Vasco

Vasco

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

VASCODATA




 









 








 

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

vascodata


 
28.11.1933 – Vasco  2 x 0 São Bento-SP/SP; 

VASCO 4 X 1 MADUREIRA - Em 1948, nossa tempos do "Expresso da Vitória", o Tricolor Suburbano" não tinha nem como desafiar o "Almirante". Em um domingo, em São Januário, pelo Campeonato Carioca, assistiu Ademir Menezes (2), Friaça e Dimas brincando nas suas redes. A rapaziada do dia: Barbosa, Augusto, Wilson, Ely, Danilo, Jorge, Friaça, Ipojucan, Dimas, Ismael e Ademir. Isso aí rolou em um domingo, em São Januário, pelo Campeonato Carioca.

VASCO 3 X 1 CRUZEIRO -  Este jogo é de 1973.  Com público de 14.840 pagantes e renda de Cr$ 116.602,00, rolou no Maracanã, em uma quarta-feira, apitado por José Luiz Barreto-RS. Luiz Carlos Lemos, aos 17 minutos do primeiro tempo e aos 7 do segundo, e Alfinete, aos 31 da mesma etapa final, foram às redes. Mário Travaglini era ao treinador deste time: Andrada; Paulo César, Miguel, Marcelo e Alfinte; Alcir, Zanata (Ademir) e Bugleux (Luís Fumanchu), Roberto Dinamite, Dé e Luís Carlos Lemos.

28.11.1976 – Vasco 3 x 2 Guarani de Campinas-SP

28.11.1982 – Vasco 1 x 0 América-RJ

VASCO 3 X 1 FLUMINENSE - O time que levou o primeiro gol cruzmaltino em Campeonatos Brasileiros foi batido, no 28 de novembro de 1990, por 3 x 1, pela Taça Adolpho Bloch. Foi o clássico em que os dois clubes levaram o menor público aos seus duelos, apenas 3. 434 pagantes, em uma quarta-feira, em São Januário. Auype, aos 3, e Sorato, aos 38 e aos 45 minutos do primeiro tempo, balançaram as redes tricolores, para alegria do Lobo (Mário Jorge Zagallo), que era o trinador vascaíno. Ele mandou à luta: Carlos Germano; Auype, Tosin, Jorge Luís e Cássio; Zé do Carmo, Luciano, William (Tato) e Marco Antônio Boiadeiro; Sérgio Araújo e Sorato.
 


VASCO 3 X 2 BAHIA -  Rolavam as oitavas-de-final do Campeonato Brasileiro-2000. Na noite do 28 de novembro, em São Januário, 17.332 pagantes gastaram R$ 52.700,00 pra ver o que os baianos haviam levado. Aos 26 minutos, Euller mostrou o que o "Almirante" tinha. Aos 40, Vagner empatou. Mas “O Filho do Vento” voltou à rede, aos 4 do segundo tempo. O ex-vascaíno Fabrício Carvalho tornou a igualar a conta, aos 13. Foi então que Juninho Paulista pintou no filó e escreveu a história definitiva do placar. Vencer o Bahia não era nada de extraordinário, desde o primeiro confronto, em 21 de abril de 1936.  O que valeu mais foi que o gol de Juninho Paulsita teria sido só mais um dos tantos que “Clube da Faixa” vinha fazendo durante o Nacional, se um detalhe não o marcasse: foi o gol 1.000 cruzmaltino na competição.
O Vasco tornou-se o segundo clube a chegar mil vezes às redes do Brasileirão – o primeiro fora o São Paulo, nos 3 x 4 ante o Sport Recife, em 8 de novembro do mesmo ano. No dia do feito, Fabiano Gonçalves-RS apitou e o time "milou" com: Helton; Clebson, Odvan, Júnior Baiano e Jorginho Paulista; Jorginho Amorim (Nasa), Paulo Miranda, Juninho Pernambucano e Juninho Paulista; Euller (Pedrinho) e Romário (Viola).


28.11.2007 – Vasco 1 x 0 Corinthians.   

Acrescentar à VASCODATA 28 de novembro: Vasco 0 x 0 Santos, em 1971; Vasco 0 x 0 Marcílio Dias-SC, em 1987, e  Vasco 1 x 1 Juventude-RS, em 2004.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

vascodata




Um 29 de novembro foi tarde de Pinga. Não que cachaça estivesse liberada à rapaziada. Foi tarde em que o atacante Pinga, isto é, José Lázaro Robles, marcou quatro gols em Vasco 5 x 2 São Cristóvão, , pelo Campeonato Carioca-1959 – Almir "Pernambuquinho" fez o outro. Rolou em um sabadão, na Rua Figueira de Mello, com o técnico Francisco de Souza Ferreira, o Gradim, mandando a campo: Miguel, Dario, Russo e Bellini;  Écio e Coronel; Sabará, Roberto Pinto, Almir, Delem e Pinga.

 Pinga foi  jogador vascaíno, entre 1953 a 1962, e  é o quarto artilheiro da história do "Almirante", aparecendo com 250 gols em algumas estatísticas e com 232, em outas, no total de 466 jogos. A diferença de 18 gols é porque, antigamente, não havia preocupação com as estatísticas.   Ele é ultrapassado por Roberto Dinamite, Romário e Ademir Menezes. Viveu entre 11 de fevereiro de1924 a 8 de maio de 1996.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

VASCODATA







Valeu pelo Estadual-RJ-1991. O "Almirante" mandou 5 X 0 Americano, de Campos, mas a galera não prestigiou. São Januário recebeu apenas 1.417 pagantes. Até o pipoqueiro que vendia do lado de fora do estádio teve prejuízo. Só quem lucrou foi William, autor de três gols – Sorato e Bebeto pipocaram mais duas na rede do visitante, com o O técnico Antônio Lopes escalando: Carlos Germano; Dedé, Missinho, Alexandre Torres e Cássio; França, Luisinho, Bismarck (Mauricinho) e William; Sorato (Macula) e Bebeto. 

