Vasco

Vasco

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 31 DE OUTUBRO

Rivais caseiros, de outras plagas e "hermanos" de pontos mais distantes do continente curvaram-se ante os bicos da chuteiras cruzmaltinas, nos 31 de outubro. Alguns descuidados levando goleadas e vendo o choro se repetindo. Dá pra conferir:   

VASCO 1 X 0 ESPERANÇA - Velhos tempos em que a rapaziada disputava o seu quinto campeonato estadual. Era 1920 e o "Almirante" navegava pela Segunda Divisão. No dia, quem tocou fogo na caldeira da esquadra foi Aristides Esquerdinha.

VASCO 4 X 3 AMÉRICA - Na época, foi um grande clássico do Campeonato Carioca-1937. Jogo em casa, com o mineiro Niginho (3) e o fanático vascaíno Alfredo dos Santos, que só sentia-se bem com a jaqueta cruzmaltina, tocando fogo no "Diabo". Pesquisadores divergem sobre a escalação, com a mais provável sendo:: Joel, Poroto e Zé Luis; Oscarino, Zarzur e Calocero; Lindo, Alfredo, Niginho, Mamede e Luna.

VASCO 3 X 1 AMÉRICA - O raio caiu no mesmo lugar, isto é, na mesma data, pois a pugna desenrolou-se no estádio da Rua General Severiano. Corria o 31 de outubro do Campeonato Caroca-1948 e a fase já era do "Expresso da Vitória". A mediação foi do inglês Cyrill John Barrick e os maiores baluartes cruzmaltinos da jornada Dimas (2) e Ademir Menezes. A turma toda: Barbosa, Augusto e Wilson; Ely, Danilo e Jorge; Maneca, Ademir Menezes, Dimas, Ismael e Chico.

VASCO 4 X 3 FLU - Até aquele domingo, os dois rivais haviam ultrapassado a barreira dos 60 confrontos pelo título estadual. O 63º, pelo Campeonato Carioca-1954, foi de comemoração dupla para os cruzmaltinos, no Maracanã. Além da vitória, eles encerraram uma série de seis jogos sem verem os tricolores  atrás no placar, dentro daquela competição. Era a 1.497º vez que o "Almirante" rolava a pelota, com grandes emoções e brindes no barbante oferecidos por Alvinho, aos 6 minutos do primeiro tempo e aos 5 do segundo; Vavá, aos 43 da etapa inicial, e Sabará, aos 30 da final. Apitado por Josef Gulden, o clássico teve, ainda, um gol conta marcado por Bellini. O treinador Flávio Costa, que tinha o apelido de "Alicate", torceu o adversário contando com a força de: Barbosa, Paulinho de Almeida e Bellini; Mirim, Laerte e Dario; Sabará, Maneca, Vavá, Pinga e Alvinho.        

VASCO 4 X 2 BONSUCESSO – Velho freguês comparecendo ao Maracanã, para ser batido pelos gols de Zezinho, aos 16; Célio, aos 31 e aos 54, e de Saulzinho, aos 67. Eunápio de Queiroz apitou e o treinador e ex-zagueiro cruzmaltino Ely doi Amparo escalou para a missão de descolorir os rubro-anis: Miltão, Joel Felício, Caxias, Fontana e Barbosinha; Maranhão e Lorico; Mário, Célio, Saulzinho e Zezinho.
 
VASCO 1 X 0 BOTAFOGO -  O "Almirante" foi ao quinto pega contra os alvinegros pelo primeiro Campeonato Brasileiro de Futebol, antes da unificação, como um autêntico "estraga prazer". O rival jogaria a sua 100º partida pela disputa e planejara uma grande vitória, par comemorar, é claro. Só quem saiu para o abraço foi o meio-campista cruzmaltino Buglês, aos 36 minutos do primeiro tempo. Até ali, rolava o quinto duelo entre ambos pela disputa, que tinha um triunfo da rapaziada a mais (3 x 2), além de quatro tentos para cada lado. Jogado no Maracanã, o time do treinador Admildo Chirol apresentou-se com: Andrada; Fidélis, Moisés, Renê e Alfinete: Alcir, Buglê e Afonsinho; Dé, Ferretti (Adílson Albuquerque) e Rodrigues.    

VASCO 7 X 1 VOLTA REDONDA - O Estadual-1985 andava pela Taça Rio (segundo turno), quando o "Voltaço" pareceu uma lata velha rolando diante do "Almirante", no Maracanã. Que quinta-feira! Até o zagueiro Fernando fez gol. Por, por sinal, abrindo o placar, aos 24 minutos do primeiro tempo. Fora uma goleada para Romário pintar os canecos.  Passeou pelo filó, aos 26 e aos 36 minutos do primeiro tempo e aos 42 do segundo – Roberto Dinamite, aos 36 do primeiro; Santos, aos 5 do segundo, e Gersinho, aso 43 minutos da mesma etapa, fecharam a conta.   Aluísio Felisberto da Siva apitou e Antônio Lopes  foi o mandante do massacre, executado por: Acácio; Heitor, Fernando, Newmar e Paulo César; Vitor, Luis Carlos Martins e Gersinho; Santos (Silvinho), Roberto Dinamite (Geovani) e Romário.

 VASCO 7 X 1 GOYTACAZ - Vencer times do interior do RJ nos 31 de outubro, por 7 x 1 não ficou restrito ao placar citado acima. Em 1991, a nova vítima foi da cidade de Campos, coincidentemente, pela mesma Taça Rio e em uma quinta-feira. Só que em  São Januário.  Orlando Gomes Leonor foi o juiz, Antônio Lopes seguia treinador e mandante do "mesmo tipo de "crime, cometido por: Carlos Germano; Pimentel, Jorge Luís, Alexandre Torres e Cássio;   França, Geovani, Bismarck (Macula) e William; Sorato e Bebeto (Mauricinho). Na marcha da contagem,  Jorge Luís, aos 2; William, aos 8, e Bebeto, aos 45', abriram a porteira; Bebeto, aos 21; Alexandre Torres, aos 39; Bismarck, aos 43, e Sorato, aos 45 da etapa final, fizeram o resto.

VASCO 2 x 1 Atlético-PR - Tarde de domingo na Colina, quando a "maricota" começou a rolar. O "Animal" Edmundo estava com fome (de bola) e foi à luta. Mordeu as redes, aos 14 e aos 84 minutos, diante daquele cardápio da primeira fase do Campeonato Brasileiro-1999. O preparador de apetites do placar rapaziada, Antônio Lopes, colocou a responsabilidade nos costados de: Carlos Germano, Paulo Miranda, Odvan, Mauro Galvão, Gilberto (Alex Oliveira), Felipe, Nasa (Fabiano Eller), Amaral, Ramon, Viola (Donziete) e Edmundo. 

VASCO 1 X 0 ROSÁRIO CENTRAL-ARG - Em São Januário, por aquela época, era comum a torcida não saber da renda do jogo. Como naquela noite de terça-feira em que cerca de 8 mil deles pagaram para assistir uma cena não muito comum, ou "incomuníssima", como diria o vascainíssimo torcedor Vasco Vasconcelos: o zagueiro Júnior Baiano, grande inimigo da técnica,  lançando e meia Juninho Paulista encaçapando – aos 19 minutos do primeiro tempo. Liderada pelo técnico Oswaldo de Oliveira, a esquadra da casa preliou pela Copa Mercosul-200, batendo os "hermanos" com serviços de: Hélton; Clebson, Odvan, Júnior Baiano e Jorginho Paulista (Alex Oliveira); Jorginho Amorim, Paulo Miranda, Juninho Pernambucano e Juninho Paulista; Viola e Pedrinho (Siston). O apito foi do chileno Mário Sánchez Yanten.   

VASCO 3 X 2 GOIÁS - Vitória com placar apertado, mas importante, por ter rolado na cassa do adversário, o Estádio Serra Dourada, em Goiânia. Valeu pela fase única do Campeonato Brasileiro-2007, com a rapaziada torrando duas pipocas de frente, no primeiro tempo – Alan Kardec, aos 31, e Leandro Amaral, aos 41. Aos 70, Alan Kardeck voltou à rede. Comandado pelo treinador gaúcho Valdyr Espinosa, o "Almirante" do dia navegou levando: Cássio; Wagner Diniz, Luizão (Júlio Santos), Jorge Luís e Rubens Júnior; Leandro Bonfim, Amaral, Conca e Thiaguinho (Andrade); Alan Kardeck e Leandro Amaral..  

