da Seleção Brasileira de basquete, já havia passado por isso. 
Uma das melhores atuações de Petkovic com a camisa cruzmaltina ocorreu em dois de fevereiro de 2002, quando marcou os dois gols dos 2 x 2 com o Fluminense – aos 37 minutos do primeiro tempo e aos 45 do segundo. Rolou em uma tarde de domingo, no Maracanã, diante de 23.870 pagantes, em jogo apitado por Wagner dos Santos Rosa e que rendeu R$ 211 mil 205 reais.
 O time era treinado por Antônio Lopes e teve: Fábio; Russo, Alex, Wellington Paulo e Edinho; Henrique, Léo Lima, Danilo (Siston) e Petkovic; Marcelinho Carioca (Cadu/Anderson) e Valdir Bigode. O jogo do Pet “mascarado” foi apitado por Carlos Eugênio Simon (RS), o treinador cruzmaltino era Antônio Lopes e o time foi: Fábio: Marcelo, Haroldo, Rogério Pinheiro e Glaydison (Russo); Rodrigo Souto, Henrique, Ramon (Léo Lima), Edinho, Petkovic (Rogério Corrêa) e Valdir Bigode. 
Dejan Petkovic, nascido na então Iugoslávia, em 10 de setembro de 1972, em Majdanpek, hoje Sérvia, havia chegado a São Januário naquele mesmo 2002. Em 2003, estava no time campeão estadual, após cinco anos sem faixas na Colina. Saiu perto da final da Taça Guanabara, para ganhar uma graninha a mais no Sangai Shenua, e voltou na mesma temporada. A sua história vascaína é: 2002: 19 jogos e dois gols; 2003: 11 jogos e 8 gols; 2004: 36 jogos e 18 gols, totalizando 66 jogos e 28 tentos.

sábado, 8 de outubro de 2011

O ALMIRANTE E OS "SEM TORCIDA" NO RJ

 Antigamente, quando alguém fazia alguma bobagem, costumava-se dizer que “era coisa de português”. É por aí que se pode enquadrar alguns amistosos interestaduais do Vasco, no Rio de Janeiro, contras times sem nenhuma torcida na Cidade Maravilhosa. E o pior é que a “Turma da Colina” passou vexame em vários desses “prejuízos deliberados”, como você vai conferir abaixo.    

1 – 04.03.1928 – Vasco 3 x 5 Portuguesa Santista-SP, em um domingo, em São Januário. A única explicação para o encontro é o fato de o adversário ser ligado a uma colônia portuguesa, na cidade paulista de Santos.

2 - 18.04.1937  - Vasco 3 x 3 América-MG, em um domingo, em São Januário, com Feitiço, Mamede e Luna marcando.

3 - 05.09.1937 - Vasco 1 x 3 América-MG, nas Laranjeiras, em um domingo, com Raul na rede e mesma análise  de cima aplicando-se a este caso.

Ademir Menezes
4 - 01.03.1942 – Vasco 4 x 5 Sport-PE, em São Januário, em um domingo, com Viladoniga (2) e Nino marcando para o time de Ondino Viera. Só tirar o ponta-de-lança Ademir Menezes do rubro-negro pernambucano valia pelo amistoso. Ademir foi o maior ídolo da torcida vascaína, até o surgimento de Roberto  Dinamite, em 1971. Também, o maior nome do “Expresso da Vitória”, a máquina de jogar futebol montada em São Januário, que foi uma das mais potentes do planeta, durante oito temporadas, entre 1944 e 1952 – Ademir ficou fora em duas, 1946/1947, defendendo o Fluminense. 

5 - 07.01.1945 – Vasco 8 x 1 Jabaquara-SP, em um domingo, em São Januário, com gols de Elgen (3), João Pinto (3), Argemiro e Rafagnelli. Difícil explicar este jogo na Colina, até porque o “Jabuca” era filho de colônia espanhola e jamais teve times fortes, com fama no Rio de Janeiro. 

6 - 21.08.1948 – Vasco 4 x 1 América-MG, sábado, em São Januário, com Ademir (2).Dimas e Nestor. Flávio Costa era o  treinador e o time foi: Barbosa, Augusto e Wilson. Ely, Danilo e Jorge; Maneca Ademir, Dimas (Netor)  Tuta (Ismael) e Chico.