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

HISTORI&LENDAS DA COLINA - CÉLIO

Vasco 8 X 0 Jabaquara-SP, representou o segundo dos dois amistosos  disputados pelos dois clubes, com muito trabalho para o "garoto do placar". Friaça (3), Lelé (2), Ipojuan (2) e Isaías castigaram o desafiante, que caía, pela segunda vez, pelo mesmo número de gols. Em 7 de janeiro de 1945, amargara 8 x 1, em São Januário. DETALHE: um atacante que fez muito sucesso, em início de carreira, no “Jabuca”, tornou-se um dos maiores ídolos da torcida vascaína na década-1960, o  goleador Célio Taveira Filho, o quarto agachado, da esquerda para a direita, nesta foto enviada pela sua filha Camila.   

terça-feira, 13 de novembro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 13 DE NOVEMBRO

 Os 13 de novembro parecem feitos para os vascaínos aprontaram. Que o digam "Urubu", "Macaca", "Touros do Sertão" e outros bichos mais. Data, também, boa para carregar canecos. Vejamos:
VASCO 2 X 1 FLAMENGO – Campeonato Carioca-1938. O rival tirou o domingo para visitar a Colina e, como merecia, foi mal recebido. Saiu de campo chorando a queda no placar, provocada por Argemiro e Alfredo.   Escorados nas ordens do Uruguai Ramón Platero, esta rapaziada bateu forte: Joel, Jahu, Florindo, Oscarino, Azzize, Argemiro, Gabardinho Villadoniga (Bahia), Luna, Alfredo I e Orlando. 
VASCO 5 X 0 OLARIA - Este time é um eterno páreo fraco para a "Turma da Colina". Comprovam 72,87% de vitórias cruzmaltinas, em 129 confrontos, ou 94 triunfos e 25 empates, entre 12 de junho de 1932 e 23 de abril de 2011. Na sexta-feira 13 de junho de 1964, a  moçada fez a bola virar gato preto e passar e se enrolar nas redes do time da Rua Bariri. No entanto, em uma outra rua, a General Severiano, valendo pelo segundo turno do Campeonato Carioca.  No meio daquele fuxico, a “Dupla do Barbante, formada por Célio Taveira Filho e Saul Santos Silva, excedeu. O primeiro mandou o goleiro Manguito  buscar a bola no filó, em três ocasiões; o outro, em mais uma – houve, ainda, um gol contra, de Marcos. José Teixeira de Carvalho apitou, o cofre guardou Cr$ 1.744.300,00 (cruzeiros) e o treinador Ely do Amparo mandou a campo: Levis (Ita); Joel, Caxias, Fontana e Barbosinha; Maranhão e Lorico; Mário ‘Tilico’, Célio, Saulzinho e Zezinho. 

13.11.1974 – VASCO 2 X 0 MADUREIRA - Quarta-feira, com o terceiro turno do Campeonato Carioca em ação. Fora a sétima vez em que o placar acima se repetia, em 81 encontros pela disputa, com 64 vitórias cruzmaltina (229 gols marcados), 10 empates e sete escorregadas no tomate. O pega, também, marcou a 26ª partida invicta da rapaziada (por Estaduais) diante do "Madura", batido pelos gols de Roberto Dinamite, de pênalti,, aos 13, e de, Neném, aos 35 minutos do primeiro tempo. Aluísio Felisberto apitou, 5.022 pagaram para entrar em São Januário e ver correndo pelo gramado: Andrada; Fidélis, Miguel, Moisés e Alfinete; Alcir e Zanatta e Fred; Bill, Roberto (Neném/Gaúcho) e Luís Carlos Lemos. O chefe desta rapaziada era Mário Travaglini.
 
VASCO 2 X 1 FLAMENGO - Em um outro 13 do 11, o Vasco compareceu à Gávea, cumprindo a tabela do segundo turno do Campeonato Carioca-1949. E bateu no dono da casa, de virada, na etapa derradeira, com cascudos mandados por Ademir Menezes. Mas, vencer os rubro-negros, por aquela época, não era "novidadeira". Já rolava desde o primeiro dia de bola rolando na casa flamenguista. Daquela nova vez, um domingão, os visitantes indesejáveis chamava-se: Barbosa; Augusto e Wilson; Ely, Danilo e Alfredo II; Nestor, Ipojucan, Heleno de Freitas Ademir e Chico. 

VASCO 1 X 0 FLU DE FEIRA-BA - Na data 13 de novembro de 1966, o Vasco foi, também ver o que a Bahia tinha. Estádio a inaugura. E inaugurou o Alberto Oliveira, o “Joia da Princesa”, em Feira de Santana, em uma tarde de domingo, torcendo os chifres dos “Touros do Sertão”, como é chamado o Fluminense local, com um gol contra  de Val, aos 44 minutos do segundo tempo. O ex-médio vascaíno Ely do Amparo estava como treinador e o time recorreu ao "instituto da contagem mínima" com: Edson Borracha (Valdir Appel); Ari, Hélio, Fontana e Silas; Salomão (Maranhão) e Danilo Menezes; Nado, Paulo Mata, Célio e Zezinho.     
VASCO 2 X 0 PONTE PRETA – Daquela vez, sob o comando do treinador Antônio Lopes, a rapaziada chegou a quatro partidas seguidas com invencibilidade diante da equipe alvinegra da paulista Campinas. Jogo da 28ª rodada da primeira fase do Campeonato Brasileiro-2002, em uma quarta-feira, São Januário, com apito do baiano Lourival Dias Lima Filho. Com os dianteiros Valdir “Bigode”, aos 32, e Ramon Menezes, aos 79, dando uma banana à “Macaca”. Rapaziada ousada: Fábio, Marcelo Magalhães, Géder, Rogério Pinheiro, Edinho (Siston), Wellington (Glaydson), Bruno Lazaroni, Ramon, Léo Lima, Petkovic e Valdir (Rodrigo Souto).

VASCO 2 X 0 FLUMINENSE - Jornada em que o "Baixinho" foi o maior, no inicio e no final do clássico, isto é, aos 6 minutos do primeiro tempo e aos 48 do segundo. Naquela tarde de domingo em que Romário foi o "cara", rolava a 38ª rodada do Campeonato Brasileiro-2005. Jogado em São Januário, o visitante foi mal recebido, a mando do treinador Renato "Gaúcho" Portaluppi, por: Roberto; Wagenr Diniz, Luciano, Fábio Brtaz e Diego; Amaral, Ives Abedi (Rubens) e Morais (Rodrigo); Róbson Luís (Têti) e Romário.  O apito foi de Márcio Rezende de Freitas-MG  

VASCO 2 X 0 BOTAFOGO – O apoiador Fellipe Bastos, aos 15 minutos do primeiro tempo, e o zagueiro Dedé, aos 14 do segundo, foram às redes, pelo Campeonato Brasileiro-2011, no Engenhão, em um domingo, com público de 28.880 pagantes, renda de R$ 912.280  e arbitragem de Antônio Frederico Schneider-RJ. Para manter a freguesia alvinegra, o treinador Cristóvão Borges precisou de: Fernando Prass; Fagner, Dedé, Renato Silva e Allan; Rômulo, Jumar, Felilpe Bastos (Nilton) e Felipe (Juninho Pernambucano); Eder Luís e Diego Souza. DETALHE: Rômulo foi expulso de campo.  