A "VASCODATADTA" 31 de outubro inclui: Vasco 1 x 1 Campo Grande, em 1982;  Vasco 2 x 2 Ponte Preta, em 2004; Vasco 1 x 1 Fortaleza, em 2009, e Vasco 1 x 1 Paraná, em 2014.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 30 DE OUTUBRO

Uma goleada e duas “meias”, digamos. É o "Almirante" dos 30 de outubro, quando enfrentou um grande rival, o Botafogo, por duas vezes. E segue invicto contra ele na data. Bem como diante do Fluminense. Dê uma olhadinha na história.
 
VASCO 3 X 3 BOTAFOGO, amistosa e curiosamente, foi um placar repetido em 1925 e em 1926, no mesmo local, o estádio das Laranjeiras. No primeiro, Fernandez, Russinho e Surica (contra), marcaram para o "Almirante", enquanto Torterolli, Tatu e Dininho foram os batedores na rede na segundo igualdade dos 30 de outubro. Respectivamente, quarto e sétimo amistosos ente os dois time, de um total de 17, com 11 triunfos da rapaziada, três empates e três pisadas no balão. No primeiro, o "Almirante" cravou 2 x 1, em  18 de janeiro de 1925). Os 3 x 3 são, ainda, o maior escore dos jogos não oficiais entre ambos.  
 
VASCO  2 x 1 COMBINADO DA AMEA, isto é, Associação Metropolitana de Esportes Athléticos. Um amistoso contra um selecionado do Rio de Janeiro, em 1928, com Russinho e Hespanhol comparecendo ao barbante.

VASCO 3 X 0 MADUREIRA ficou pela metade da balaiada que você vai ler abaixo, sobre o "Cantusca". Esta aqui valeu pelo Campeonato Carioca-1940, em uma quarta-feira, na Colina, onde Alfredo I, Villadóniga e Manuel Rocha mandaram ver. O inglês HarryWelfare treinava o time que esteve asssim: Chiquinho, Jahu e Florindo; Manuel Rocha,  Zarzur e Argemiro: Alfredo I,  Alfredo II, Villadoniga, Gonzalez e Orlando

VASCO 2 X 0 FLUMINENSE, clássico domingueiro diferente, no Estádio Caio Martins, em Niterói. Apitado por MacPherson Dundas na fase em que o treinador uruguaio Ondino Viera, que havia montado o “Expresso da Vitória”, voltara para as Laranjeiras, deixando Flávio Costa colher as glórias conqusitadas por um dos times mais fortes do mundo. Ademir Menezes marcou os dos gols, um em cada etapa, valendoo Campeonato Carioca-1949, com esta gente: Barbosas, Augusto e Laerte; Ely, Danilo e Alfredo II; Nestor, Maneca, Ademir, Heleno de Freitas e Chico. Naquela temporada, o Vasco foi o campeão estadual, com 18 vitórias em 20 jogos, além de dois empates. Marcou 84 gols, ficando com um impressionante saldo de 60, dos quais mais da metade (31) saiu do talento de Ademir Menezes.
                                                                           
                                                                   

VASCO 3 X 2 BOTAFOGO já foi na “Era Maracanã”. Clássico dominical, compôs a tabela do Campeonato Carioca-1955, com o paraguaio Parodi e os paulistas Sabará e Pinga comparecendo ao filó. Flávio Costa era o técnico desta formação: Hélio, Paulinho de Almeida e Haroldo: Orlando, Laerte e Beto; Sabará, Valter Marciano, Vavá, Pinga e Parodi. 
 
VASCO 6 X 0 CANTO DO RIO rolou em São Januário, onde não havia perdão para o time de Niteroi. Ainda mais em um domingo. Neste estrago citado acima, válido pelo Campeonato Carioca-1960, o técnico Abel Picabea cansou-se de comemorar com: Ita, Paulinho de Almeida e Bellini (foto); Laerte, Orlando e Coronel; Sabará, Vanderlei, Wilson Moreira, Waldemar e Pinga.

VASCO 4 x 1 AMÉRICA-RJ, no Maracanã,  é do Campeonato Carioca-1965.  Frederico Lopes apitou e os gols cruzmaltinos foram de Maranhão, aos 5 min do primeiro tempo; Célio, aos 5 (50); Lorico, aos 8 (53) e aos 24 (69) do segundo tempo. Zezé Moreira érea o treinador, com esta rapaziada lhe obedecedndo: Gainete, Ari, Brito, Fontana e Oldair; Maranhão e Lorico; Luisinho, Mário, Célio e Zezinho. Técnico: Zezé Moreira.
 
VASCO 1 XC 0 CRB-AL teve gol marcado por Roberto Dinamite, aos 21 minutos do primeiro tempo, pelo Campeonato Brasileiro-1976, no Maracanã. Confrontado em um sábado, com 19.614 almas presentes ao então segundo pega oficial entre os dois –  no primeiro (29.11.1972), placar mudo: 0 x 0. Houve um terceiro encontro (14.05.1978), com a moçada mandando 2 x 0.  No jogo citado acima, o treinador Paulo Emílio escalou: Mazaropi; Toninho, Marcelo, Gaúcho e Marco Antônio; Zé Mário, Zanatta e Galdino; Luis "Fumanchu", Dé, Roberto Dinamite e Luís Carlos.     
 
VASCO 3 X 0 GOIÁS é do Campeonato Brasileiro-1977, na casa do adversário, o Estádio Serra Dourada, em Goiânia, em um domingo. Wilsinho (2) e de Roberto Dinamite encaçaparam durante a grande exibição cruzmaltina, assistida por 26.549 pagantes, com renda de Cr$ 840 mil, 654 cruzeiros e apito de  Luiz Zetterman Torres-RS. Orlando Fantoni era o treinador destes caras massacrantes: Mazaropi; Orlando ‘Lelé’, Abel Braga, Geraldo e Marco Antônio; Zé Mário e Zanata: Wilsinho (Guina), Roberto Dinamite, Paulinho (Zandonaide) e Dirceu. 
 
  3Acrescente na "Vascodata" 30 de outubro: Vasco 1 x 1 Palestra Itália-MG, em 1927; 1 x 1 São Paulo, em 1988; 1 x Corinthians, em 2005;  Vasco 2 x 2 Atlético-PR, em 2008, e 0 x 0 São Paulo, em 2011. 


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 29 DE OUTUBRO


A data 29 de outubro é importantíssima na história do Club de Regatas Vasco da Gama. Após os  seus primeiros oito jogos, o time terminou um compromisso na frente do placar. Além daquilo, a data ainda tem duas goleadas e um triunfo sobre um grande rival. Confeerindo:

VASCO 2 x 1 RIVER - Aí está o escudo do River Futebol Clube, do bairro da Piedade e fundado em 23.06.1914. Valeu pelo Campeonato Carioca da Terceira Divisão, em um domingo, no campo do São Cristóvão, à Rua Figueira de Mello.  A rapaziada abriu o placar, aos 10 minutos, com Alberto. Rocha II, empatou aos 28, mas Cândido desempatou, aos 34.. Horácio Salema Ribeiro apitou a partida que teve esta “Turma da Colina”: Ary Correia, Jaime Guedes e Augusto Azevedo; Victorino Rezende, João Lamego e Manuel Baptista; Bernardino Rodrigues, Adão Antônio Brandão (foto), Joaquim de Oliveira, Alberto Costa Júnior e Cândido Almeida. Faltando dois jogadores nesta relação, o River teve: Motta, Rocha I e Barbosa; Rocha II, Julinho e Grande; Cyro, Luciano e Oliveira. 

 Anote os primeiros jogos vascaínos no Estadual-1916: Turno:  03.05.1916 – Vasco 1 x 10 Paladino; 13.05.1916 – Vasco 1 x 5 Brasil; 28.056.1916 – Vasco 0 x 4 Icarahy; 14.07.1916 – Vasco 2 x 4 Parc Royal; 16.07.1916 – Vasco 3 x 4 Ríver; RETURNO: 03.09.1916 – Vasco 0 x 2 Paladino; 07.09.1916 – Vasco 0 x 3 Parc Royal; 22.10.1916 – Vasco 1 x 4 Icarahy;  29.10.1916 – Vasco 2 x 1 Ríver; 05,11,1916 -  Vasco W x O Brasil.   
Exceto os jogos de 3 e 7 de setembro, no Andaraí, e o de 29 de outubro, em Figueira de Mello, os demais rolaram em General Severiano. Assim, em seu primeiro Cariocão, promovido pela Liga Metropolitana de Sports Athléticos, o Vasco terminou em sexto lugar, com uma vitória, oito derrotas, 10 gols marcados, 37 sofridos e nenhuma expulsão de campo. O W x O sobre o Brasil foi porque este desistiu da disputa, antes do término.