7 - 27.04.1954 – Vasco 2 x 3 Ponte Preta, uma terça-feira, em São Januário, com gols de Vavá e Djayr. Flávio Costa era o técnico e o time foi: Ernâni; Fernando Fantoni, Alfredo II; Amaury, Danilo e Jorge: Sabará, Maneca, Vavá (Friaça) , Ipojucan e Djayr.

 8 - 24.03.1956, Vasco 3 x 0 Sport-PE, um sábado, em São Januário, com Flávio Costa de treinador e gols de Pinga (2) e Parodi.

9 - 16.06.1962 – Vasco 0 x 0 Guarani de Campinas, em um sábado, em São Januário,

10 - 26.06.1964 – Vasco 3 x 0 Vila Nova-GO, em São Januário, em uma quinta-feira.

11 -  22.02.1967 – Vasco 3 x 1 América-MG, no Maracanã, com gols de Adílson (2) e Moraes, em uma quarta-feira. O técnico era Zizinho.

12 - 14.12.1969 (domingo) - Vasco 1 x 2 Ponte Preta, em São Januário com gol de Tião. Célio de Souza era o técnico e o time teve: Andrada; Ferreira, Fernando, Moacir e Eberval: Alcir e Beneti; Luiz Carlos Lemos (Vicente) , Valfrido (Heleno), Adílson e Tião “Cavadinha” (Jailson).

Romário
13 - 03.02.1972 – Vasco 2 x 3 Portuguesa de Desportos, em uma quinta-feira, em São Januário, com gols de Bugleux e Ferreti. Time: Andrada; Fidélis, Renê, Moisés e Batista;  Alcir e Bugleux (Jaílson); Luíz Carlos Lemos, Ferreti, .... e Gílson Nunes. (ver em Placar). Técnico: Zizinho.

14 - 01.02.1976 – Vasco 1 x 1 Desportiva-ES. Domingo, em São Januário, juiz Roberto Costa e gol de Roberto Dinamite e 2.836 pagantes. Paulo Emílio escalou: Mazaroppi;  Toninho, Miguel, Moisés (Renê) e Luís Augusto; Helinho (Lopes), Gaúcho e Paulo Roberto; Luiz Carlos, Roberto Dinamite e Galdino (Luis Fumanchu)

15 - 21.07.1976 – Vasco 3 x 0 Taguatinga-DF, uma quarta-feira, em São Januário, com gols de Roberto, Dé e Abel. Paulo Emílio era o treinador.

16 - 22.12.1999 – Vasco 2 x 0 Santa Cruz-PE, em uma quarta-feira, no Maracanã, com gols de Romário e Viola. Antônio Lopes era o treinador e o time foi: Carlos Germano (Elton); Jorginho Amorim (Fabrício Carvalho)  Odvan, Alex (Fabiano Eller) e Felipe;  Gilberto (Flavinho),  Juninho Pernambucano (Paulo Miranda) e Ramon Menezes (Alex Oliveira); Donizete (Viola) e Romário.  (fotos reproduzidas de Sport Ilustrado (Ademir) e de futebolbrasileirorkut.blogspot.com (Romário)

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

CORREDIO DA COLINA - GOLEADOR

O "kikenauta" Rodrigo Carvalho manda contar esta historinha interessante sobre Genuíno, um antigo artilheiro cruzmaltino. Confira:
"O meu pai jogou pelo time juvenil do Democrata de Sete Lagoas-MG, que tinha por principal adversário o bela Vista, o clube do ex-atacante vascaíno Genuíno. Conta o "velho", vigoros zagueiro xerifão, que entrava no cara para quebrar, principalmente porque o via como um jogador comum, nenhum novo Pelé. Enquanto Genuino estava no juvenil do Bela Vista (rivalidade enorme como Democrata), o seu time mantinha a maior torcida na região. Era o time do povão, enquanto o Democrata se identificava com as elites e colecionador de um título de vice-campeão mineiro. Certa vez, em 1978, o nosso carro enguiçou em um trecho da BR-040. Arrumamos uma caraona e, ao entrar no carro do socorrista, este falou par o meu pai: "Ô praga, ocê num tá me reconhecendo, não?". O velho disse que não e o motorista retrucou: "As minhas canelas estão cheias das marcas das travas de suas chuteiras."  Quem era o declarante? O Genuino. Mais um detalhe: aos 16 anos de idade, o meu pai foi convidado para jogar pelo Atlético-MG e América-MG , mas o meu avô não deixou. Na época, eram, os dois maiores clubes de Minas Gerais".
 