VASCO 2 X 1 AMÉRICA-RN - Uma festaça para 52.985 torcedores (52.237 pagantes) que pintaram no Maracanã. Se as noites das sexta-feira 13 são o bicho, a de novembro de 2009 foi fera para a nação cruzmaltina. A “Turma da Colina”  conquistava, por antecipação, o Campeonato Brasileiro da Série B.  Sob o apito de José Henrique de Carvalho (SP), o Vasco venceu o América-RN, por 2 x 1, no Maracanã, que arrecadou R$ 746.33000 naquela noite da 36ª rodada da Segundona. Nascido pra ser o “Time da Virada”, o Vasco viu Lúcio abrir o placar, aos 13 minutos do primeiro tempo. E só foi se igualar ao time alvirrubro potiguar aos 15 da etapa final, quando Alex Teixeira, aos 39, praticou o “esporte predileto” da “Rapaziada da Colina”,  virar o placar.
Dorival Júnior era o treinador vascaíno e seu time foi: Fernando Prass (foto/E); Fagner (Aloísio), Vílson (Philippe Coutinho), Titi e Ramon; Nilton, Souza, Ernani (Fumagalli) e Carlos Alberto; Alex Teixeira e Élton (foto/D). O time de Natal-RN valorizou a volta vascaína à elite do futebol brasileiro, dirigido por Francisco Dia e contando com: Rodolpho; Thoni, Leandro, Édson Rocha, Jackson, Júlio Terceiro (Ramirez), Ricardo Oliveira, Somália, Juninho (Wilton Goiano), André Luís (Geovane) e Lúcio. Para chegar ao título, o Vasco disputou 38 jogos, vencendo 22 e empatando 10, o que lhe deu 66,67% de aproveitamento. Marcou 58 gols, à média de 0,67 por partida, e teve um saldo de 29. Os “matadores” foram: Élton, 17 gols; Carlos Alberto 9; Adrano 5; Alex Teixeira 4; Ramon 3; Edgar, Fagner, Gian Mariano, Nilton, Robinho e Souza 2; Amaral, Fernando, Fumagalli, Léo Lima, Paulo Sérgio, Rodrigo Pimpão e Titi 1.    
CAMPANHA: 09.05.2009 – Vasco 1 x 0 Brasiliense; 16.05 – 2 x 0 Ceará; 23.05 -  3 x 0 Atlético-GO; 30.05 – 1 x 3 Paraná; 06.06 – 0 x 0 São Caetano-SP; 13.06 – 0 x 0 Guarani/Campinas/SP; 19.06 – 0 x 0 Duque de Caxias-RJ; 27.06 – 1 x 1 Figueirense; 30.06 – 0 x 0 Bragantino-SP; 11.07 – 3 x 0 Ponte Preta; 14.07 – 2 x 0 Vila Nova-GO; 17.07 – 3 x 0 ABC-RN; 25.07 – 1 x 2 Bahia; 28.07 - 2 x 1 Fortaleza; 01.08 – 2 x 1 Juventude-RS; 08.08 – 3 x 0 Campinense-PB;11.08 – 2 x 2 América-RN; 15.08 – 3 x 1 Portuguesa de Desportos; 22.08 – 4 x 0 Ipatinga-MG. Returno – 25.08 – 1 x 0 Brasiliense; 28.08 – 0 x 2 Ceará; 05.09 – 2 x 2 Atlético-GO; 11.09 – 2 x 1 Paraná; 15.09 – 1 x 0 São Caetano; 19.09 – 1 x 0 Guarani-SP; 26.09 – 1 x 0 Duque de Caxias; 29.09 – 1 x 2 Figueirense; 03.10 – 0 x 0 Bragantino; 10.10 – 1 x 1 Ponte Preta; 13.10 – 4 x 1 Vila Nova-GO; 20.10 – 3 x 2 ABC; 24.10 – 2 x 1 Bahia; 31.10 – 1 x 1 Fortaleza; 07.11 – 2 x 1 Juventude; 10.11 – 1 x 0 Campinense; 13.11 – 2 x 1 América-RN; 21.11 – 0 x 1 Portuguesa; 28.11 – 0 x 2 Ipatinga.
Mais VASCODATA nos 13 de novembro: Vasco 0 x 0 América-RJ, em 1960;  Vasco 0 x 0 Botafogo, em 1977; Vasco 1 x 1 Americano-RJ, em 1985,   Vasco 1 x 1 Flamengo,  em 1994 

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 12 DE NOVEMBRO


Nos registros das navegações do “Almirante” há de tudo. Inclusive, vitória com mão-dupla. E o que poderia haver de comum entre as suas temporadas-1978 e 1987? A inversão dos dois últimos números, certo? De cara, certíssimo! Mas há um outro detalhe: vitórias cruzmaltinas na data 12 de novembro daqueles dois anos, com três chegadas à redes. Amansou os chifres do “Diabo” e botou legal nos “Coxas. Vamos conferir estas sacanagens:

VASCO 3 X 1 AMÉRICA é uma história maluquete. Há pesquisadores que lançam a data 12 de novembro de 1933, por duas vezes, em seus mapas, para registrar a vitória vascaína citada acima. Já houve dois jogos da “Turma da Colina” em um mesmo dia, mas com duas formações diferentes.  Não foi o caso, do 12 do 11 aqui tratado. O barato era que, nos primeiros Torneios Rio-São Paulo da década de 1930, as partidas valiam, também, pelos campeonatos estaduais dos dois estados. O triunfo cruzmaltino sobre o" Diabo Rubro", com “mão-dupla”, aconteceu eu em um domingo, na casa do adversário, na carioquíssima Rua Campos Salles, com os três gols marcados por  Russinho, sendo dois no primeiro tempo. O time infernal teve: Rey, Lino e Itália; Gringo, Fausto e Mola; Bahianinho, Almir, Russinho, Carnieri e Carreiro. Mas esta rapaziada não foi bem naquele RJ-SP-1933,  terminando em quinto lugar, com 24 pontos, tirados de 10 vitórias e quatro empates, em 22 jogos, marcando 44 e sofrendo 31 gols. Ficou à frente de Corinthians (22),  Fluminense (20), América-RJ (18), Santos (17), Bonsucesso (16), AA.São Bento (13) e Ypiranga-SP (5 pontos). 

