Vasco

Vasco

sábado, 12 de agosto de 2017

HISTORI&LENDAS DA COLINA - BANGU

1 - No 12 do 12 de 1953, em sua primeira temporada após tirar dos trilhos o "Expresso da Vitória", o Vasco mandou 4 x 1 Bangu, no 68º encontro entre ambos pelo Campeonato Carioca, em um sábado, no Maracanã. Exatamente, uma temporadas depois, o "Almirante" repetiu o placar: 4 X 1 São Cristóvão, em  São Januário, no 66º pega entre ambos, pelo Estadual. Vavá, que havia marcado gol diante dos banguense, repetiu-se diante do "Santo". Na mesma data, a rapaziada coleciona seis empates por placares progressivos, sem ordem temporal: 1990 - 0 x 0 Fluminense; 1959 - 1 X 1 Flamengo; 1964 - 1 x 1 Madureira; 1979 - 1 x 1 Coritiba; 1982 - 1 x 1 Internacional-RS  e 1998 - 2 x 2 Goiás.  

2 - A "Turma da Colina" já teve dia de jogar para as moscas. Em Vasco 3 X 0 Bangu,  em 9 de dezembro de 1990,  pelo Torneio Adolpho Bloch, só 482 "testemunhas" compareceram ao evento, em São Januário. Quer dizer: não tinham nada pra fazer naquele domingo, a não ser Júnior e Marco Antônio "Boiadeiro", que mexeram no placar, bem como o banguense Eduardo Gaúcho, que deu uma de "Amigo da Onça" e fez um gol contra. Por falar em Onça, o Lobo (Mário Jorge Zagallo) era o chefe vascaíno de: Carlos Germano, Ayupe, Célio Silva, Tosin, Cássio (França), Zé do Carmo (Andrade), William, Luciano, Júnior e Sorato. A renda não foi divulgada. Renda? Que renda? 

3- Dizem que mulher de malandro apanha num dia e no outro quer mais. Caso do Flamengo, que apanhou do Vasco duas vezes na data 30 de novembro. Em 1947, na cassa dele,  o estádio da Gávea, pelo Campeonato Carioca, levou 5 x 2, com Friaça (2), Maneca (2) e Lelé nas redes, para o  time dirigido pelo "flamenguistas" Flávio Costa, que alinhou: Barbosa, Augusto e Rafagnelli; Ely, Danilo e Jorge; Friaça, Dimas, Maneca, Lelé e Chico.   O Vasco era tão superior que terminou turno e returno do Carioca invicto, com sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Botafogo.  Em 20 jogos, venceu 17 e empatou três.
 
4 - Passados 21 anos, o "Almirante" voltou a botar o "Urubu" pra voar na mesma data 30 de novembro. Daquela vez, em 1968, pela última rodada do Torneio Roberto Gomes Pedrosa (embrião do Campeonato Brasileiro), em um  sábado, no  Maracanã. A rapaziada mandou   2 x 0, com Nado e Valdrido saíndo pro abraço. O Vasco, treinado por seu ex-lateral-direito Paulinho de Almeida (década-1950), formou com: Pedro Paulo; Ferreira, Brito, Fontana e Eberval; Alcir e Bugleux (Benetti); Nado, Adílson, Bianchini e Danilo Meneses (Valfrido).   

5 - Quando chegou a São Januário, o zagueiro Hércules Brito Ruas era meio-campista, atuando como volante. Então, o treinador Martim Francisco sacou que a sua altura e compleição física ficava melhor para serem usadas na zaga. E o puxou para o setor, onde foi um dos grandes xerifões vascaínos por longo tempo. Para Brito ir se acostumando com a nova posição, Martin propôs-lhe: "Jogue como Bellini". Quando saiu da Colina, Brito declarou que chegara a jogar sob o comando de um treinador que entendia de futebol por dois, Zezé Moreira. E disse ter jogado, também, sob o comando de um técnico estrangeiro que "não entendia nada de futebol". Como não citou o nome deste, pode ter sido um dos dois argentinos, Abel Picabea ou Filpl Nuñes, os gringos que passaram pela Colina enquanto ele foi vascaíno.   

Um comentário:

  1. Não sei se voce já escreveu sobre o jogo de 79 Vasco x e bangu. Quando jogaram pó de mico nos vascaínos...

    ResponderExcluir