KIKE NO LANCE: Genuíno defendeu o Vasco da Gama, entre 1952 e 1953, após chegar ao Madureira, em 1951. Ao saber que seria negociado, ele ameaçou ir embora, dizendo ao presidente do "Tricolor Suburbano" que não aceitava seu clube ganhar dinheiro em cima dele, que nada lhe custara. E que nunca tinha visto se vender alguém.
Embora fosse um goleador, o sonho de Genuíno era ser motorista de caminhão. Brigava para dirigir o ônibus vascaíno, quando este estava preparado para levar os atletas aos estádios. No Kike de 29 de novembro de 2013 há uma grande matéria sobre ele. Confira.                   


 
 

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

MUSA VASCAÍNA DO DIA - JULIANA



Esta  é a  modelo Juliana Sartório, que incendeia a galera cruzmaltina quando pinta no estádio. Linda, inteligente e trabalhadora, ela sacode, empurra o time e leva muita energia para a rapaziada faturar os três pontos.

This is the muse Juliana Sartorius model, which ignites the cruzmaltina crowd when he paints the stadium. Beautiful, smart and hard working, she shakes, pushing the team and takes a lot of energy for the boys bill the three points.
  

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

VASQUETEBOL - TRAGÉDIAS DA COLINA


 O Vasco perdeu a grande chance de ser o primeiro campeão brasileiro masculino de basquete, ao cair diante do Corinthians, por duas vezes, na melhor de três disputada no final de 1965. No entanto, o time queixou-se do que considerou “arbitragem facciosa” de Isaac Griman, levando Barone a tentar agredi-lo e acusá-lo de lhe dar um pontapé.
O Vasco queixou-se, também, de ter levado garrafadas e pedradas da torcida corintiana, e ainda de ataque ao ônibus que servia à sua delegação, após a finalíssima. Uma outra queixa vascaína foi sobre a bola do jogo, norte-americana. Seus dirigentes alegaram que o combinado seria uma bola comum fabricada no Brasil.
No primeiro jogo, na noite de 26 de novembro, no ginásio do Clube Municipal, no Rio de Janeiro, apitado pelo carioca Manuel Tavares e o paulista Isaac Griman, os vascaínos venceram, por 83 x 79, com um duríssimo primeiro tempo em que os cruzmaltinos fizeram 35 x 34.
No segundo jogo, duas noites depois, no ginásio do parque São Jorge, em São Paulo, o Vasco caiu, por, por 94 x 87, após 1 x 47 na etapa inicial. Com isso, foi preciso uma terceira partida, na noite de 29 de novembro, no ginásio do Ibirapuera, também na capital paulista. Ali, o time vascaíno caiu, por 95 x 86, com o adversário fazendo 50 x 36 no primeiro tempo. O Vasco foi vice-campeão contando com: Douglas, Paulista, Carneirinho, César, Oto, Gabiru, Barone, Leonardo e Julico, que só entrou na primeira partida. O Corinthians tinha este grupo: Renê, Rosa Branca, Pedro Ives, Edwar, Peninha, Mical, Ubiratan, Vlamir, Eduardo, Ortiz e Gilberto.
MUDANÇAS - O Brasileiro de Basquetebol já mudou de nome por três. Começou como Taça Brasil, passou para Liga Nacional e, atualmente, é Novo Basquete Brasileiro, NBB, por motivos de marketing, para ficar parecido o nome da NBA, a liga norte-americana. A competição já teve vários formatos e, em 1976, não foi disputada. (FOTO REPRODUZIDA DA REVSTA DO ESPORTE)

domingo, 2 de outubro de 2011

ÁLBUM DA COLINA - GAROTO DINAMITE

  Roberto, aos 17 anos, atuou, pela primeira vez, pelo time principal vascaíno. Enfrentou o Bahia, pelo Campeonato Brasileiro-1971, na Fonte Nova, em Salvador, em 14 de janeiro de 1971. O seu primeiro Vasco-A teve: Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete; Alcir e Afonsinho; Luís Carlos Lemos, Dé, Pastoril (ELE) e Rodrigues.
 