VASCO 1 X 0 OLARIA - 1961

VASCO 1 X 1 CORITIBA – Em uma quarta-feira, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro-1987. O apito esteve com Romualdo Arppi Filho-SP,  público foi decepcionante, de 2.058 pagantes, e renda de Cz$ 172 mil, 460 cruzados. Romário, aos 32 minutos do primeiro tempo, e  Roberto Dinamite, aos 38 e aos 44 da etapa final, foram às redes.  Sebastião Lazaroni comandava o time vascaíno e a formação teve: Acácio; Paulo Roberto, Donato, Moroni e Mazinho; Humberto, Geovani e William (Osvaldo); Mauricinho, Roberto Dinamite e Romário (Vivinho).

VASCO 3 x 1 AMÉRICA-RJ valeu pelo segundo turno do Estadual-1978, em um domingo, no Maracanã. Por aquele tempo, era pequeno o público de 27.255  pagantes. Ramon, aos 36 minutos do primeiro tempo abriu a festa. Roberto Dinamite (foto), aos 25, e Paulo Roberto, aos 42 da última parte, fecharam o espetáculo. Orlando Fantoni era o treinador cruzmaltino e o time dele tocou o rebu por conta de: Leão; Orlando ‘Lelé’ (Fernando)  Abel Braga, Gaúcho e Paulo César; Helinho, Guina e Washington Oliveira (Paulo Roberto); Ramon Pernambucano, Carlos Alberto Garcia, Roberto Dinamite. 

VASCO 3 X 1 VOLTA REDONDA - Marco Antônio, Marquinho e Katinha foram às redes do Estádio Raulino de Oliveira, a casa do adversário, pelo Estadual-1980, em uma quarta-feira. O treinador Mário Jorge Lobo Zagallo escalou para vencer: Mazaropi: Brasinha, Orlando 'Lelé",  Léo e Marco Antônio; Pintinho, Guina e Marquinho; Wilsinho, Katinha, Roberto e Silvinho.  Até ali, pela competição, os dois times haviam e pegado em 10 oportunidades, com sete vitórias cruzmaltinas, dois empates e uma escorregada  
  
VASCO 3 X 2 CORITIBA – Em uma quarta-feira, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro-1987, teve um dos piores públicos vascaínos no Maracanã, por tal competição: 2.058 pagantes, com a renda de  Cz$ 172 mil, 460 cruzados não dando para acompanhar as despesas da partida. O apito esteve com Romualdo Arppi Filho-SP e os gols cruzmaltinos com Romário, aos 32 minutos do primeiro tempo, e  Roberto Dinamite, aos 38 e aos 44 da etapa final.  Sebastião Lazaroni comandava a rapaziada: Acácio; Paulo Roberto, Donato, Moroni e Mazinho; Humberto, Geovani e William (Osvaldo); Mauricinho, Roberto Dinamite e Romário (Vivinho).
 
Incluir na VASCOTADA 12 de novembro: Vasco 1 x 1 Coritiba, em 1972; Vasco 2 x 2  x Ceará, em 1986; Vasco 1 x 1 Santa Cruz-PB, em 1988, e Vasco 2 x 2 Goiás, em 1998. 



domingo, 11 de novembro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 11 DE NOVEMBRO

Além da conquista do primeiro título da era  “Expresso da Vitória”, em 1945, a data 11 de novembro marca, também, uma pancadaça no cucuruto do “Urubu”, o maior rival. As vitórias na data foram abertas com 1 x 0 Paladino, pelo Estadual da Segunda Divisão, em 1917.

VASCO 4 X 2 CORINTHIANS -  Amistoso, em um sábado,  na casa do adversário, o Parque São Jorge, na São Paulo de 1939. Dia em que o argentino Villadóniga botou pra quebrar, marcando três tentos – Orlando completou o placar.  Mário Vianna-RJ apitou, aquele foi o 13º amistoso entre os dois times e a sexta vitória cruzmaltina, contra quatro do anfitrião e mais três empates.  No meio dessa refreta, haviam duas goleadas vascaínas, ambas por 5 x 0, em 14 de abril de 1928 e em 16 de dezembro de 1934. Até então, só havia dois jogos oficiais, com uma vitória para cada lado, pelo Torneio Rio-São Paulo-1933.  

VASCO 4 X 0 MADUREIRA – Faltando uma rodada para o final, a rapaziada já papou o título do Campeonato Carioca-1945, o primeiro da “Era Expresso da Vitória”. O time estava tão calibrado que, em 31 duelos, matou em 18. Empatou outros 13, é verdade, mas mandou uma artilharia tão pesada pra cima dos desafiantes que terminou as batalhas com o hoje inimaginável saldo de 43 gols (58 marcados), dos quais 13 foram de Lelé e 12 de Ademir Menezes. A esquadra foi o que se poderia chamar, também, de  Torpedo-45”. A temporada teve 10 times e dois turnos, jogando todos contra todos, e o “Almirante” encerrou jejum, de 12 temporadas sem títulos. O jogo do título rolou em São Januário, apitado por Guilherme Gomes, com renda de Cr$ 23.579, 20 e gols de Ademir Menezes, aos 7 e aos 49; de Chico aos 42, e de Isaías, aos 82 minutos. Os campeões no dia: Barbosa, Augusto e Rafagnelli; Alfredo II, Ely e Berascochea; Santo Cristo, Ademir, Isaías, Jair e Chico.  

CAMPANHA: Turno - 08.07.1945 – Vasco 5 x 1 Bangu; 29.07 – 1 x 0 São Cristóvão;  05.08 – 1 x 1 Canto do Rio; 12.08 – 1 x 0 Botafogo; 19.08 – 4 x 1 Bonsucesso; 26.08 – 1 x 1 América; 02.09 – 3 x 1 Fluminense; 09.09 – 4 x 1 Madureira; 16.09 –  2 x 1 Flamengo. Returno – 23.09 – Vasco 5 x 0 Canto do Rio; 30.09 -  6 x 2 Bangu; 07.10 – 5 x 1 São Cristóvão; 14.10 – 2 x 2 Botafogo; 21.10 – 9 x 1 Bonsucesso; 28.10 – 2 x 0 América; 04.11 – 1 x 1 Fluminense; 11.11 – 4 x 0 Madureira; 18.11 – 2 x 2 Flamengo. 