VASCO 5 x 1 AMÉRICA-RJ, do Campeonato Carioca-1939, em um domingo, nas Laranjeiras, no estádio do Fluminense. Gentil Cardoso era o treinador vascaínos os goleadores foram Gandulla (2),Villadóniga (2) e Armandinho. O  juiz chamava-se Fioravanti D’Ângelo e os jogadores vascaínos tinham estes nomes: Nascimento, Agnelli e Florindo; Figliola, Zarzur e Argemiro; Armandinho, Alfredo, Villadoniga, Gandulla e Emeal.

VASCO 5 X 1 SÃO CRISTÓVÃO, em um outro domingo, pelo Campeonato Carioca-1950, temporada de caneco na Colina, foi goleada na casa do adversário, no estádio da Rua Figueira de Mello. Djayr (3), Tesourinha e Ademir Menezes apareceram nas redes, ordenados pelo técnico Flávio Costa. Visitantes indesejáveis: Barbosa, Augusto e Sampaio; Ely, Danilo e Jorge; Tesourinha, Maneca, Ademir Menezes, Jansen e Dejayr. 

VASCO 2 x 1 BOTAFOGO, placar do Campeonato Carioca-1978, também rolou em um domingo, mas no Maracanã, assistido por 41.978 pagantes. Roberto Dinamite e Paulinho marcaram os gols deste time treinado por Orlando Fantonii: Leão; Orlando 'Lelé", Abel Braga, Gaúcho e Marco Antônio 'Tri'; Helinho, Paulo Roberto (Washington Oliveira) e Guina: Wilsinho, Roberto Dinamite e Paulinho (Ramon Pernambucano).    

VASCO 3 X 0 SERRANO é fatura creditada ao técnico Mário Jorge Lobo Zagallo, pelo segundo turno do Estadual-1980, em São Januário. Jogo de pouco público, 1.915, com apito de Arnaldo César Coelho e pimbas nas redes dos visitantes a cargo de Silvinho, aos 38 minutos do primeiro tempo e aos 2 da etapa final, além de e Roberto Dinamite, aos 42 da mesma fase. Maus recebedores de visitas: Mazaropi; Paulinho Pereira, Or­lando, Léo e João Luís (Juan); Pintinho, Guina e Marco António II; Catinha, Ro­berto e Silvinho.
 
VASCO 4 X 0 SÃO CRISTOVÃO  esteve na sétima rodada do segundo turno do Estaudal-1983, em São Januário. No apito, Luís Carlos Gonçalves. Na galera, 3 008 pagantes. No placar, compareceram: Almir (contra), aos 3, e Paulo Egídio 35 minutos do primeiro e aos 29 do segundo tempo, e Edevaldo,aos 16 da etapa final, também. No leme da esquadra quem estava era Oto Glória, levando esta moçada a bordo: Roberto;   Edevaldo. Daniel González. Nenê e Galvão; Dudu. Ernâni e Geovane; Pedrinho, Roberto Dinamite e Paulo Egídio. OBS: Geovane foi expulso de campo.

VASCO 3 X 2 VOLTA REDONDA, em São Januário, pelo segundo turno do Estadual-1992, apitado por Orlando Leonor, teve público de apenas 1.165. Em compensação, gol rapidão: Bismarckm ais  3 minutos – Edmundo, aos 11, e Carlos Alberto Dias, aos 67, completarem a conta, anotada pelo treinador Joel Santana, que comemorou com: Carlos Germano; Luis Carlos Winck, Jorge Luis, Alexandre Torres e Cássio; Luisinho, Leandro, Bismarck e Carlos Alberto Dias; Edmundo e Valdir (Luciano).

 VASCO 2 x 1 INDEPENDIENTE SANTA FÉ se encontraram, em uma terça-feira, no Maracanã, pelas semifinais da Copa Conmebol-1996, assistidos por 1.245 pagantes. Ranielle, aos 44 minutos do primeiro tempo, e aos 3 do segundo marcou os gols  vascaínos, Antônio Lopes era o treinador desta rapaziada: Carlos Germano; Pimentel, Juninho Pernambucano (Toninho), João Luiz e Cássio; Sidney, Luisinho, Ramón Menezes e Nelson (Ranielli); Macedo e Edmundo. 

VASCO 3 x 1 CORITIBA, em uma quinta-feira, em São Januário, apitado por Sidrack Marinho dos Santos-SE e  assistido por 5.518 pagantes, com renda de R$ 7.590,00, valeu pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro-1998.  Mauro Galvão, aos dois minutos do primeiro tempo, abriu o placar. Ramón Menezes, aos 38 e aos 42 minutos do segundo tempo, fez os outros dois. Antônio Lopes era o treinador de: Márcio; Vagner (Felipe Alvim), Geder, Mauro Galvão e Felipe; Nasa, Fabrício Carvalho (Henrique), Juninho Pernambucano e Ramón Menezes; Dedé (Fabrício Eduardo) e Donizete.

A "Vascodata" 29 de outubro é acrescentada por:  Vasco 1 x 1 Flu, em 1974; 1989 – Vasco 0 x 0 São Paulo, em 1989, e Vasco 1 x 1 Flamengo, em 1995.



domingo, 28 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 28 DE OUTUBRO

 O  28 de outubro é poucas vitórias e muitos empates. Digamos que foi uma data de trabalhar em pedreiras. Se bem que os adversários das igualdades são pesos pesados. Confere? Vejamos:   28.10.1951 – Vasco 1 x 1 Botafogo; 28.10.1970 – Vasco 0 x 0 Bahia; 28.10.1972 - Vasco 0 x 0 Palmeiras; 28.10.1990 - Vasco 0 x 0 Corinthians; 28.10.2011 - Vasco 2 x 2 Fluminense; 28.10.2007 - Vasco 2 x 2 Palmeiras. Agora, confira vitórias:

VASCO 2 X 0 AMÉRICA - Com apito de Alzilar Costa, pela sexta rodada do segundo turno do Campeonato Carioca-1945,  o rival carioca foi batido  em tarde domingueira,  em São Januário. O treinador era o uruguaio Ondino Vieira, os gols foram marcados, no segundo tempo,  por Chico e Berascochea, e o time teve: Rodrigues, Augusto e Rafagnelli; Ely, Berasacochea e Argemiro; Ademir Menezes, Lelé, Isaías, Jair Rosa Pinto e Chico.   A temporada-1945 foi de taça nas mãos dos cruzmaltinos. Eles conquistaram os dois turnos da disputa contra 10 times, pelo sistema todos contra todos. Em 18 partidas, foram 13 vitórias e cinco empates, com 58 gols pró e saldo de 43.

 VASCO 4 X 0 BONSUCESSO -    Valter Marciano (2), no primeiro tempo, além de Vavá (cobrando pênalti), e Pinga, na etapa final, chegaram nas redes nesta goleada, em um domingo, no Maracanã, pelo Campeonato Carioca-1956. Era o segundo jogo do returno e o 14º  invicto do time do técnico Martim Francisco na temporada regional.  Eunápio de Queiroz apitou a nervosa partida que teve dois vascaínos, Sabará e Vavá expulsos de campo. O  “Clube da Faixa” formou com: Carlos Alberto; Paulinho de Almeida, Bellini e Coronel; Laerte e Orlando; Sabará, Livinho, Vavá, Válter e Pinga. O “Bonsuça” fora um adversário difícil no primeiro turno, caindo por 3 x 2. Mas a “Turma da Colina” mandou oito goleada durante aquela grande campanha – 16 vitórias, quatro empates e duas quedas, em 22 compromissos – de 1956, que terminou com taça e faixa na Colina e a rapaziada marcando 58 vezes – s saldo de 41 bolas no filó.

 VASCO 2 X 1 FRIBURGUENSE - 1984 - Tempos do glorioso Edu Coimbra como treinador da "Turma da Colina" e jogo na casa do adversário, o Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo. Valeu pelo Estadual-1984, apitado por Wilson Carlos dos Santos, assistido por 4.046 pagantes. Roberto Dinamite abriu o placar, aos 7 minutos, eles empataram e o mesmo Roberto desempatou, aos 42 do segundo tempo. Quem subiu a serra? Roberto Costa; Edevaldo, Ivã. Daniel González e Donato; Chi­na, Geovani e Marquinho (Marcelo); Mauricinho, Roberto e Rômulo. 