Roberto, age 17, played for the first time, the first team Vasco. Faced Bahia, the Brazilian-1971 Championship in Fonte Nova in Salvador, on January 14, 1971. His first Vasco-A had: Fidelis, Moses, Rene and pin; Alcir and Afonsinho; Luis Carlos Lemos, , Pastoral (IT) and Rodrigues

sábado, 1 de outubro de 2011

CPORREIO DA COLINA - NOVEMBRADA

 "Aniversario em novembro. Quais foram os principais resultados do nosso Vascão neste mês? "Gabriel Neto, do Setor Sudoeste, em Brasília.

 Novembro é um mês de várias goleadas, como 7 x 1 São Paulo; 8 x 0 Jabaquara-SP; 6 x 0 e 6 x 1 Fluminense; 5 x 2 e 4 x 0 Flamengo; 4 x 0 Botafogo; 6 x 0 São Cristóvão; 5 x 0 América- RJ e Olaria, e, também, 4 x 1 River Plate.  Confira mais jogos:

01.11.1925 – Vasco 4 x 1 Bangu; 01.11.1947 – Vasco 3 x 0 Bonsucesso; 01.11.1953 – Vasco 2 x 0 Bangu; 01.11.1959 – Vasco 3 x 1 América-RJ; 01.11.1961 – Vasco 2 x 2 Nacional-URU; 01.09.1969 – Vasco 0 x 2 Internacional-RS; 01.11.1970 – Vasco 1 x 3 Fluminense; 01.11.1975 – Vasco 1 x 2 Guarani de Campinas-SP; 01.11.1978 - Vasco 4 x 1 Bonsucesso; 01.11.1981 – Vasco 2 x 2 Fluminense; 01.11.1987 – Vasco 1 x 0 Internacional-RS; 01.11.1995 – Vasco 3 x 1 Bragantino-SP; 01.11.2006 – Vasco 4 x 6 Atlético-PR.
02.11.1941 – Vasco 4 x 1 Bangu; 02.11.1960 – Vasco 0 x 2 Cruzeiro; 02.11.1972 – Vasco 1 x 0 Grêmio-RS; 02.11.1977 - Vasco 6 x 2 Goiânia; 02.11.1980 – Vasco 2 x 1 Bangu;  02.11.1982 – Vasco 1 x 1 Alfenense-MG; 02.11.1993 – Vasco 5 x 2 Sport Recife; 02.;11.2003 – Vasco 0 x 1 Internacional-RS; 02.11.2008 – Vasco 1 x 0 Fluminense; 02.11.2011 –  Vasco 0 x 2 Universitario-PER.   
03.11.1940 – Vasco 2 x 1 América-RJ; 03.11.1946 – Vasco 3 x 2 Fluminense; 03.11.1965 – Vasco 2 x 2 Náutico-PE; 03.11.1957 – Vasco 5 x 0 Bonsucesso; 03.11.1966 – Vasco 1 x 1 Fluminense; 03.11.1974 – Vasco 2 x 0 América-RJ; 03.11.1976 – Vasco 1 X 1 Náutico-PE; 03.11.1979 – Vasco 3 x 2 Fluminense;  03.11.1985 – Vasco 4 x 0 Bonsucesso; 03.11.1994 – Vasco 2 x 0 São Paulo; 03.11.1997 – Vasco 1 x 2 Cruzeiro; 03.11.2000 – Vasco 1 x 0 Coritiba; 03.11.2002 – Vasco 1 x 0 Palmeiras; 03.11.2005 – Vasco 2 x 1 Atlético-PR.    
04.11.1956 – Vasco 0 x 1 Flamengo; 04.11.1973 – Vasco 2 x 0 Atlético-MG; 04.11.1978 – Vasco 5 x 0 Olaria; 04.11.1981 – Vasco 3 x 1 Campo Grande-RJ; 04.11.1984 – Vasco 1 x 1 Flamengo;  04.11.1993 – Vasco 2 x 0 ABC-RN; 04.11.1997 – Vasco 2 x 0 Atlético-MG; 04.11.1998 – Vasco 2 x 1 Grêmio-RS;  04.11.2007 – Vasco 1 x 2 Internacional-RS.