VASCO 1 X 0 MADUREIRA – Segundo turno do Campeonato Carioca-1951, com o velho freguês engrossando o caldo, no estádio da Rua Conselheiro Galvão. O golzinho que salvou o “Almirante”  do afogamento teve Chico por autor. O apito ficou com Erick Westmann e a “Turma da Colina” levou à casa do adversário:  Barbosa, Augusto e Clarel; Ely, Danilo Alvim e Jorge; Noca, Ipojucan, Friaça, Maneca e Chico.

VASCO 4 X 0 CANTO DO RIO – Pega, também, de segundo turno. Goleada que fez parte da campanha da conquista do título do Campeonato Carioca-1956, jogando foram casa, no Estádio Caio Martins, em Niterói. Carlos Monteiro, o “Tijolo”, apitou e as tijoladas foram mandadas por Válter Marciano, aos 11, e Roberto, aos 28 minutos do primeiro tempo. Na etapa final, Lierte, aos 8 , e Vavá aos 33, fecharam a conta. O técnico Martim Francisco atravessou o mar levando: Carlos Alberto Cavalheiro; Paulinho de Almeida e Beline; Laerte, Orlando e Coronel; Roberto, Lierte, Vavá, Válter e Pinga.

VASCO 4 X 0 FLAMENGO – Naquela temporada, o Vasco andava mal. Tanto que terminou o primeiro turno em sétimo lugar (11 pontos), atrás do Olaria, que teve a mesma pontuação, mas uma vitória a mais (6 x 5), e do Campo Grande (13). A “Turma da Colina” só chegou ao turno final porque classificavam-se oito equipes. Mas continuou pisando na bola. Terminou a nova etapa em quinto lugar, com uma vitória, só. Somando tudo, registrou seis triunfos, quatro empates e oito derrotas  no Campeonato Carioca-1967. No entanto, jogar contra o seu maior rival Flamengo, para muitos torcedores, é um campeonato a parte.
Com gols marcados por  Álvaro, de pênalti, aos 15; Danilo Menezes, aos 31; Silva, aos 81, e  Valfrido, aos 84, o time vascaíno alinhou:  Pedro Paulo; Jorge Luís, Álvaro, Sérgio e Oldair; Paulo Dias e Danilo Menezes; Nei Oliveira, Adílson Albuquerque, Valfrido e Silva. O treinador era o ex-goleador vascaíno Ademir Marques de Menezes. Aquele “Clássico dos Milhões” rendeu Ncr$ 112 mil, 461 novos cruzeiros, teve público de 52.212 pagantes e apito de Gualter Portela Filho.    

VASCO 2 X 1 PORTUGUESA DE D ESPORTOS – Naquele domingo, em São Januário, a rapaziada aumento, para sete, a invencibilidade diante da “Lusa do Canindé”. Valeu pela segunda fase do Campeonato Basileiro-1996, no 13º pega entre os dois lados, pela competição, que passou a ter sete triunfos “colineiros” e três empates, além de três pisadas no garrancho. Sérgio Araújo, aos 53, e Sorato, aos 69 minutos, não foram nem um pouco gentil com os visitantes. Ordens do treinador Mário Jorge Lobo Zagalo a: Acácio; Luís Carlos Winck,  Sidnei, Tosin e Cássio; Zé do Carmo, William (Andrade), Luciano (Sorato) e Bismarck; Sérgio Araújo e Bebeto.

A VASCODASTA 11 de novembro inclui:.1975 – Vasco 0 x 0 Fluminense de Feira de Santana-BA, em 1975; Vasco 1 x 1 Internacional-RS, em 1970; Vasco 2 x 2 Inter de Limeira-SP, em 1989; Vasco 1 x 1 Juventude-RS, em 2006; Vasco 3 x 3 Figueirense, em 2007; Vasco 1 x 1 Atlético-MG, em 2012.
 
Em 1970, sobre a jaqueta só faixas
PLACA PARA O CAPITÃO BUGLÊ -  O Kike” promoveu, hoje, a “III VascoLago”, com a participação do capitão do time cruzmaltino campeão carioca-1970, José Alberto Bugleaux – a imprensa escrevia “Buglê”.
Em nome de toda a torcida vascaína, especialmente dos nossos consultores Mauro Prais E Gustavo Cortes (história), Bruno Mariani e Rômulo Bello (assistência técnica), foi oferecido ao antigo camisa 5 e 8 uma placa reproduzindo o momento em que ele ergue, no Maracanã, a taça do titulo, lhe entregue, pela então Federação Carioca de Futebol, na tarde do domingo 20 de setembro, perante 80.697 pagantes de um jogo meramente festivo, pois a faixa já havia sido conquistada na rodada anterior (17.09), vencendo (2 x 1) o Botafogo.
Naquela temporada, o Vasco encerrou o tabu, de 12 anos, sem ser campeão carioca, com 13 vitórias três empates e só duas escorregadinhas, sendo uma delas no jogo que não valia mais nada. Seu ataque beliscou 30 boals no barbante, ficando com um saldo de 16 tentos. O time-base, dirigido por Elba de Pádua Lima, o Tim, era: Andrada; Fidélis (1 gol), Moacir, Renê e Eberval: Alcir (2 gols) e Buglê (4); Luiz Carlos (2), Valfrido (5) , Silva (10) e Gílson Nunes (3) – ainda mexeram no placar os reservas : Ademir (1) e Jaílson 1) – Buglê participou das 18 partidas, da mesma forma que Alcir, Fidélis, Gílson Nunes, Moacir e Silva. . Leia em “Histórias do Bougleaux” porque isso aconteceu

Atualmente, a camisa é repaleta de publicidae
Buglê veio acompanhado de sua esposa e de uma neta. De cortesia, trouxe ovos de sua chácara, onde ele cria, também, tilápias e gado. Quanto aos comes-e-bebes, molhamos o pescoço por dentro com cervejas Heineken e Stella Artois. No dente, como ele é mineiro, traçamos lombo de porco, com feijão tropeiro e arroz. De sobremesa, pudim de leite. E, é claro, o tradicional cafezinho. A receita está à disposição do vascaíno interessado. Leva 17h, no mínimo, para o lombo ficar no ponto, superdelicioso.
A “VASCOLAGO” é uma reunião exclusiva de cruzmaltinos, a bem da “ordem pública”. E com um homenageado especial. Na primeira, o “cara” foi Saulzinho (Saul Santos Silva), o principal “matador” do Campeonato Carioca de 1962. Na segunda, Saulzinho, novamente, e Célio Taveira Filho, o artilheiro da I Taça Guanabara, levada para a Colina, em 1965. Os dois, grandes amigos, não se viam há 30 anos, e o “Kike” patrocinou o reeencontro.


sábado, 10 de novembro de 2012

CALENDÁRIO DA COLINA - 10 DE NOVEMBRO

  A data 10 de novembro marca cinco goleadas vascaínas: pra cima de São Cristóvão; do Madureira (duas vezes), e dos uberabenses. E uma quase goleada: 3 x 0 Botafogo. E, como como o Vasco sempre fez questão de ser o "Rei do Brega",  registra, também, um desses "caça-níqueis" fajutos pelo país a fora: 4 x 1 sobre um time mineiro chamado Fábrica de Armas. Armou um amistoso, em um domingo de 1940, só para ver  onde ficava a boca do cofre. Vejamos como fica o restante da farra no placar:

VASCO 6 X 0 SÃOCRISTÓVÃO - Torneio Extra do Rio de Janeiro-1938, em uma quinta-feira, em São Januário. Cícero (2), Fantoni, Lindo, Bahia e Hamilton brincaram nas redes. 