 

sábado, 27 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLLINA - 27 DE OUTUBRO

Uma data de poucas vitórias, o 27 de agosto. Mas com muitas emoções, inclusive com gol no último minuto da partida. Conferindo?

VASCO 1 X 0 FLAMENGO - Domingo, no estádio das Laranjeiras. Chegava o Flamengo para um grande duelo, válido pelo Campeonato Carioca-1929, levando dois treinadores, Joaquim Guimarães e Raphael Candiota. Orientado pelo inglês Harry Welfare e sob  o apito de Carlos Martins da Rocha, o Carlito, mandou 1 x 0, com Russinho cobrando pênalti, no primeiro tempo. Time da vitória: Jaguaré, Brilhante e Itália; Tinoco,Fausto e Mola; Paschoal, Russinho, Oitenta-e-Quatro, Mário Mattos e Santana.
Aquele foi o 12 jogo entre os dois clubes, com seis vitórias vascaínas e dois empates. No confronto (iniciado em 29 de abril de 1923, com Vasco 3 x 1), a “Turma da Colina” já estava na frente, embora o seu futuro maior rival (o primeiro foi o América) tivesse quatro anos a mais de rodagem. Foi um dos triunfos da campanha do título vascaíno daquela temporada carioca, disputada por 11 times que se pegaram em dois turnos e decidida contra os americanos, em uma melhor de três. O 1 x 0 não poderia ser considerada vitória por acaso, pois a rapaziada havia batido os rubro-negros, por 3 x 2, no primeiro turno (14.07.1929).

VASCO 5 X 2 MADUREIRA – Amistoso convidado pelo adversário, com Gradim, Kulo, Luna, Bahianinho e Luis de Carvalho sacudindo o filó. Primeiro encontro entre os dois clubes nestas circunstâncias - o segundo foi em 13 de março de 1939, em Conselheiro Galvão, com os cruzmaltinos mandando 4 x 2.
  
VASCO 3 X 2 SÃO PAULO - Além de colocar "Urubu" em queda livre, em um outro 27 de outubro, no de 1968, o "Almirante" mandou reza brava pras cima de um santo, com quem se encontrava desde 4 de junho de 1940. Valeu pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa – à época chamado Taça de Prata –,  no Maracanã, em um domingo, com vitória de virada e gols cruzmaltinos marcados por  Silvinho, aos 27; Jurandir (contra), aos 42, e Beneti, aos 87 minutos. O público foi de 26 mil e 54 pagantes, o argentino Roberto Goecochea apitou, Paulinho de Almeida era o treinador e o time batedor era formado por: Pedro Paulo; Ferreira, Brito, Fernando e Eberval; Alcir e Buglê (Benetti); Nado, Adílson Albuquerque, Valfrido e Silvinho (Bianchini).

VASCO 1 X 0 CORITIBA - O sérvio Petkovic serviu neste jogo para dar os três pontos ao "Almirante", na última bola do jogo, aos 46 minutos do segundo tempo. Vitória importante por ter sido na casa do adversário – Estádio Couto Pereira, em Curitiba –, valendo pelo Campeonato Brasileiro-204.  Rodrigo Martins Cintra-SP apitou e Joel Santana era o treinador vascaíno deste time: Cássio; Thiago Maciel, Fabiano, Henrique e Chiquinho (Diego); Silva, Emerson, Coutinho e Petkovic; Marco Brito (Rubens) e Anderson (André Lima).   


Na "Vascodata" 27 de outubro, acrescente: Vasco 1 x 1 América de Três Rios-RJ,  em 1991, e Vasco 1 x 1 Fluminense, em 1992

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 26 DE OUTUBRO

 O 26 de outubro é data "historicíssima". Nela rolou o último gol cruzmaltino de Roberto Dinamite, o primeiro duelo de Tostão contra o Cruzeiro, goleadas e ultrapassagem sobra a dupla Fla-Flu. Entre outros. Confira:   
 
VASCO 3 X 1 RIVER-RJ - Dia de glória do atacante Paschoal, autor de três tentos da vitória, de virada, todos no segundo tempo,  no estádio da Rua Moraes e Silva, onde o "Almirante" mandou os seus primeiros jogos na elite do Campeonato Carioca. Naquela temporada, o time ficou bi, comandado pelo uruguaio Ramón Platgero, dois anos após sair da Segunda Divisão. Formação do dia: Nélson, Leitão e Mingote; Brilhante, Claudionor e Artur; Paschoal, Torterolli, Russinho,. Cecy e Negrito. 

VASCO 3 X 2 ANDARAHY - Até o 26 de outubro de 1930, o "Almirante" a havia se defrontado em 14 oportunidades contra aquele adversário. A superioridade era enorme: 13 vitórias e um empate. Naquele dia, com Tinoco, Mário Mattos e Sant´Anna  passeando no filó, chegou a 40 bolas na rede, contra 13 gols sofridos.   

VASCO 1 x 0 FLUMINENSE - Peça antiga do Campeonato Carioca-1941, com gol desabrochado por Orlando Rosa Pìnto, em São Januário, em um domingo. Naquele dia, os tricolores nem desconfiavam  que, pouco depois, o seu treinador, o uruguaio Ondino Viera, se bandearia pelos lados da Colina, a fim de para montar o imparável "Expresso da Vitória". Naquele dia, ele foi vencido pelo colega Telêmaco Frazão de Lima, que colocou no gramado: Chiquinho, Osvaldo Saldanha, Florindo, Figliola, Zarzur, Alfredo II, Dacunto, Orlando, Gonzalez, Villadoniga e Moacir. A pugna foi apitada por José Ferreira Lemos.

VASCO 4 x BANGU - Cumprimento de pauta dominical, pelo Campeonato Carioca-1947, à Rua Conselheiro Galvão. Como o adversário era tradicional "freguês de caderno", o técnico Flávio Costa cobrou e os atacantes Lelé, Djalma, Friaça e Maneca, que eram pagos pra fazerem gols, não fizeram mais do que as suas respectivas obrigações. Garantiram o bicho da rapaziada: Barbosa, Wilson e Rafagnelli; Ely,Danilo e Jorge; Djalma, Lelé, Maneca, Dimas e Friaça. Naquela tarde, o apito ficou por conta de Mário Gonçalves Vianna.

VASCO 2 X 1 SÂO CRISTÓVÃO - Parada duríssima, pelo Campeonato Carioca-1952, na casa do adversário, à Rua Figueira de Melo. Tão dura que o "Santo" chegou a igualar o placar, aberto, no segundo tempo, por Edmur – Chico fechou a conta do jogo integrante da campanha do último título do "Expresso da Vitória", guiado pelo seu terceiro treinador, Gentil Cardoso, que confirou em:  Barbosa, Augusto e HAroldo; Ely, Danilo e  Jorge; Edmur, Ademir, Ipojucan, Maneca e Chico. O apito foi de  Mário Gonçalves Vianna.
 
VASCO 1 x 0 CRUZEIRO - Estava na 14ª rodada do Campeonato Brasileiro-1972, com um detalhe: Tostão,  o maior ídolo da torcida cruzeirense e maior artilheiro da história do clube mineiro (249 gols, em 379 jogos), estava com a jaqueta cruzmaltina, enfrentando, pela primeira vez, o seu consagrador. Aconteceu em uma quinta-feira, no Maracanã, apitado por José Faville Neto-SP, na presença de 17.249 pagantes – renda de Cr$ 108.817,00 – que viram Luís "Fumanchu" balançar o barbante. Treinado por Mário Travaglini, os abatedores de "Raposa" foram:Andrada; Fidélis, Joel Santana, Renê e Alfinete; Alcir e Buglê; Jorginho Carvoeiro, Silva (Dé), Tostão e Marco Antôni (Luís "Fumanchu").

VASCO 2 X 0 MADUREIRA - Visitas de "freguês de caderninho" à Colina. Corria o segundo turno do Estadual-1974, em São Januário, e o placar só foi mexido no segundo tempo: Jair Pereira, aos 12, e Roberto Dinamite, aos 26 minutos. Arthur Ribeiro Araújo apitou, 7.506 passaram pelas bilheteria e o treinador Mário Travaglini convocou: Andrada; Fidélis, Miguel, Moisés e Alfinete, Gaúcho, Zanata e Ademir (Fred); Bill, Roberto e Luís Carlos Lemos (Jair Pereira).