05.11.1922 – Vasco 0 x 0 São Cristóvão-RJ; 05.11.1939 – Vasco 1 x 1 Madureira; 05.11.1950 – Vasco 3 x 2 Madureira; 05.11.1959 – Vasco 0 x 0 Grêmio-RS; 05.11.1972 – Vasco 2 x 0 Sergipe; 05.11.1975 – Vasco 0 x 1 Palmeiras; 05.11.1980 – Vasco 1 x 0 Campo Grande-RJ; 05.11.1986 – Vasco 2 x 1 Nacional-AM; 05.11.1989 – Vasco 0 x 2 Flamengo; 05.11.1992 – Vasco 4 x 2 América-RJ; 05.11.1994 – Vasco 0 x 3 Santos; 05.11.1995 – Vasco 1 x 2 Gêmio-RS; 05.11.2000 – Vasco 0 x 2 Internacional-RS; 05.11.2003 – Vasco 2 x 1 Paysandu;  05.11.2005 – Vasco 1 x 2 Cruzeiro.   
06.11.1938 – Vasco 1 x 1 Fluminense; 06.11.1943 – Vasco 6 x 1 Fluminense; 06.11.1954 – Vasco 0 x 2 Bangu; 06.11.1955 – Vasco 8 x 0 Madureira; 06.11.1960 – Vasco 1 x 1 Treze de Campina Grande-PB; 06.11.1966 – Vasco 1 x 2 Flamengo; 06.11.1971 – Vasco 0 x 0 Atlético-MG; 06.11.1977 – Vasco 2 x 0 Vila Nova-GO; 06.11.1983 – Vasco 2 x 0 Fluminense; 06.11.1987 – Vasco 0 x 0 Santos; 06.11.1988 – Vasco 2 x 0 Atlético-MG; 06.11.2002 – Vasco 3 x 5 São Paulo; 06.11.2005 – Vasco 2 x 1 São Caetano-SP.
07.11.1936 – Vaco 3 x 1 Santos; 07.11.1965 -  Vasco 1 x 2 Fluminense; 07.11.1970 – Vasco 1 x 1 São Paulo; 07.11.1991 – Vasco 2 x 1 São Cristóvão-RJ; 07.11.1998 – Vasco 1 x 2 Palmeiras; 07.11.2004 – Vasco 2 x 3 Cruzeiro; 07.11.2009 – Vasco 2 x 1 Juventude-RS; 07.11.2010 – Vasco 0 x 1 Fluminense;
08.11.1931 – Vasco 3 x 2 Fluminense; 08.11.1955 – Vasco 3 x 0 América-MG; 08.11.1978 – Vasco 2 x 0 Madureira; 08.11.1979 – Vasco 5 x 1 Operário-VG/MT; 08.11.2001 – Vasco 1 x 0 Corinthians; 08.11.2006 – Vasco 3 x 1 Paraná; 08.11. 2008 – Vasco 1 x 0 Santos.
09.11.1930 Vasco 6 x 0 Fluminense; 09.11.1941 – Vasco 1 x 1 Flamengo; 09.11.1975 – Vasco 0 x 1 Coritiba.
10.11.1929 – Vasco 0 x 0 América-RJ; 10.11.1937 – Vasco 2 x 4 Fluminense; 10.11.1938 – Vasco 6 x 0 São Cristóvão; 10.11.1940 – Vasco 4 x 1 Fábrica de Armas—MG; 10.11.1962 – Vasco 5 x 1 Madureira; 10.11.1963 – Vasco 4 x 1 Madureira; 10.11.1965 – Vasco 1 x 0 Náutico-PE; 10.11.1966 – Vasco 0 x 3 América-RJ; 10.11.1973 – Vasco 0 x 0 América-MG; 10.11.1982 – Vasco 1 x 1 Volta Redonda-RJ; 10.11.1996 – Vasco 1 x 5 Atlético-MG; 10.11.1999 – Vasco 1 x 1 Botafogo de Riberão Preto-SP; 10.11.2000 – Vasco 0 x 3 Palmeiras; 10.11.2009 – Vasco 1 x 0 Campinense-PB. 
11.11.1939 – Vasco 4 x 2 Corinthians; 11.11.1945 – Vasco 4 x 0 Madureira; 11.11.1951- Vasco 1 x 0 Madureira; 11.11.1967 – Vasco 4 x 0 Flamengo; 11.11.1970 – Vasco 1 x 1 Internacional-RS; 11.11.1975 – Vasco 0 x 0 Fluminense de Feira de Santana-BA; 11.11.1989 – Vasco 2 x 2 Internacional de Limeira-SP; 11.11.1990 – Vasco 2 x 1 Portuguesa de Desportos; 11.11.1993 – Vasco 1 x 4 Grêmio-RS; 11.11.2001 – Vasco 1 x 2 Atlético-MG; 11.1.2006 – Vasco 1 x 1 Juventude-RS; 11.11.2007 – Vasco 3 x 3 Figueirense.
 