VASCO 6 X 3 UBERABA - Amistoso fora de casa, no Triângulo Mineiro, em 1954, com Pinga (2), Ademir Menezes, Alvinho, Maneca e Vavá confirmando o que deles a galera esperava. Foi o jogo 1.499 da rapaziada treinada por Flávio Costa e que fazia o segundo amistoso entre os dois clubes. O primeiro fora em 1951 e o total chega a seis, todos em Minas Gerais.  

VASCO 3 x 0 BOTAFOGO foi uma carimbada na faixa do campeão carioca de 1957. Naquela temporada, a “Turma da Colina” não se dobrou diante dos alvinegros, que só perderam duas vezes. No primeiro turno, 2 x 2.  No jogo de 10 de 1957, Wilson Moreira abriu a porteira, no primeiro tempo. No segundo, Almir ‘Pernambuquinho” acabou de completar o serviço. O clássico foi no Maracanã, apitado por Eunápio de Queirós e com o time vascaíno sendo: Carlos Alberto; Paulinho de Almeida e Bellini; Écio, Orlando e Coronel; Sabará, Almir, Wilson Moreira, Rubens e Pinga.

VASCO 5 X 1 MADUREIRA – Campeonato Carioca-1962. Prélio em um sábado, no estádio da Rua General Severiano e  Saulzinho, Sabará, Maranhão, Da Silva e Villadonega brdindaram o filó, para alegria do técnico Jorge Vieira. O time humilhante: Ita; Paulinho de Almeida, Brito, Barbosinha e Coronel; Maranhão e Lorico; Sabará, Viladonega Saulzinho e Da Silva.  

VASCO 4 x 1 MADUREIRA – No ano seguinte, pelo Campeonato Carioca-1963, a pancadaria continuou. Daquela vez, domingo, em São Januário, com  Wilson Lopes de Sousa no apito,  renda de Cr$ 376.400,00 e gols de Célio, aos 2 e aos 4; Da Silva, aos 25, e   Joãozinho, aos 66 21 minutos do segundo tempo. O time: Marcelo Cunha; Paulinho de Almeida, Brito, Barbosinha e Pereira; Odmar e Lorico; Joãozinho, Mário ‘Tilco’, Célio e Da Silva.       

 
VASCO 1 X 0 NÁUTICO - Jogo de ida pela Taça Brasil-1965. Disputado no Maracanã, foi parada duríssima, com o tento da vitória cruzmaltina saindo aos 87 minutos, marcado contra por Mauro Calixto, perante público de 26.236 pagantes. Armando Marques apitou e o treinador Zezé Moreira escalou: Gainete; Ari (Joel), Brito, Fontana e Oldair; Maranhão e Lorico; Zezinho, Célio, Mário e Danilo Menezes.

VASCO 2 X 0 FLUMINENSE  - Clássico do segundo turno do Campeonato Carioca-1974, no Maracanã.  Luís Carlos Félix mediou, ante 45.135 presentes, e os gols foram marcados pelo lateral-direito Fidélis, aos 6 minutos, e pelo "matador" Roberto Dinamite,  explodindo a cobrança de um  pênal­t), aos 32 do segundo tempo. O treinador |Mário Travaglini separou para vencere: Andrada; Fidélis (Paulo Cé­sar), Moisés, Miguel, Alfinete, Alcir, Gaúcho, Jorginho Carvoeiro (Bill), Fred, Roberto e Luís Carlos.

VASCO 3 X 0 CEARÁ - O Maracanã foi aberto, naquele sábado, para apenas 7.079 pagantes irem ao jogo. A renda, de CR$ 36 mil e 10 cruzeiros, foi uma das menores obtidas pelos Almirante" em Brasileirões. Paulinho Massariol (2) e Roberto Dinamite dinamitaram os alvinegros cearenses. O pavio da vitória foi aceso pelo treinador Oto Glória, que mandou ao fogo da partida: Leão: Paulinho II, Orlando, Ivan e Marco Antônio (Paulo César); Zé Mário, Guina e Zandonaide (Dudu); Katinha, Roberto Dinamite (  ) e Paulinho Massariol.  O árbitro foi Roberto Nunes Morgado-SP.

VASCO 1 X 0 BOTAFOGO – Sétima rodada do segundo turno do Estadual-1985, no Maracanã. Wilson Carlos dos Santos apitou para um público médio, de 35.126 almas, que penaram para ver apenas um gol naquele clássico, marcado por Roberto Dinamite, aos 47 minutos. Quem mandou vence foi o treinador Antônio Lopes que, antes de mudar de profissão, fora delegado de polícia. Passou a ordem a: Acácio, Heitor, Fernando, Newmar e Paulo César; Vítor, Luís Carlos e Gersinho (Geovani); Santos (Mauricinho), Roberto Dinamite e Romário.
 
VASCO 1 X 0 CAMPINENSE-PB - Por aqui, a rapaziada havia escorregado e caído à Série B do Brasileirão. Então, teve que ir ao Estádio Amigão (Governador Ernani Sátiro) em Campina Grande, correr muito para fazer um golzinho em uma noite de terça-feira. E, já que estava pelo Nordeste, o baiano Élton, aos 33 minutos do primeiro tempo saiu para o abraço do time treinado por Dorival Júnior e que foi: Fernando Prass; Fagner, Vilson Titi e Ramon; Nílton Alan, Souza e Carlos Alberto (Magno); Adriano e Élton (Alex Teixeira).    