VASCO 1 X 0 GOYTACAZ - Em 26 de outubro de 1992, Roberto Dinamite marcou o último gol de sua carreira. Bateu na rede do Goytacaz, de Campos-RJ, pela quarta rodada da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro. Era uma segunda-feira, quando ele pisou no gramado de São Januário e balançou o filó, aos 46 minutos do primeiro tempo, escrevendo o placar da partida apitado por Roberto Costa, diante de 74 mil pagantes, sem renda divulgada. Treinado por Joel Santana, o time do último Dinamite na rede teve: Carlos Germano; Luis Carlos Winck, Jorge Luís, Alexandre Torres e Cássio: Luisinho Quintanilha, Leandro Ávila, Bismarck e Carlos Alberto Dias; Edmundo e Roberto Dinamite (Valdir ‘Bigode’). 
MEMORIAL - A história do "matador" Roberto Dinamite começou na noite da quinta-feira 25 de novembro de 1971, em Vasco 2 x 1 Internacional-RS, no Maracanã, pelo então chamado Campeonato Nacional. Foi quando  ganhou o apelido, do “Jornal dos Sports”, que estampou: “Garoto Dinamite explodiu”.   Saído do  Esporte Clube São Bento, de Caxias-RJ, ele chegou à Colina levado por Fernando Ramos, que tinha o mesmo apelido (Gradim) de um antigo treinador vascaíno. Aos 12 anos de idade, era chamado por “Calu”. A sua vocação para o gol foi mostrada, em quatro temporadas (46 tentos) pelas categorias de base. Depois, rolou uma história de 708 maldades com goleiros, em 1.110 partidas cruzmaltinas, tendo o último compromisso sido em 24 de março de 1993, uma quarta-feira à noite, no Marcanã, diante do espanhol La Coruña. Encerrada a carreira, foi eleito vereador e deputado estadual, já tendo passado  pelas legislaturas de 1994/98/02/06/10/14. Em 27 de junho de 2008, tornou-se o primeiro ex--atleta eleito presidente do Vasco, somando 140 votos, contra 103 do candidato indicado pelo antecessor (Eurico Miranda), Amadeu Pinto da Rocha. Foi reeleito e comandou o clube por dois mandatos. 


VASCO 4 X 3 CRICIÚMA-SC - Rolava a primeira fase do Campeonato Basileiro-1997, quando a rapaziada foi à casa do adversário – Estádio Heriberto Hulse –, na cidade do mesmo nome do clube, e abriu dois gols de frente, no primeiro tempo  - Ramon Menezes, aos 10, e Edmundo, aos 38. Na fase final, os anfitriões igualaram o marcador, mas Edmundo fez mais um e Ramon fechou a conta, aos mais um , aos 74 minutos.  O treinador Antônio Lopes comandava: Márcio. Filie Alvin, Odvan, Mauro Galvão e Felipe; Luisinho (Moisés), Fabrício Carvalho (Nélson) e Ramon; Mauricinho (Pedrinho), Edmundo e Evair.  

VASCO 3 x 1 FLAMENGO - Valeu pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro-2006, em uma quinta-feira, no Maracanã. Já rolava o returno e 41.442 pagantes deixaram na casa a renda de R$ 552.660,00, além de ouvirem o apito de Paulo César de Oliveira-SP naquela vitória de virada. Vazado, aos 14 minutos, o "Time da Colina" não deixou o rival se empolgar. Aos 41 minutos, Abedi empatou. Na etapa final, Leandro Amaral colocou a casa em ordem, aos 15, para Jean fazer a festa, aos 45. Renato "Gaúcho" Portaluppi comandou a caçada ao "Urubu", com: Cássio; Thiago Maciel, Fábio Braz, Dudar e Diego; Ygor, Andrade, Abedi (Amaral) e Ramón (Mádson); Jean e Leandro Amaral (Coutinho).

VASCO 8 X 3 AURORA-BOL - Goleadíssima que valeu noite de vaga às quartas de final da Copa Sul-Americana-2011, em São Januário,  Os trabalhos noplacar foram abertos aos 9 minutos, quando Bernardo driblou dois defensores bolivianos e disparou a chamada bomba na rede: 1 x 0. Os visitantes empataram, mas o "Almirante"  desempatou, aos 38. Alecsandro aparou cruzamento de Juninho e não perdoou os visitantes:  2 x 1. Jogador mais participativo do Vasco, Alecsandro voltou a marcar, aos 44 minutos, executandou mais um perfeito cruzamento de Julinho: 3 x 1, registro da primeira etapa.
O Vasco voltou do intervalo com com a mesma fome de gols. Aos três minutos, Fagner lançou Alecsandro, que serviu Leandro, que cravou: 4 x 1. Aos 22,  Fagner foi derrubado dentro da área e Juninho Pernambucano bateu o pênalti: 5 x 1. Aos 27, o Aurora, que só  fazia contra-ataques, diminuiu : 2 x 5. Cinco minutos depois, a moçada respondeu, com Bernardo escrevendo: 6 x 2. Aos 37, Douglas subiu mais que toda defesa boliviana e fez mais um: 7 x 2. Ainda faltava o gol de Allan, que fez grande jogada e tocou na saída do goleiro: 8 x 3. Humilhadores de bolivianos: Fernando Prass; Fagner, Renato Silva, Douglas e Julinho (Jumar); Nilton, Fellipe Bastos, Juninho Pernambucano e Bernardo (Elton); Leandro (Allan) e Alecsandro. Técnico: Cristóvão Borges.
 
A "Vascodata" 26 de outubro tem também: Vasco 3 x 3 São Cristóvão, em 1953; Vasco 2 x 2 América-RJ, em 1963; Vasco 1 x 1 Fluminense, em 1980, e Vasco 3 x 3 Paraná, em 2003.


 
 

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 25 DE OUTUBRO

Nos 25 de outubro, o "Almirnte" visitou um zoológico futebolístico. E matou a "Cobra Coral", atiro o pau no "Leão da Ilha", mordeu a "Raposa" e torceu o pescoço do "Urubu", com as asas tingidas de rubro-anil. Isso tudo sem ajuda de nenhum “Santo”.  Vamos traçar melhor esta história, pelo placar. Traçando a história:

VASCO 3 X 2 BONSUCESSO - Faceta do segundo turno do Campeonato Carioca-1958 (que teve caneco na Colina), com bola rolando no Maracanã. Eunápio de Queirós apitou e Delém (2) e Rubens marcaram para o treinador Gradim comemorar. Barbosa, Paulinho de Almeida e Viana; Orlando, Laerte e Écio; Sabará, Delém, Rubens e Pinga foi a formação do dia. DETALHE: Écio marcou um gol contra para os rubro-anis.
  
VASCO 3 x 0 SANTA CRUZ, em 1970, foi em um domingo de um tremendo Recife ensolarado, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, o embrião do atual Campeonato Brasileiro. Os meias Ademir e Benetti, e o centroavante Dé "Aranha" sacudiram o barbante do time que a torcida chama de "Cobra Coral", por sinal, bem lembrado pela forma de sua camisa tricolor - branco, preto e vermelho.
 
Saulzinho (C) aprontando
VASCO 4 x 2 SÃO CRISTÓVÃO rolou em um domingo, em São Januário, pelo Campeonato Carioca-1964. Rendeu Cr$ 1 milhão, 824 mil e 600 cruzeiros, foi apitado por José Monteiro  e teve a rapaziada resolvendo tudo logo no primeiro tempo: Zezinho, aos 3; Saulzinho, aos 22 e aos 27, e de Mário ‘Tilico”, aos 42 minutos não estavam para brincadeira. Ely do Amparo era o treinador e o time dele foi: Miltão; Joel Felício, Caxias, Fontana e Barbosinha; Maranhão e Lorico; Mário, Célio, Saulzinho (foto/C à esquerda) e Zezinho.

VASCO 1 X 0 CRUZEIRO, na noite de uma quarta-feira, no Maracanã, teve Tostão enfrentando o seu antigo clube, pelo Campeonato Brasileiro-1972. Josaé Favilli Neto-SP apitou ante  17.249 pagantes. Luis "Fumanchu" marcou o gol comemorado por esta rapaziada: Andrada; Fidélis,  Joel Santana, Renê e Alfinete; Alcir,  Buglê e Tostão; Jorginho Carvoeiro, Silva e  Marco Antônio (Luis "Fumanchu").