12.11.1969 – Vasco0 x 1 Palmeiras; 12.11.1972 – Vasco 1 x 1 Corinthians; 12.11.1978 -  Vasco 3 x 1 América-RJ; 12.11.1987 – Vasco 3 x 2 Coritiba; 12.11.1933 – Vasco 3 x 1 América-RJ; 12.11.1988 -  Vasco 1 x 1 Santa Cruz-PE; 12.11.2008 – Vasco 1 x 4 Alético-MG; 12.11.2016 - Vasco 2 x 1 Bragantino-SP.
13.11.1938 – Vasco 2 x 1 Flamengo; 13.11.1949 – Vasco 2 x 1 Flamengo; 13.11.1960 – Vasco 0 x 0 América-RJ; 13.11.1964 – Vasco 5 x 0 Olaria; 13.11.1966 – Vasco 1 x 0 Fluminense de Feira de Santana-BA; 13.11.1974 – Vasco 2 x 0 Madureira; 13.11.1977 – Vasco 0 x 0 Botafogo; 13.11.2002 – Vasco 2 x 0 Ponte Preta; 13.11.2005 – Vasco 2 x 0 Fluminense; 13.11.2011 -  Vasco 2 x 0 Botafogo.  
 
14.11.1939 -  Vasco 5 x 1 Portuguesa Santista-SP; 14.11.1948 – Vasco 2 x 1 São Cristóvão; 14.11.1954 – Vasco 3 x 0 Bonsucesso; 14.11.1970 – Vasco 1 x 3 Corinthians; 14.11.1971 – Vasco 0 x 1 Bahia; 14.11.1976 – Vasco 0 x 3 Fluminense; 14.11.1998 – Vasco 1 x 0 DC United-EUA; 14.11.1990 – Vasco 0 x 1 Bragantino-SP. 14.11.2004 – Vasco 0 x 0 São Paulo.  
 