Acrescentar na VASCODATA 10 de novembro: Vasco 0 x 0 América-RJ, em 1929; Vasco 0 X 0 América-MG, em 1973; Vasco 1 x 1 Volta Redonda, em 1982; Vasco 0 x 0 Olaria, em 1984; Vasco 1 x 1 Botafogo de Ribeirão Preto-SP, em 1999, e Vasco 2 x 2 Santos, em 2013  

 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

ANIMAL APARECE NO PLACAR

Um dos maiores ídolos da torcida vascaína, Edmundo sempre merecia uma capa na revista paulistana "Placar", da Editora Abril,  a única e mais importante do futebol brasileiro. O "Animal", como foi apelidado, chegou a perder o emprego em um outro clube por dizer que não gostaria de marcar gol em cima do Vasco, contra o qual jogaria. Por ser tão amante da "Turma da Colina", Edmundo usou a jaqueta do clube por várias vezes, entrando e saindo de São Januário.

One of the greatest idols of the Basque fans, Edmundo always deserved a cover in the magazine "Placar", from Editora Abril, the only and most important Brazilian football. The "Animal", as it was nicknamed, even lost his job in another club for saying that he would not like to score against Vasco, against which he would play. For being so loving of "Turma da Colina", Edmundo used the jacket of the club for several times, entering and exiting of San Januário ..
 


 
 

terça-feira, 6 de novembro de 2012

ÁLBUM DA COLINA - ELTON


CENTOAVANTE BAIANO, ELTON FOI O PRINCIPAL ARTILHEIRO DO CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE B-2009, A "SEGUNDONA, "MANADANDO 17 BOLAS ÀS REDES. TINHA TUDO PARA EMPLACAR IDOLATRIA PELA TORCIDA, NA SÉRIE A, MAS FALTA DE ACORDO FINANCEIR PARA RENOVAR CONTRATO O FEZ SAIR DA COLINA, PARA NUNCA MAIS VOLTAR., 
 
 
 
 
VASCO 6 X 1 FLUMINENSE - Os tricolores saíram para três duelos nos 6 de novembro. Se tivessem ficado só no primeiro, em um sábado de 1938, na Laranjeiras, até que não sofreriam tanto, pois o placar ficou pelo 1 x 1. Mas acharam de encarar mais. Tudo bem! Em 1943, amistosamente, foram goelados, impiedosamente, por meia-dúzia de laranjas maduras . Cordeiro, nada manso, fez dois. Petrônio outros dois, e Ademir Menezes e Isaías completaram o pancadão. De quebra, a rapaziada levou a Taça Clube de Regatas do Flamengo. Esquisito? Mas foi.  Treinado por Ondino Vieira, este foi o time do massacre: Oncinha, Haroldo e Rafagnelli; Figliola, Nilton e Argemiro; Cordeiro, Isaías (Petrônio) Ademir Menezes e Djalma.
VASCO 4 X 2 AMÉRICA-RJ – O "Diabo" era o mandante da partida, mas quem mandou no placara do estádio das Laranjeiras foi o "Almirante". Corria o Campeonato Carioca-1949 e quem apitava aquele "Clássico da Paz" era Frederick James Lowe. Os goleadores colineiros foram Ademir Menezes (2), Maneca e Chico Aramburu, integrantes deste quadro: Barbosa, Augusto e Laerte; Ely, Danilo e Alfredo; Nestor, Maneca, Heleno de Freitas, Ademir Menezes e Chico.
VASCO 8 X 0 MADUREIRA -  Mais malvados, ainda, foram Pinga (3), Sabará (2), Válter Marciano (2) e Vavá, bateram mais forte no "Tricolor Suburbano". Era o Campeonato Carioca-1955, Eunápio de Queirós apitou e o sacode rendeu Cr$ 80.810,00 no cofrinho de São Januário. Flávio Costa armou esta esquadra bombardeira: Hélio, Paulinho de Almeida e Haroldo; Laerte, Orlando e Beto; Sabará, Valter, Vavá, Pinga e Parodi. 
VASCO 1 X 0 TREZE-PB - Jogo da série caça-níquel. O "Almirante" foi à Campina Grande, na Paraíba, afogar uma graninha, para ajudar no pagamento da folha salarial.  De quebra, cumpriu com a sua obrigação, embora tenha vencido por apenas 1 x 0, com gol marcado por Valdemar. 
 VASCO2 X 0 VILA NOVA-GO - Mais complacente, a rapaziada mandou pouco nas redes do "Tigre" goiano, também dominical, em São Januário, valeu pelo Campeonato Brasileiro-1977. Uma galera de 11.278 testemunhou a vitória que teve arrecadação de Cr$ 367 mil, 290 cruzeiros. Maurílio José Santiago-MG apitou e  Roberto Dinamite marcou, aos 38 minutos do primeiro tempo e aos 7 do segundo. Esta foi a turma treinada por Orlando Fantoni, que não perdoou o visitante: Mazaropi; Orlando 'Lelé",  Abel Braga, Geraldo e Luís Augusto; Zé Mário, Helinho e Guina; Wilsinho (Gaúcho), Roberto Dinamite Paulinho (Zandonaide).
VASCO 2 X 0 FLUMINENSE - Oitava rodada do segundo turno do Estadual-1983, a Taça Rio. Clássico "marcanizado" e, esquisitamente, preliminar de América x Bangu. Com arbitragem de Wilson Carlos dos Santos, os gols foram marcados por Oliveira, aos 23 minutos do primeiro tempo e aos 38 do segundo. O treinador Oto Glória "tricolizou" aquela pela força de: Roberto; Edevaldo, Daniel González (Chagas), Nenê e Galvão; Serginho, Oliveira e Vílson Tadei; Ernâni, Marcelo e Paulo Egídio.
VASCO 2 X 1 OLARIA – Vitória difícil, em campo mais difícil ainda de passar o dono da casa para trás. O apito esteve com José Roberto Wright, o público chegou a 4.765 pagantes e os gols cruzmaltinos foram assinalados por: Roberto Dinamite, aos 18, e por Santos, aos 73 minutos. O treinador Antônio Lopes mandou ao "alçapão" da Rua Bariri: Acácio; Heitor, Fernando, Newmar e Paulo César; Vítor, Luís Carlos e Gersinho (Geovane); Santos (Silvinho), Roberto Dinamite e Romário. 
A VASCODADTA 6 DE NOVEMRO É ACRESCIDA DE:  Vasco 1 x 1 Fluminense, em 1938; Vasco 1 x 1 Treze de Campina Grande-PB, em 1960; Vasco 1 x 1 São Paulo, em 1970; Vasco 0 X 0 Atlético-MG, em 1971; Vasco 0 x 0 Santos, em 1987; Vasco 2 x 2 Botafogo, em 1990; Vasco 1 x 1 Juventude-RS, em 1997.  
 