VASCO 1 X 0 AMÉRICA-RJ, com gol marcado pelo apoiador Dudu "Coelhão",  aos 35 minutos do primeiro tempo, foi um "Clássico da Paz" do Estadual-1981. Disputado no Maracanã, teve apito de  Aldemir Veira Matos-MG e público de 12.570 pagantes. Dirigido por Antônio Lopes, o time crumaltino mandou ver com: Mazaropí; Rosemiro, Serginho, Chagas e João Luís; Ricardo, Dudu e Amauri; Wilsinho (Ticão), Roberto Dinamite e Silvinho (Zé Luís).


VASCO 1 X O SPORT-PE ja valeu pelo Brasileirão-1989, em uma quarta-feira, na Ilha do Retiro, também em Recife, com público e 25.485 pagantes e renda de Cr$ 310 mil, 035 cruzeiros. Carlos Sérgio Rosa Martins-RS apitou e o ponteiro Tato, também gaúcho, fez o gol do jogo, aos 42 minutos do segundo tempo. Nelsinho Rosa era o técnico vascaíno que amansou o leonino rubro-negro pernambucano com serviços de: Acácio; Luis Carlos Winck, Leonardo, Mauro Aurélio e Mazinho; Andrade, Zé do Carmo e Bismarck; William (Vivinho), Bebeto e Tato (Cássio). 

VASCO 2 X 1 CAMPO GRANDE, pela Taça Guanabara-1995, rolou em uma quarta-feira, com Richardson e Pedro Renato comparecendo ao filó. Carlos Alberto Zanatta, meia do time campeão brasileiro-1974, estava comandando esta rapaziada: Márcio; Leonardo Siqueira, Jeferson, Cristiano, Geovane (Genilson), Pedro Renato (Igor), Fausto, Valkmar, Richardson (Coby Jones), Yan e Robinho. (Coby Jones)

A "Vascodata" 25 de outubro teve, em 1953, Vasco 3 x 3 Flamengo, e, em 2014, Vasco 1 x 1 Ponte Preta. (Foto de Saulzinho cedida por ele).

terça-feira, 23 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 23 DE OUTUBRO


 


VASCO 3 X 0 BRASÍLIA  faz parte de uma história. Seguinte: a moçada  já venceu dois times candangos nos 23 de outubro, o citado acima e o Sobradinho, do qual você lerá abaixo. Diante do primeiro, o "Almirante", pela primeira recebendo os candangos em São Januário, não lhes deu chances. Liquidou a fatura no primeiro tempo, com gols do pernambucano  Ramon, aos 9 e aos 14 minutos, e de Roberto Dinamite, aos 27.  O time, dirigido por Orlando Fantoni, alinhou: Mazaropi; Orlando, Abel (Gaúcho), Geraldo e Marco Antônio; Zé Mário, Zanata e Dirceu; Wilsinho, Roberto Dinamite e Ramon (Paulinho). O Brasília, que era treinado por Ayrton Nogueira, teve: Déo; Edevaldo, Jonas, Luís Carlos e Geraldo Galvão; Wel, Moreirinha e Banana; Julinho, Ney (Edmar) e Bira. O árbitro foi José de Assis Aragão (SP), o público de 9.956 pagantes e a renda de Cr$ 328.500,00.

VASCO 3 X 1 SOBRADINHO, do Brasileirão-1986, rolou em uma noite de quinta-feira no antigo Estádio Mané Garrincha. Naquela rodada, Romário marcou um gol de placa. Aos 33 minutos do segundo tempo, driblou três adversários e o goleiro Bocaiuva. Assistido por 22.076 pagantes, o jogo rendeu Cz$ 664 mil e 700 cruzados, a moeda da época. Os vascaínos abriram o placar, aos 5 minutos, com Roberto Dinamite batendo falta, da entrada da área. Bola no canto esquerdo do goleiro. Pena que, 14 minutos depois ele tivesse que ser substituído. Então, o time caiu de produção, o Sobradinho cresceu. Tanto que, aos 35 minutos, Filó, também de falta, empatou: 1 x 1. No etapa final, o Vasco dominou, totalmente. Aos 5 minutos, o zagueirão Juninho colocou 2 x 1 na conta, de cabeça, escorando escanteio da direita. Ulisses Tavares-SC apitou e o "Almirante" degolo o "Leãoo da Serra" com: Acácio; Paulo Roberto, Juninho, Donato e Pedrinho; Josenilton, Gersinho e Geovani; Mazinho, Roberto Dinamite (Mauricinho) e Romário. Técnico: Joel Santana. O Sobradinho era: Bocaiuva; Carlão, Tobias, Rildo e Lourenço; Chiquinho, Filó e Wellington: Régis, Toni e Michael (Jamil). Técnico: Pedro Pradera. 

 

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 22 DE OUTUBRO

VASCO 7 X0  CANTO DO RIO foi mais uma prova de que a rapaziada não tinha pena daquele adversário. Em 22 de outubro de 1950, o enfrentaria pela 20ª vez, em Campeonatos Cariocas.  Como já o havia goleado, por cinco vezes – 5 x 0 (18.05.1941); 5 x 2 (02.09.1943); 14 x 1 (06.09.1947); 6 x 0 (31.09.1949) e 4 x 0 (23.10.1949) –, não custaria nada mandar mais uma. E assim fez. Em um domingo, em São Januário e a rapaziada do treinador  Flávio Costa viajava no auge do “Expresso da Vitória”. Tanto que morderia o título carioca da temporada, sem contestação: 17 vitórias, em 20 jogos, marcando 74 gols e guardando o fantástico saldo de 53.
 Naquela goleada, o apito foi de Alberto da Gama Malcher. Os gols saíam com Maneca, no primeiro tempo, e com Ademir Menezes (2), Dejayr (2), Jansen e Tesourinha, na etapa final. Time do dia: Barbosa, Augusto e Wilson: Ely, Danilo e Jorge; Tesourinha, Maneca, Ademir, Jansen e Dejair.
DETALHE: o jogo fechou o primeiro turno do Estadual e, junto com a balaiada, a rapaziada cantou “parabéns pra você” com valor dobrado. Os laterais Augusto da Costa (22.10.1920) e Jorge Dias Sacramento (22.10.1927), apagavam mais uma velinha. Festa total.  VASCO 6 x 1 PAYSANDU foi goleadas com pouca assistência – 4.138 pagantes – e pouca granas – R$ 4.mil 210 reais – pelo Campeonato Brasileiro-1995. Embora seja chamado de “Papão”, em sua terra, o time paraensea começou a ser papado a partir dos 10 minutos do primeiro tempo, quando Nélson pipocou o açaí. Gostou e provou mais, aos 35. No segundo tempo, Valdir melou o bigode, aos 12 e aos 25, enquanto Juninho  e Leonardo saborearam os últimos goles, respectivamente, aos 37 e aos 44 minutos. Carlos Alberto Zanata era o guloso treinador vascaíno e a sua patota mordeu nas garras de: Carlos Germano; Pimentel, Ricardo Rocha (Tinho), Alex e Sidnei; Luisinho (Juninho Pernambucano), Charles Guerreiro e Nélson; Pedrinho, Marcelo (Leonardo Pereira) e Valdir ‘Bigode”.  

VASCO 2 X 1 FLAMENGO, mesmo com placar apertado, teve grande comemoração. Afinal, em cima do maior rival. Naquele dia, um sábado à tarde,  em São Januário, rolava a 12ª rodada do returno do Campeonato Brasileirão-2005. Havia 10.543 pagantes e entraram R$ 128 mil, 67 reais e 50 centavos no cofrinho da casa.  Cinco minutos depois de Evandro Rogério Roman-PR apitar início de contenda, Wagner Dnzi abriu os trabalhos. Aos 36, ainda do primeiro tempo, o “Baixinho” Romário escreveu o dele no marcador. Renato Gaúcho era o treinador desta rapaziada: Roberto; Wagner Diniz, Fábio Braz, Anderson do Ó e Diego: Ives, Amaral, Abedi (Eder) e Fernandinho (Robson Luís); Alex dias e Romário.  