15.11.1924 – Vasco 1 x 1 Palestra Itália-SP; 15.11.1925 – 1 x 1 Flamengo; 15.11.1927 – Vasco 2 x 2 América-RJ;   15.11.1929 – Vasco 1 x 1 América-RJ; 15.11.1933 – Vasco 0 x 1 Bonsucesso; 15.11.1936 – Vasco 2 x 0 Bangu; 15.11.1946 – Vasco 8 x 0 Jabaquara-SP; 15.11.1953 – Vasco 1 x 2 Fluminense; 15.112.1955 – Vasco 2 x 0 Santo Antônio-ES; 15.11.1956 – Vasco 4 x 1 Cruzeiro; 15.11.1959 – Vasco 4 x 2 Botafogo; 15.11.1960 – Vasco 3 x 1 Ypiranga-BA; 15.11.1963 – 3 x 4 Flamengo; 15.11.1975 – Vasco 3 x 0 Treze de Campina Grande-PB; 15.11.1979 – Vasco 1 x 0 Central-PE; 15.11.1981 – Vasco 1 x 0 Bangu; 15.11.1983 – Vasco 6 x 1 Avaí-SC; 15.11.1984 – Vasco 2 x 1 Fluminense; 15.11.1987 – Vasco 1 x 2 São Paulo; 15.11.1993 – Vasco 1 x 1 Santos; 15.11.1997 – Vasco 3 x 0 Juventude-RS; 15.11.2001 – Vasco 2 x 0 Grêmio-RS.
16.11.1930 – Vasco 0 x 1 América-RJ; 16.11.1947 – Vasco 3 x 1 Santos; 16.11.1958 – Vasco 1 x 1 Fluminense; 16.11.1969 – Vasco 0 x 3 São Paulo;  16.11.1972 – Vasco 0 x 1 Corinthians; 16.11.1974 – Vasco 1 x 1 Campo Grande; 16.11.1975 – Vasco 0 x 2 Botafogo-PB; 16.11.1978 -  Vasco 2 x 0   Bangu; 16.11.1980 – 0 x 2 Flamengo; 16.11.2000 – Vasco 1 x 0 Grêmio-RS; 16.11.2005 – Vasco 1 x 5 Figueirense-SC;  
17.11.1938 – Vasco 1 x 4 América-RJ; 17.11.1940 – Vasco 2 x 0 Fluminense; 17.11.1946 – Vasco 1 x 4 Santos; 17.11.1951 – Vasco 2 x 3 Fluminense; 17.11.1954 – Vasco 6 x 3 Uberaba-MG; 17.11.1968 – Vasco 2 x 1 Fluminense;  17.11.1976 – Vasco 3 x 1 Grêmio-RS; 17.11. 1977 – Vasco 0 x 1 Goytacaz; 17.11.1985 – Vasco 0 x 1 Bangu; 17.11.1996 – Vasco 4 x 2 Criciúma-SC; 17.11.2002 – Vasco 1 x 1 Corinthians; 17.11.2010 – Vasco 1 x 0 Santos.
18.11.1941 – Vasco 1 x 1 São Paulo; 18.11.1945 – Vasco 2 x 2 Flamengo; 18.11.1956 – Vasco 0 x 0 Fluminense; 18.11.1962 – Vasco 1 x 1 São Cristóvão; 18.11.1973 – Vasco 1 x 2 Atlético-MG; 18.11.1979 – Vasco 4 x 0 Botafogo-PB; 18.11.1990 – Vasco 2 x 2 Santos; 18.11.1992 – Vasco 3 x 1 América de Três Rios-RJ;    18.11.2001 – Vasco 3 X 1 Palmeiras.
19.11.1957 – Vasco 1 x 4 Sport Recife; 19.11.1967 – Vasco 0 x 2 Fluminense; 19.11.1978 – Vasco 5 x 0 Campo Grande; 19.11.1988 – Vasco 4 x 0 Santos; 19.11.1989 – Vasco 4 x 2 Náutico-PE; 19.11.1995 – Vasco 1 x 3 Paraná; 19.11.2011 – Vasco 2 x 0 Avaí-SC.
20.11.1927 – Vasco 1 x 4 América-RJ; 20.11.1932 – Vasco 0 x 0 Atlético-MG; 20.11.1938 – Vasco 2 x 1 Madureira; 20.11.1941 – Vasco 2 x 2 São Paulo; 20.11.1945 – Vasco 2 x 2 Flamengo; 20.11.1949 – Vasco 3 x 1 Madureira; 20.11.1960 – Vasco 0 x 1 Bangu; 20.11.1965 – Vasco 1 x 0 Bangu; 20.11.1968 – Vasco 1 x 2 Corinthians; 20.11. 1977 – Vasco 2 x 2 Londrina; 20.11.1982 – Vasco 3 x 1 Flamengo; 20.11.1994 – Vasco 0 x 3 Palmeiras; 2011.2005 – Vasco 4 x 0 Paysasndu-PA;
21.11.1953 – Vasco 3 x 4 Bangu; 21.11.1959 – Vasco 5 x 2 São Cristóvão; 21.11.1971 -  Vasco 1 x 2 Atlético-MG; 21.11.1976 – Vasco 1 x 0 Flamengo; 21.11.1979 – Vasco 0 x 0 América-MG; 21.11.2010 – Vasco 1 x 3 Cruzeiro.