 



domingo, 4 de novembro de 2012

CALENDÁRIOO DA COLINA - 4 DE NOVEMBRO


Dinamitador
Pra conferir nos 4 de novembro: repeteco no mesmo terreiro. goleada, viradas e pancadas na xarazada: 
 
 
VASCO 2 X 0 PORTUGUESA – Rolava o segundo turno do Campeonato Carioca-1960 e o "Almirante" teve que navegar até o acanhado estádio da Rua General Severiano, par lançar a "Zebra da Ilha do Governador". Autores da laçada: Delém, aos 20, e Sabará aos 32 minutos do primeiro tempo. Manuel Machado apitou e o treinador argentino Abel Picabéa mandou ao gramado: Ita, Paulinho de Almeida e Dario; Laerte, Orlando e Coronel; Sabará, Wilson Moreira (Vanderley), Delem, Valdemar e Pinga.

VASCO  2 x 0 ATLÉTICO-MG – Neste terreiro, há uma coincidência. Em dois pegas pelo Campeonato Brasileiro, a "Turma da Colina" fez o raio cair no mesmo lugar, isto é, o mesmo placar em 1973 e em 1997. No primeiro, em um domingo, no Maracanã, com renda de Cr$ 214 mil,103 cruzeiros e público de 27.025 pagantes, Roberto Dinamite e Alfinete soltaram o esporão nas redes do "Galo". Em 1997, o rolo voltou a ralar no mesmo "Maraca", mas em uma terça-feira. Mas isso está mais abaixo.

VASCO 4 x 0 CSA - VASCO 4 x 0 CSA - Amistoso em uma quarta-feira de 1970, em Maceió, com Dé "Aranha" encaçapando dois, e Buglê e Kosilek completando a farra. Elba de Pádua Lima, o Tim, era o treinador de: Élcio; Fidélis, Moacir, Renê e Eberval; Alcir, Buglê e Ademir (Benetti); Valfrido (Kosilek), Dé e Silva "Batuta".

VASCO 5 X 0 OLARIA -  Era um sábado, aquele 4 de novembro. A turma saiu do Maracanã, direto e apressada, rumo ao boteco do "portuga", pra molhar o pescoço por dentro. Evidentemente, secou a geladeira do gajo. Afinal, o "Basco" goleara o Olaria,  pelo Estadual-1978.  O público de 14.942 pagantes assistiu ao estrago, com perversidades de Guina, aos 12 minutos do primeiro tempo e aos23 do segundo; de Roberto Dinamite,  aos 19 e aos 43 da etapa final, e ainda um gol contra, de Sidnei, a cinco minutos do apito final de José Roberto Wright. Orlando Fantoni era o treinador desta moçada: Leão; Orlando 'Lelé", Abel Braga, Gaúcho e Marco Antônio (Paulo César); Helinho, Paulo Roberto e Guina; Washington Oliveira, Ramon (Paulinho) e Roberto Dinamite).

VASCO 3 X 1 CAMPO GRANDE - Quarta-feira de pouca torcida em São Januário – 3.686 pagantes. Rolava o  Estadual-1981, com apito naquela noite a cargo do mineiro Amires Vieira das Chagas. Roberto Dinamite, aos 6, e Silvinho, aos 26 minutos do primeiro tempo, começaram a bagunça no filó, completada por Dudu, aos 14 da etapa final. Antônio Lopes dirigia estes vascaínos: Jair Bragança, Rosemiro, Ricardo Rocha, Chagas, João Luís, Serginho, Dudu, Amauri (Marquinho), Wilsinho (Zinho), Roberto Dinamite e Silvinho.   

Vasco 2 x 0 ABC-RN - Amistoso de 1993, em Natal, com gols marcados pelo apoiador Leandro Ávila e o centroavante Jardel.

VASCO 2 X 0 ATLÉTICO-MG -  Em 1997, o rolo voltou a ralar no mesmo "Maraca", mas em uma terça-feira. Evair, aos 25 e aos 71 minutos, foi o autor da brincadeira de sacudir o filó dos mineiros, em dia que apenas 6.271 torcedores gastaram R$ 2.950,00 para ver o "Almirante" correr atrás do título da temporada. O treinador Antônio Lopes mandou esta rapaziada buscar os três pontos: Carlos Germano; Maricá, Odvan, Mauro Galvão (Alex Pinho) e Felipe; Luisinho Quintanilha, Nasa e Ramon Menezes (Nélson); Mauricinho (Pedrinho), Evair e Edmundo.  DETALHE: Luisinho foi expulso de campo. 

VASCO 2 X 1 GRÊMIO-RS - Campeonato Brasileiro-1998. Para uma quarta-feira, foi jogo de público médio, em São Januário: 18. 370 pagantes.  Apitado por Wilson de Souza Mendonça-PE, foi vitória importante, por ter sido de virada, sofrendo gol aos 18 minutos do primeiro tempo,  empatando aos 29 do segundo, por intermédio de Dedé, e virando, aos 39, por conta do zagueiro Mauro Galvão. O comando do time estava com Antônio Lopes, que distribuiu ordem de virada para: Carlos Germano, Vagner (Filipe Alvim), Odvan Mauro Galvão, Felipe, Fabrício Carvalho (Dedé), Nasa, Juninho Pernambucano e Ramon Menezes (Henrique); Donizete e Luizão.   

VASCO 2 X 1 GRÊMIO PRUDENTE-SP - Mais um time gremista vencido, em São Januário, de virada. Este, em uma quinta-feira, pelo Campeonato Brasileiro-2010. Segundo jogo e segundo placar igual nos duelos entre ambos. Rômulo, em dois minutos, aos 29 e aos 31 do primeiro tempo, resolveu a parda, após o visitante ter saído na frente, aos 9.  O treinador era Paulo César Gusmão e a sua patota atendia por: Fernando Pras, Fagner, Dedé, Cesinha, Max, Jumar, Felipe, Zé Roberto, Rafael Coelho (Rafael Carioca), Éder Luís (Jonathan) e Rômulo.    

Acrescentar na Vascodata" 4 de novembro: Vasco 1 x 1 Fluminense, em 1945. Vasco 1 x 1 Botafogo, em 1962, e Vasco 1 x 1 Flamengo, em 1984.

(Foto de Roberto Dinamite reproduzida do arquivo do Jornal de Brasília, onde está registada sob o número 3618/01).