     
 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 19 DE OUTUBRO




1 -  Há nove temporadas o Vasco tentava devolver ao Santos uma goleada, por 5 x 1, do Torneio Rio-São Paulo-1961. Naquela década, era impossível tentar, pois o "Peixe" montara o melhor time de futebol do planeta e tinha um  camisa 10 chamado Pelé. 
 O tempo passou e chegou o sábado 17 de outubro de 1970. Um ano antes, Pelé havia sido coroado "Rei do Futebol", no Mineirão (foto).
O time santista, campeão paulista-1969, era fortíssimo. Nos últimos 11 anos, havia ganho nove títulos, inclusive um tri estadual. Que viesse o Vasco!  O pernambucano Sebastião Rufino, então, mandou rolar a bola, no Maracanã, e o destino, daquela vez, trocou o brilho da camisa fatal. O 10 cruzmaltino, Walter Machado Silva compareceu às redes por duas vezes, enquanto o 10 santista ficou devendo naquele que fora o seu jogo nº 980, totalizando 1.053 gols.  
 Para derrubar o “Rei”, o “Almirante” foi malandro. Prometeu pagar o prêmio pelo título carioca-1970 e colocar os salários em dia. Com “doping financeiro” Luís Carlos Lemos abriu o placar, aos 6 minutos; Benetti aumentou, aos 20; Silva ampliou, aos 26, e fez 4 x 0, aos 34, tudo no primeiro tempo. No segundo, Douglas marcou par a “Turma do Rei”, aos 24 minutos. Aos 45, Gílson Nunes fechou a conta. Maior vitória do Vasco sobre Pelé. 
Treinado por Elba de Pádua Lima, o Tim, a rapaziada daquela noite foi: Élcio; Fidélis, Joel Santana, René e Eberval; Benetti e Ademir; Luís Carlos Lemos (Willy), Dé (Kosilek), Silva e Gílson Nunes.  O Santos teve: Cejas; Carlos Alberto Torres, Ramos Delgado (Marçal), Djalma Dias e Rildo; Clodoaldo, Lima (Douglas) e Nenê; Davi, Pelé e Edu. 

 2 -  Na tarde do domingo 14 de outubro de 1973, em Vasco 1 x 1 Santos, o torcedor carioca veria o "Rei Pelé" pela última vez diante dos cruzmaltinos. Do lado da "Turma da Colina", o técnico Mário Travaglini vinha apostando em um garoto, de 19 anos, que ainda jogara algumas vezes na temporada pelos juvenis. Chamava-se Roberto e tinha o apelido de “Dinamite”, por ter marcado um gol sobre o Internacional, em novembro de 1971, com uma pancada que o goleiro Gainete nem viu por onde a bola passou.
 
 O Maracanã, que sempre aplaudira o “Camisa 10” e se tornara o palco predileto do time santista, onde sempre era aplaudido, iria assistir ao único jogo do “Garoto Dinamite” contra o “Atleta do Século”. Quando rolou a bola, o Vasco destacou o volante Alcir Portella para ajudar ao zagueiro René a marcar Pelé. E só subia nos contra-ataques. Num deles, aos 34 minutos do primeiro tempo, o lateral-direito Paulo César venceu o lateral-esquerdo santista Zé Carlos e cruzou  a bola para a área do "Peixe". Roberto penetrou entre Carlos Alberto e Vicente, aplicou o chamado “sem pulo”, pegando a pelota no ar. A gorduchinha passou pelo ângulo esquerdo das baliza defendida pelo argentino Cejas. Um golaço! Tanto que, depois de sair pro abraço de sua turma, Roberto recebeu os cumprimentos do “Rei Peé”, que declarou: “Foi o gol mais bonito que vi nesse Campeonato Brasileiro. Se este garoto for bem trabalhado será um craque” – acertou na mosca!
No segundo tempo, Eusébio empatou, aos 44 minutos, e o placar ficou no 1 x 1. O Vasco foi:  Andrada; Paulo César, Miguel, Renê e Pedrinho; Alcir, Zanata (Gaúcho) e Ademir (Dé); Jorginho Carvoeiro, Roberto Dinamite e Luiz Carlos Lemos. O Santos, treinado por José Macia, o seu ex-ponta-esquerda Pepe, teve: Cejas; Hermes, Carlos Alberto Torres, Vicente e Zé Carlos; Clodoaldo e Léo (Brecha); Mazinho, Eusébio, Pelé e Ferreira (Cláudio Adão). Técnico: José Macia, o Pepe. O juiz foi José Luiz Barreto (S) o público de 44.590 pagantes e renda de Cr$ 97.328





 


3 -  VASCO 9 X 1 MADUREIRA  é retrato  do 15 de outubro de 1950, um domingo. Rolava o Campeonato Carioca e o Vasco esperava o Madureira, em São Januário. Quando o “Tricolor Suburbano” pintou, a rapaziada não teve piedade. Só o baixinho Djayr (foto/D) mandou cinco bolas no filó – Maneca (2), Álvaro Xaxá e Ademir Menezes mandaram as outras. O “Madura” ficou tão pequeno que até o seu gol foi marcado por um cara chamado Tampinha. Treinado por Flávio Costa, o time daquele estrondo foi: Ernani, Augusto e Wilson; Ely, Danilo e Jorge; Tesourinha, Maneca (faoto/E), Ademir, Álvaro e Dejayr. Era os tempos do “Expresso da Vitória”, campeão carioca daquela temporada distribuindo 10 goleadas. Mas aquele pancadão em cima do Madureira nem é o maior do saco de maldadas da rapaziada. Não fica nem entre os “10 Mais”. Teve gente que sofreu “bem mais bastante”. Vejamos: 14 x 1 Canto do Rio (1947); 12 x 0 Andarahy (1937); 11 x 0 Brasil-RJ (1927), São Cristóvão (1949), Gotebörg-SUE (1959), Combinado de Trondheim- NOR (1961) e Combinado de Petrópolis (1988); 10 x 0 Brasil-RJ (1935), Bonsucesso (1944) e Colatinense-ES (1954).    
 


 4 - Botafoguense não pode cruzar com vascaíno na data 19 de outubro. Pelo Campeonato Cariocanos alvinegros, pelo Campeonato Carioca-1941, levou 4 x 0, com gols de Gonzalez (2), Moacir e Villadoniga.  O treinador Telêmaco Frazão de Lima escalou no dia: Chiquinho, Florindo e Osvaldo Saldanha;  Argemiro, Zarzur e Dacunto; Alfredo II, Moacir, Villadoniga, Gonzalez e Orlando.  Em  2005, em uma quarta-feira, pelo Campeonato Brasileiro, a surras foi menor, pois apenas 1x 0, com gol de Romário, também em  São Januário, com o técnico Renato "Gaúcho" Portaluppi  escalando: Roberto; Wagner Diniz, Fábio Braz, Anderson do Ó e Diego; Ives, Osmar (Robson Luis), Abedi (Eder) e Morais; Alex Dias e Romário (Wilian).


5 - Vasco 2 x 1 Flamengo foi a vitória que a torcida cruzmaltina mais gostou, em 1931. Rolou no 18 de outubro e valeu  pelo Campeonato Carioca, em um domingo, no  estádio da Rua Paysandu, com gols de Bahiano e de Valdemar Vieira. Simplesmente, por ter sido a quarta de uma série de cinco triunfos seguidos em início de década. Seis meses antes, no jogo anterior (26.04.1931), a moçada havia mandado 7 x 0 nos rubro-negros. No clássico ora abordado, rolou o 16º duelo entre os dois clubes, por Estaduais, tendo o treinador Harry Welfare contado com: Valdemar, Brilhante, Itália, Tinoco, Nesi, Mola, Bahiano, Russinho, Santa´Anna e Ghizoni e Valdemar Vieria (Gringo).


6 -  Artilheiro do Brasileirão da Série-B-209, com 17 gols, o baiano Ellton era um goleador, também, rápido, enquanto vascaíno. Em Vasco 2 x 0 Atlético-MG, em 16 de outubro, pelo Brasileirão-2011, ele foi às rede aos dois minutos. Dominou a bola no no peito e acertou um chutaço nas redes mineiras.  A rapaziada  era comandada pelo treinador Cristóvão Borges e  venceu com: Fernando Prass; Fágner, Dedé, Renato Silva e Julinho (Diego Rosa); Fellipe Bastos, Nilton, Allan (Chaparro) e Diego Souza; Eder Luis (Bernardo) e Elton.
.




Foto de Luís de Carvalho
 reproduzida da
revista  "Grandes Clubes".