22.11.1925 – Vasco 1 x 5 Fluminense; 22.11.1931 – Vasco 1 x 4 América-RJ; 22.11.1934 – Vasco 1 x 0 São Cristóvão; 22.11.1936 – Vasco 3 x 2 São Cristóvão; 22.11.1964 – Vasco 1 x 2 Flamengo; 22.11.1969 – Vasco 0 x 1 Portuguesa de Desportos; 22.11.1970 Vasco 1 x 4 Atlético-PR;  22.11.1978 – Vasco 4 x 2  Portuguesa-RJ (Roberto Dinamite (2) e Paulinho (2); 22.11.1981 – Vasco 1 x 0 Joinville-SC; 22.11.200 – Vasco 4 x 1 River Plate-ARG; 22.11.2003 – Vasco 3 x 4 Grêmio-RS.
23.11.1858 – Vasco 2 x 0 América-RJ; 23.11.1968 – Vasco 0 x 0 Bangu;; 23.11.1980 – Vasco 3 x 3 Fluminense; 23.11.1986 – Vasco 2 x 3 Internacional; 23.11.1988 – Vasco 2 x 0 Grêmio-RS;  23.11. 1997 – Vasco 1 x 1 Flamengo; 23.11.2008 – Vasco 1 x 2 São Paulo; 23.11.2011 – Vasco 1 x 1 Universidad de Chile.
24.11.1929 – Vasco 5 x 0 América-RJ; 24.11.1938 – Vasco 1 x 1 Flamengo; 24.11.1940 – Vasco 3 x 2 Bangu; 24.11.1954 – Vasco 2 x 1 Santos; 24.11.1974 – Vasco 1 x 3 Flamengo; 24.11.1985 – Vasco 0 x 1 América-RJ; 24.11.1990 – Vasco 2 x 1 Bangu; 24.11.1991 – Vasco 0 x 2 Flamengo; 24.11.1992 – Vasco 1 x 0 Bangu; 24.11.1996 – Vasco 0 x 2 Guarani de Campinas-SP.   
25.11.1953 – Vasco 2 x 2 Internacional-RS; 25.11.1961 – Vasco 2 x 0 São Cristóvão; 25.11.1962 – Vasco 2 x 0 América-RJ; Cristóvão; 25.11.1970 – Vasco 1 x 0 Juventus-SC; 25.11.1971 – Vasco 2 x 0 Internacional-RS; 25.11.1972 – Vasco 0 x 0 Fluminense; 25.11.1973 – Vasco 0 x 2 Flamengo; 25.11.1975 – Vasco 1 x 1 Santos; 25.11.1976 – Vasco 0 x 4 Atlético-MG; 25.11.1979 -  Vasco 0 x 0 Goiás; 25.11.1981 – Vasco 1 x 0 Marcílio Dias-SC;  25.11.1993 – Vasco 2 x 0 Flamengo; 25.11.2001 – Vasco 7 x 1 São Paulo.
26.11.1950 – Vasco 4 x 1 Flamengo; 26.11..1960 - Vasco 1 x 0 Flamengo; 26.11.1967 – Vasco 0 x  Campo Grande-RJ; 26.11.1978 – Vasco 2 x 0 Fluminense; 26.11.1986 – Vasco 1 x 1 Rio Branco-ES; 26.11.1994 – Vasco 2 x 2 América-RJ; 26.11.1997 – Vasco 2 x 1 Portuguesa de Desportos; 26.11.2006 – Vasco 1 x 1 Santos
27.11.1938 – Vasco 2 x 2 Bonsucesso; 27.11.1949 – Vasco 4 x 2 Vitória-ES; 27.11.1968 – Vasco 1 x 2 Cruzeiro; 27.11.1970 – Vasco 1 x 0 Avai-SC; 27.11.1977 –Vasco 0 x 0 Atlético-PR; 27.11.1983 - Vasco 0 x 3 Flamengo; 27.11.1988 – Vasco 0 x 0 Cruzeiro; 27.11.1999 – Vasco 2 x 3 Ponte Preta; 27.11.2005 – Vasco 0 x 0 Atlético-MG;    
28.11.1948 – Vasco 4 x 1 Madureira; 28.11.1965 – Vasco 0 x 1 Flamengo; 28.11.1971 – Vasco 0 x 0 Santos; 28.11.1973 – Vasco 3 x 1 Cruzeiro; 28.11.1976 – Vasco 3 x 2 Guarani de Campinas-SP; 28.11.1982 – Vasco 1 x 0 América-RJ; 28.11.1987 – Vasco 0 x 0 Marcílio Dias-SC; 28.11.1990 – Vasco 3 x 1 Fluminense; 28.11.2004 – Vasco 1 x 1 Juventude-RS; 28.11.2007 – Vasco 1 x 0 Corinthians; 28.11.2009 – Vasco 0 x 2 Ipatinga-MG.  
29.11.1931 – Vasco 0 x 2 Bangu; 29.11.1970 – Vasco 0 x 1 GrêmioRS; 29.11.1992 – Vasco 1 x 0 Fluminense; 29.11.1993 – Vasco 1 x 0 Flamengo; 29.11.1994 – Vasco 0 x 1 Paraná;  29.11.1997 – Vasco 3 x 1 Portuguesa de Desportos; 29.11.2003 – Vasco 1 x 0 Figueirense-SC
30.11.1924 – Vasco 1 x 0 Bonsucesso; 30.11.1947 – Vasco 5 x 2 Flamengo;  20.11.1968 – Vasco 2 x 0 Flamengo; 30.11.1980 – Vasco 0 x 1 Fluminense; 390.11.1985 – Vasco 0 x 2 Flamengo; 30.11.1995 – Vasco 1 x 2 Juventude-RS; 30.11.2008 – Vasco 2 x 0 Coritiba.