 

domingo, 14 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 14 DE OUTUBRO

 
 
 
 
 
VASCO 1 X 1 SANTOS, na tarde do domingo 14 de outubro de 1973, o torcedor carioca veria o "Rei Pelé" pela última vez diante dos cruzmaltinos. Do lado da "Turma da Colina", o técnico Mário Travaglini vinha apostando em um garoto, de 19 anos, que jogara, ainda, algumas vezes na temporada pelos juvenis, e subira ao grupo profissional, assinando o seu primeiro contrato por Cr$ 3  mil cruzeiros mensais. Chamava-se Roberto e tinha o apelido de “Dinamite”, por ter marcado um gol sobre o Internacional, em novembro de 1971, com uma pancada que o goleiro Gainete nem viu por onde a bola passou.
 O Maracanã, que sempre aplaudira o “Camisa 10” e se tornara o palco predileto do time do Santos – decidira ali o Mundial Interclubes de 1963 –, iria assistir ao único jogo do “Garoto Dinamite” contra o “Atleta do Século”. Rolou a bola! Cauteloso, o Vasco destacou o volante Alcir Portella para ajudar ao zagueiro René a marcar Pelé e só subia nos contra-ataques. Num deles, aos 34 minutos do primeiro tempo, o lateral-direito Paulo César venceu o lateral-esquerdo santistas Zé Carlos e cruzou  a bola para a área do "Peixe". Roberto penetrou entre Carlos Alberto e Vicente, aplicou o chamado “sem pulo”, pegando a pelota no ar. A danada foi passar pelo ângulo esquerdo das baliza defendida pelo argentino Cejas. Um golaço! Tanto que, depois de sair pro abraço de sua turma, Roberto recebeu os cumprimentos do “Rei Peé”, que declarou: “Foi o gol mais bonito que vi nesse Campeonato Brasileiro. Se este garoto for bem trabalhado será um craque” – acertou na mosca!
No segundo tempo, Eusébio empatou, aos 44 minutos, e o placar ficou no 1 x 1. O Vasco foi:  Andrada; Paulo César, Miguel, Renê e Pedrinho; Alcir, Zanata (Gaúcho) e Ademir (Dé); Jorginho Carvoeiro, Roberto Dinamite e Luiz Carlos Lemos. O Santos, treinado por José Macia, o seu ex-ponta-esquerda Pepe, teve: Cejas; Hermes, Carlos Alberto Torres, Vicente e Zé Carlos; Clodoaldo e Léo (Brecha); Mazinho, Eusébio, Pelé e Ferreira (Cláudio Adão). Técnico: José Macia, o Pepe. O juiz foi José Luiz Barreto (S) o público de 44.590 pagantes e renda de Cr$ 97.328

VASCO 4 X 0 INTERNACIONAL rolou, também, em um domingo, em São Januário. Aristóteles Siqueira Campos Cantalice apitou, 9.775 ouviram  e pagaram a inflacionada moeda de Cr$ 5 milhões, 028 mil e 300 cruzeiros para curtirem os gols marcados por Luciano, aos 6; Bebeto, aos 25, e Bismarck, aos 28 minutos, todos da primeira parte do espetáculo que valeu pelo Campeonato Brasileiro-1990.  O treinador cruzmaltino era Mário Jorge Lobo Zagallo e o time foi: Acácio; Luiz Carlos Winck (Marco Aurélio), Jorge Luiz, Célio Silva e Cássio; Zé do Carmo, William, Bismarck e Luciano; Ânderson e Bebeto (Tato). O Vasco já teve outros placares folgados diante dos colorados. Vejamos:   29.08.1978 – 3 x 0; 25.01.1981 – 4 x 0; 14.10.1990 – 3 x 0; 23.10.1994 – 5 x 2; 17.08.2008 – 4 x 0. 

VASCO 2 x 1 BOTAFOGO rolou em um domingo, no Maracanã, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro-2007. Teve 17.406 pagantes, grana de R$ 254 mil, 531 reais e apito de Péricles Bassols Pegado Cortez (RJ). Leandro Amaral, aos 8 minutos do primeiro tempo, e Jorge Luiz, aos 41 do segundo, resolveram a questão. Celso Roth era o treinador e o time teve: Sílvio Luiz; Vilson (Andrade), Jorge Luiz, Júlio Santos e Wagner Diniz; Amaral, Perdigão, Darío Conca (Enílton) e Eduardo Santos (Guilherme); Marcelinho e Leandro Amaral. 

 





sábado, 13 de outubro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 13 DE OUTUBRO



 
Em outubro de 1991, o Vasco foi convidado para ir ao Gabão disputar o Torneio da Amizade. Sua caravela atravessou o Atlântico e trouxe a sua única taça conquistada em território africano, com 3 x 0 sobre o sudanês Sogara (12.10), e 2 x 1 diante do Bahia (13.10), um domingo, com gols de Sorato e William   – no jogo anterior, Sorato, Bismarck e Bebeto haviam visitado às redes. A data registra uma particularidade: duas vitórias e dois empates com os botafoguenses.  Vamos a campo, anotar mais:
 
VASCO 3 x 0 MADUREIRA, do Campeonato Carioca-1957, tem mais valor por ter sido na casa do "Tricolor Suburbano", à Rua Conselheiro Galvão, onde o "Madura" sempre vendeu caro o resultado. Tempos do treinador Martim Francisco, quando a “Turma da Colina” jogou sob o apito de José Monteiro, com números na arrecadação acompanhando o escrito no placar: Cr$ 303 mil, 030 cruzeiros. Tudo no três! Edvaldo Izídio Neto, o glorioso Vavá, batendo pênalti, aos 45 e aos 70 minutos, e Rubens José da Costa, aos 63, balançaram a roseira. Rapaziada da jornada: Carlos Alberto Cavalheiro;  Paulinho de Almeida; Bellini e Viana; Orlando e Coronel; Lierte, Livinho, Vavá, Rubens e Pinga.  
 
VASCO 2 X 0 AMÉRICA-MEX, amistoso em uma terça-feira de 1981, na Cidade do México, teve gols marcados por Chagas e pelo "matador" Roberto Dinamite. Antônio Lopes era o treinador.

VASCO 2 X 1 BOTAFOGO foi a consagração do centroavante goiano Bill, que ajudou o "Almirante" vencer o clássico, em uma virada sensacional, com seu gol saindo aos 39 minutos do segundo tempo. Ganhou o apelido de "Búfalo Bill" – os alvinegros haviam aberto o placar, aos 12 minutos e Marinho Chagas marcado contra, aos 31. Valeu pelo Campeonato Carioca-1974, no Maracanã, em um domingo. Valquir Pimentel apitou a pugna, assistida por 51.675 pagantes, público médio para a época e muito bom para hoje. O  time estava comandado por Mário Travaglini e manteve a "freguesia" às custas de: Andrada; Fidélis, Joel Santana, Renê (Gaúcho) e Alfinete; Alcir e Zanatta; Jorginho Carvoeiro, Ademir (Bill), Roberto Dinamite Luís Carlos Lemos.

VASCO 5 X 2 GAMA, goleada pelo Campeonato Brasileiro-1999, em uma noite de quarta-feira, em São Januário. Teve apito de Márcio Rezende de Freitas-MG e contagem aberta por Ramon, aos 13 minutos. Edmundo fez mais um no primeiro tempo, aos 31. No segundo, E o "Animal" voltou às redes, aos 26, e Ramon, aos 40. Odvan, o "zagueiro-zagueiro", também deixou o dele, aos 14 da etapa complementar. Antônio Lopes era o chefe da rapaziada: Carlos Germano; Paulo Miranda (Paulo César), Odvan, Mauro Galvão e Gilberto; Nasa, Juninho Pernambucano (Alex Oliveira), Felipe (Fabiano Eller) e Ramon; Edmundo e Viola. Os gols gamenses foram marcados por Lindomar, aos 8, e por Juari, aos 44 minutos do primeiro tempo.

VASCO 3 X 1 BOTAFAOGO, pelo Campeonato Brasileiro-2001, rolou em uma tarde de sábado, no “Maraca”, assistido por 17.122 pagantes e apitado por Willian Marcelo de Souza Néri. Romário, Rafael Pereira e Tiago (contra) marcaram os gols vascaínos, com time treinado por Hélio dos Anjos e escalado com:  Hélton; Rafael, Odvan, João Carlos e Gilberto; Fabiano Eller (Léo Lima), Ricardo Bóvio, Donizete Oliveira e Juninho Paulista; Euller e Romário. 
 
Na "Vascodata" 13 de outubro, os dois empates com o Botafogo estão assim no caderninho: 13..10.1940 - Vasco 2 x 2 Botafogo e  13.10.1960 – Vasco 2 x 2 Botafogo. Cravela reproduzida de papel de parede.